segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Também tenho alguma coisa a dizer sobre os Óscares:

First and foremost: obviamente que a "Academia" não viu o "The kids are all right" caso contrário, o filme nunca teria ido parar às listas de nomeados, nem na categoria "melhores-atoalhados-em-cenas-de-cozinha"! Mas como lá viram o nome da Annette Benning e da Julianne Moore, arriscaram!

Para além do mais, não gosto de nenhuma das duas atrizes. Coisas minhas...

Segundos: as estatuetas estão todas bem entregues... assim com'assim ninguém me perguntou nada e agora também já é tarde!

O que eu gostei deste senhores...

Terceiro: as comentadoras-de-vestidos, deste lado do fuso horário, ganharam o meu respeito! À 1h da manhã já estava cansada de estar à espera... às 2h já achava as fatiotas feias para burro e só me apetecia correr tudo à chapada... Por isso, reconheço que domar as birras de sono deixando emergir o bom gosto é mais difícil do que parece!

Senhora desconhecida (pelo menos para mim), com o que me parece ser, uma proporção clássica da acondroplasia.

E é isto! Saudinha e um grande bem-haja a todos!

Segunda-feira #83

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Será...

...uma convenção de sportinguistas?
...um agrupamento de super-heróis esperançosos?
...de fugitivos de uma qualquer instituição psiquiátrica?
...a reunião de exilados da Mauritânia, esfomeados e sequiosos?









Em maior ou menor grau, todas as respostas acima são verdadeiras, mas na realidade, trata-se da reunião anual dos Penantes/Sakanagem!

Para mais explicações, consultar o blogue nos próximos dias... e sim, o Carnaval já começou... há umas 3 semanas!

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Vida (de dona) de cão


Eu sou pessoa para ter pouco mais de 50kg. O Bogas, pouco menos de 40kg. É fácil perceber, que o meu controlo sobre ele, passa mais pela educação que lhe fui conseguindo dar, do que pela força bruta, porque sendo sincera, os quilos de Milka que vão no meu corpinho geram muito menos músculo e força, que a ração rica em proteínas e outros nutrientes que o meu real canídeo ingere. Ora, quando o bicho se descontrola, normalmente sou sacudida uma ou duas vezes, até que o consigo acalmar. E quando é que ele se descontrola? Perante outros cães, principalmente aqueles que já estão meio ou completamente excitados... e mais ainda, quando eles resolvem vir a correr na nossa direcção, com as orelhas e rabo espetado. Eu até tenho assistido (e gravado) religiosamente todos os episódios do Cesar Millan: "calma assertiva" passou a ser o meu mantra e à custa de tanto endireitar as costas e projectar o peito, desconfio que não tarda nada vou ter um tamanho de sutien decente (valha-nos isso)*! 


 Mas o desafio fica para lá de difícil, quando há donos (para não falar das matilhas de cães abandonados) que resolvem passear os seus belos exemplares de Samoiedos, Labradores e Rottweilers sem trela, confiando que do dia para a noite, os animais passaram do género "Canis" para o género "Homo" (e destes refiro-me apenas aos que conseguem controlar os picos de testosterona... 1%, portanto) apenas pelo toque da varinha mágica da escola de cães! Até me podem dizer que posso ficar descansada que ele não faz mal, mas a memória do ataque de um Husky cruzado com Pastor alemão ainda está presente demais na minha memória, para ficar tranquila quando vejo um Grand Danois - que com as patinhas no chão me dá pelo queixo - a correr e a ladrar na minha direcção, gerando no Buick uma sequência frenética de pinotes, comigo agarrada à trela! Para além deste cenário, ainda tenho o dono a gozar com a minha cara:


Dono de Grand Danois - Não se preocupe que ele não faz mal...
Guilhim - Pois está bem, mas a ladrar grosso assim, não me parece que esteja muito bem disposto...
Dono de Grand Danois - Então mas com este tamanho, estava à espera de quê? Que o cão ladrasse fino?!...

Por isso, donos do meu país, andem com os vossos bichos à trela! Não custa nada e evitam-se situações tramadas!



*são os conselhos do DogWhisper: ser calma, assertiva e assumir uma posição de respeito que implica ter as costas direitas e o peito aberto.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Dos neologismos que não resultam...


Hoje num lanchinho com amigos, onde havia uma italiana recém-chegada à mistura, estavamos a falar do Berlusconi e das suas avarias. Às tantas, alguém se estava a tentar lembