quinta-feira, 30 de abril de 2015

Ganha-se em saúde, perde-se em tinta


Deixar de fumar faz mal à saúde... da casa. Sim, foi a esta conclusão que cheguei... mas que isto não demova ninguém! Passo a explicar: aqui há tempos, o Homem cá de casa deixou de fumar cold turkey style... quer-me parecer que é o equivalente, na versão masculina, de dar à luz e só vos digo que me fez ficar ainda mais orgulhosa dele. No auge da ressaca, resolveu que era o momento ideal para fazer uma bricolagezinha cá por casa... Conclusão: ficámos sem um bocado de estuque na parede da cozinha. Tudo bem! Até podia ter vindo a parede toda abaixo que eu continuava a não me chatear com o assunto desde que ele não voltasse a pegar nos cigarros! Como rapaz responsável que é, foi comprar massa para resolver a situação e resolveu.... a situação da cozinha, do quarto da Sardanisca, da sala... Tudo quanto fosse buraquinho de prego, tinta a soltar-se ou sombra provocada pelo sol, levou com massa em cima o que resultou numa espécie de sarampo doméstico. O caso mais grave foi o da parede da "árvore de natal" que, à conta de tanta fita adesiva, já tinha a tinta a saltar. Vamos ter de pintar a parede... isso é certinho... mas entretanto vou estudando a melhor forma de fazer uma parede de molduras. Já fiz qualquer coisa do género na casa da Nazaré, mas ainda é um work in progress, mas aqui acho que dá para fazer melhor e sempre anima aquele cantinho e, assim com'ássim, já sei que posso sempre contar com o Homem para barrar a parede em massa em qualquer altura!

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Editores de imagem para nabas como eu






Tento, sempre que possível, usar as minhas imagens para ilustrar os posts que por aqui vou deixando e peço desculpa por isso... ninguém merece tanta foto desfocada, tanta cor deslavada ou queimada, tanta composição fraquinha! É verdade... Mas estou a tentar remediar a solução. Não se esperam milagres mas antes atenuar a dor lancinante que tenho provocado às três pessoas que por aqui passam. Então, depois de dominar a arte do design para social media (atentar a estes exemplares magníficos da comunicação que concilia o humor com a arte visual) por via do mui útil Canva, estou prestes a tornar-me uma espécie Sebastião Salgado do iPhone, e como? Ora, recorrendo ao bom e velho (?) Fotor! Há todo um mundo de ajustes, colagens e montagens para fazer! Bem sei que o photoshop é "a" cena mas o meu Air já está a rebentar pelas costuras (Tim Cook... já perdi a conta às vezes que tivemos esta conversa... quando quiseres... um iMac, um MacBook Pro... you name it!) e eu não tenho tempo para aprender a trabalhar com essa geringonça do inferno... fica para o Verão... por isso Fotor it is! Agora é só uma questão de manter baixas as expectativas e esperar para ver melhorias...

(o meu homem já me disse que a primeira foto está muito contrastada... mas daí a meter as mãozinhas à obra, 'tá quietó mau...)

terça-feira, 28 de abril de 2015

Quando for grande quero ter um blog/instagram/pinterest assim







Já devo seguir a "cadeia social" Beautiful Mess (blog, instagram, pinterest) há uns bons três anos e não deixo de me surpreender e de ficar roída com a qualidade das imagens, a originalidade das ideias e a pertinência das dicas! Como é que esta gente faz estas coisas tão bonitas, pá!! A sério!! E sim... o argumento, "não fazem mais nada" só é válido desde há pouco tempo, porque esta malta além de ter filhos em quantidades invejáveis, fazia outras coisas na vida (ou pelo menos é essa a ideia que eu tenho)... Bem, por aqui vou continuando a babar para cima destas páginas...

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Pérolas da vida doméstica




Aproveitei a pausa da Páscoa fazer uma limpeza a fundo cá em casa. O plano era claro: revirar tudo, arrastar móveis, limpar tectos... uma espécie de higienização dentária à casa (nota mental: o facto de estar a fazer quase um ano de aparelho começa a manifestar-se ao nível do sub-consciente... procurar controlar metáforas do campo da ortodontia)! Não tive dúvidas, esta era uma missão para a o esquadrão "Mãe Fatinha e Sogra do Coração". Além do mais... era uma forma de fazer a vontade à minha mãe e mostrar-lhe o quanto tinha evoluído... Depois de anos a pedir-me para arrumar o quarto, o mínimo que podia fazer(-lhe) era envolvê-la nesta empreitada... se bem que não me lembro dela me ter agradecido...
Antes delas chegarem (devidamente armadas de esfregonas, baldes e lixívia... claramente tinham dúvidas que eu tivesse equipamento adequado cá por casa... pessoas de pouca fé), tinha já identificado um conjunto de pontos problemáticos: janelas, silicone dos caixilhos, calhas das janelas, manchas de bolor da casa de banho (assumir isto publicamente arruina qualquer possibilidade de um dia vir a ser uma pessoa glamorosa... é a vida) e "riscos na parede". Sabia da solução para todos os problemas à excepção do último e partilho aqui uma dica que não vem nos manuais e que me foi transmitida pela Sogra. Ora então, as minhas paredes estavam marcadas pelo encostar de móveis, pelo atirar dos sapatos para a zona da sapateira (outra que não abona nada a meu favor!), pelo abrir e fechar do estendal dentro de casa... Algumas marcas iam saindo com a esponja e um bocadinho de detergente mas as mais sérias não havia meio de desaparecerem. Foi então que ouvi: "ouve cá 'pariga, não tens Vim? daquele líquido". Fez-se um ponto de interrogação na minha cara... Vim?... Só me lembro daquele em pó que se usava quando eu era garota, mas lá tive a clarificação... "Vim ou Cif... tem é que ser daquele do líquido branco espesso..." Não tinha mas fui arranjar muito, muito na dúvida de que resolvesse alguma coisa. Qual não é o meu espanto quando vejo que, esfregando o Cif na parede com a ajuda de um pano e sem qualquer outro "ingrediente" todos os riscos desapareceram! Todos! Os das cadeiras vermelhas, os metálicos do estendal, os castanhos dos sapatos!! Todos! E voltei a ter as paredes imaculadamente brancas!
Escusado será dizer que me deixei dos detergentes moderninhos cheios de esguichos, e espumas e sprays, que não fazem a ponta de um corno, e vai de usar Vim/Cif em tudo quanto é canto! Só não o uso para me lavar (outra ideia que podia ter evitado...) porque tenho a pele sensível!

De nada!

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Quase que era um post sobre gastronomia...


Tenho a sensação que alguém se instalou cá por casa e que, durante a noite me abriu um buraquinho no crânio, espetou uma palhinha e me foi sugando o cérebro aos bocadinhos, que já estava feito em papas de tanto me comerem a cabeça por outras vias... menos intrusivas! Venha o fim de semana, venham dois episódios de Game of Thrones, venha muita anhagem no sofá, eh pá, assim com'ássim, venham as limpezas, para ver se aos poucos isto regenera!

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Foi giro à brava!





Nunca fiz uma corrida à noite. Nunca fiz uma corrida com as ruas escoltadas por campinos. Nunca fiz uma corrida com um abastecimento de vinho tinto. Nunca fiz uma corrida em que passasse por dentro de um quartel. Nunca fiz uma corrida com direito a bifanas, finos e doces no final. Nunca fiz uma corrida tão bem acompanhada. Nunca fiz uma corrida com isto tudo junto. Talvez por isso tenha gostado tanto e tenha quase conseguido fazer 10k em menos de uma hora. Fazia outra já amanhã! 

terça-feira, 21 de abril de 2015

E porque hoje é dia de receber o cabaz...


bem sei que ele aqui está com um aspecto murchito mas a fotografia foi tirada hoje de manhã e o desgraçado foi feito ontem à noite... nada aguenta tantas horas fresco e fofo!



... resolvi aproveitar os legumes do cabaz da semana passada, da Quinta do Arneiro, que ainda estavam no frigorífico (abóbora, cenoura, bróculos, salsifi, courgete...). Como ando encantada com a forma perfeita com que o sufflé se adapta aos "restos" fui por aí e, até que o Homem e a Sardanisca me escondam o Pirex, é disto que têm pelo menos uma vez por semana! Depois, em vez da sopinha do costume, resolvi usar a beterraba... Adorei a cor e o sabor! É claro que ajuda ter legumes que sabem ao que são e isso faz toda a diferença!

(uma espécie de receita do sufflé em imagens, aqui)

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Vários títulos possíveis para este post:





- Acho que enlouqueci um bocadinho;
- Não voltarás a fazer compras on-line em noite de insónias;
- Espero que haja vagas no Chapitô para palhaço;
- Isto fica bem com o quê?;
- A minha nova relação amor-ódio;
- Espero que o Pinterest tenha inspirational boards para este tipo de devaneio;

É escolher... Eu vou ali tomar as gotas para ver se estes momentos de loucura não se repetem...

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Perguntas retóricas






Só para efeitos de referência vamos assumir que isto acontece cá por casa. A questão é: quão mau seria e quem é que está errada:

Há dois momentos de brincadeira que eu gosto particularmente mas tenho algumas dúvidas em relação à dinâmica: os legos e a leitura de histórias... Ora, com os legos a pequena arquitecta que há dentro de mim salta cá para fora e vai de criar pequenos palácios. A questão é a minha filha não partilha da minha visão estética e não só não me ajuda a construir os mais bonitos edifícios alguma vez vistos no universo Lego, como me rouba peças e destrói as minhas construções... Parece-me mal... e acho que ela deveria rever este tipo de comportamento, certo?

Na leitura das histórias parece-me que não dá o valor necessário à minha representação... Estou eu a fazer a voz do avô no "Sonho da Mariana" quando ela me interrompe para perguntar o que é o boneco no fundo da página... Considero que ao longo deste quase dois anos desenvolvi um método de representação próximo do profissional e rapidamente lhe dou resposta e volto a entrar no personagem (salvo seja) mas há um limite para o número de vezes em que estas interrupções podem acontecer de modo a não perder a alma da história. Sinto que ela não reconhece a minha arte.

A hipotética miúda teria de atinar e aprender a apreciar as aptidões artísticas da hipotética mãe, certo?

(Tenho a certeza que todos os meus leitores - sim, vocês os dois - são pessoas de humor refinado (ou pelo menos percebem que sou uma pessoa doente) e por isso toparam logo que isto é brincadeirinha).

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Está bom assim. Não mexe.



bem sei que o cacto está com mau aspecto mas é mesmo assim... as folhas velhas têm que cair para depois nascerem novas... trust me!

 aqui são as duas micro folhas verdes que se vêem no canto inferior esquerdo... são pequeninas mas estão lá!



Queria muito ter alguma sensibilidade literária (e já agora, da outra também) para escrever aqui com palavras bonitas que este ano a Primavera marca mesmo (o fim e) o princípio de tudo. Mas não tenho, por isso, deixo antes a prova que quando o Sol começa a brilhar, depois de uma boa chuvada, até o improvável acontece: há plantas vivas (vá, umas mais que outras... o 13 de Maio ainda vem longe e o Todo Poderoso está cheio de trabalho neste momento) nas minhas floreiras... e tudo o que isso significa.

terça-feira, 14 de abril de 2015

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Isto ou corre muito bem ou corre muito mal...





Quase todas as noites pergunto à Sardanisca que livro é que quer ler antes de adormecer e quase sempre ela saca do "Estanho Mundo de Jack". Bem sei que durante meses, quando ainda a estava a habituar a esta rotina, quem escolhia o livro era eu e de tanto gostar dele li-o algumas 800 vezes. Na história as palavras mais frequentes serão "tumba", "ossos", "monstros", "cadáver"... mas a história é perfeitamente inocente! O Jack, rei de Halloween, rouba o Natal, porque estava farto de assustar as pessoas e queria, tal como o Pai Natal, poder dar, em vez de sustos, alegria. Mas como não tem jeito nenhum para a coisa acaba por ficar muito triste e devolver o Natal! Convenhamos que, do ponto de vista da integridade física e moral ninguém é mal-tratado! Se virmos com atenção, no "Capuchinho vermelho" a Avó é comida pelo Lobo, que por sua vez é assassinado pelo caçador que lhe abre a barriga, a enche de pedras e o atira ao poço... Já na "Cinderela" temos no mínimo um caso de escravatura e sequestro... Ainda assim, sempre que lhe estou a ler a história fico a pensar no que ela vai dizer na escolinha daqui a uns tempos quando lhe perguntarem que livros é que lê antes de adormecer: "Ah, aquele que tem Zero o Cão fantasma e o Jack que vive num caixão".

sábado, 11 de abril de 2015



Não era nada que eu já não soubesse mas estou a tornar-me um ser anti-social e o que é pior... contra minha vontade! Eu bem tenho tentado arranjar momentos em que me obrigo a estar com pessoas que não conheço com o intuito de conviver e a verdade é que não consigo. Não sei como é que se mete conversa com as pessoas e, muito sinceramente, nem sempre tenho paciência para aquela primeira conversa de circunstância que se tem que ter. Nas últimas tentativas juntei-me a dois grupos de corrida distintos e consegui chegar e ir embora sem abrir a boca! Por um lado, porque as pessoas já se conheciam e por outro porque não tenho feitio para me fazer ver no meio de gente. Mas depois, fico a olhar para a minha filha no parque e parece super-simples: dar ou receber encontrão; pedir ou aceitar desculpas; dar ou receber beijinho; dizer o nome; amigos para o resto da tarde. Já pensei pôr a estratégia dela em prática mas tenho um bocado de medo de ser presa por agressão...

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Certinho como o destino




Já me conformei com o facto de sofrer de claustrofobia podológica e aprendi a viver com essa maleita: sou muito feliz se descalça mas em tendo de andar calçada que seja por pouco tempo ou tapando pouco o pé. Por isso, mal o sol deu um ar da sua graça uns quantos dias seguidos achei que já era altura de os deixar mais à solta. O problema é que não tinha sapatos de meio-termo - ou botas ou chinelos - e por isso tornava-se imperativo (daquelas necessidades mesmo mesmo muito necessárias) arranjar um sapatunfo de que não me envergonhasse e a coisa deu-se... Encontrei umas Melissa giras para aproveitar o tempo estival e... começou a chover! Lógico!

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Às vezes dá vontade de pendurar as sapatilhas...



Nesta altura estou a tentar preparar-me para fazer a Meia Maratona do Douro Vinhateiro. Na realidade estou a preparar-me desde de Fevereiro. Tenho feito tudo como manda o plano de treinos e ainda uns treininhos caseiros (vale o que vale mas pelo menos tenho tentado) e tirando o caos que foram as "Férias da Páscoa" a coisa até foi correndo bem. O caraças é que não há meio de conseguir sair da cêpa torta!! Quero muito baixar os meus tempos e nada disso está a acontecer! E a questão é que como treino sozinha e sou uma péssima atleta (espírito de sacrifício está ali próximo do zero) não "aperto" comigo para ir bocadinho mais depressa porque isso é desconfortável... O que quer dizer que muito provavelmente irei também acabar esta Meia Maratona em penúltimo!! Oh vida!

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Convite aceite!





Ontem recebi o meu cabaz semanal da Quinta do Arneiro e com ele um miminho que me deixou o queixo a tremelicar de emoção. Eu bem sei que ando feita um ser sensível mas acho que nem é por isso que o gesto me deixou abalada e cheia de vontade em dar um beijoca ao pessoal da Quinta. Então não é, que com este cabaz vinha um mini pinheiro e uma proposta: a de sermos a família adoptiva da árvore, até que ela esteja forte e com raízes profundas o suficiente para ir morar na Quinta do Arneiro e aí, terá o nosso nome  e estará disponível para nos dar a sombra em futuros passeios e pic-nics... Acho a ideia genial e já me consigo imaginar no futuro com a Sardanolas a secar a paciência à árvore que coitada não terá por onde fugir! Ainda não tinha tido dúvidas em relação à nossa opção pela encomenda do cabaz da Quinta, mas neste momento tenho a certeza absoluta que foi uma boa escolha!

terça-feira, 7 de abril de 2015

Livros: 1 de 4 - Done



No início do ano achei que devia impor-me um objectivo de leitura: ler 4 a 6 livros num ano! Sim um ano. Tenho noção que há quem leia 4 livros em dez minutos... eu própria lia um livro por mês (mais coisa menos coisa) não há muito tempo. Mas as coisas mudaram... muito, e ler um livro parece-me algo tão complicado quanto correr uma Meia Maratona! Ainda assim... no dia 28 acabei de ler a última palavra do Primo Bazílio e não podia ter ficado mais orgulhosa! A última vez que tinha lido um livro de seguida foi quando a pequenas nasceu! Estou certa de que haverá alguma relação entre estes eventos. A porra toda é que defini, nesse meu objectivo, que metade dos livros seriam em português e a outra metade num idioma que dominasse. As opções são poucas: inglês, francês, castelhano e catalão. O que precisava agora era de dicas... que livros, pequeninos pequeninos, caso contrário não os acabo neste século, há por aí em estrangeiro, que valha a pena serem lidos?

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Dia do Pai é quando a Mãe quiser





Este ano o dia do Pai calhou mesmo no olho do furacão que estes dias têm sido. Eu sei que não é desculpa... que uma boa espo(n)ja e boa Mãe prepara antecipadamente todo o dia de homenagem ao progenitor. Já me chicoteei (com jeitinho para não me magoar muito) e remediei a situação como pude: levei o homem a jantar num dos nossos restaurantes preferidos: a Tosca. Para além da comida extraordinária (já lá vamos) o restaurante não tem nada de outro mundo a não ser uma coisa muito básica: o bom gosto! O ambiente é super simples, a atirar para o industrial, tem uma luz suave, uma música de fundo sempre fantástica o que no final resulta em sofisticado mas sem pinderiquices! A sensação é que estamos entre amigos porque o tratamento é muito cuidado mas também familiar. Sempre que há dúvidas em relação a alguma escolha é fácil termos uma opinião. Como já não saímos para a loucura da nigth live há mil anos, basta-nos uma sangria de champagne com frutos vermelhos para sairmos de lá a trocar os pés por isso não sei como é a carta dos vinhos mas só pode ser boa! De resto, só precisamos de alguém que nos dê um empurrão para irmos a rebolar porque é impossível deixar alguma coisa no prato! Para começar as entradas... acho que aquilo que melhor ilustra a qualidade das entradas é o facto do casal da mesa ao lado ter jantado só entradas!! Entre morcela de sangue com cebola caramelizada e compota, ovos rotos, cascas de batata... bem... um sem fim de coisas mesmo mesmo boas. E depois os pratos principais. Confesso que ainda não fui ao lado do peixe (temos tempo) mas entre Porco Preto, Vitela e Vaca é tudo bom! As sobremesas são poucas mas de ir ao céu! Em especial a mousse de lima... O preço não faz justiça à qualidade! É por estas e por outras que a pesagem mensal vai ser adiada por uma semana...

sexta-feira, 3 de abril de 2015

O outro bocadinho de mim






Fui há poucos dias à terra do meu Pai. Sempre disse que a aldeia do meu Pai ficava na Serra do Caramulo mas que era tão pequena que não vinha no mapa. Depois veio a internet e com ela o discurso mudou para "só aparece numa entrada do Google e é porque tem um marco geodésico"! Hoje já não é assim... Se se escrever "Souto Bom" aparecem uma série de notícias referentes à Aldeia sendo a mais recorrente a do projecto "Ambientes do Ar". A aldeia está rodeada e é atravessada por uma série de cursos de água que está sempre fresca, límpida e que dá vontade de beber só de ver! Por isso mesmo, recentemente, criaram-se as condições para fazer dois percursos pedestres para visitar os moinhos de água, aproveitar o ar e ver as vistas (há dias em que se vê a neve no topo da Serra da Estrela). Eu sei que sou suspeita e que mal posso esperar que a casinha que era dos meus avós (aliás, bisavós) fique pronta mas, é de acreditar, é um programinha que vale muito a pena!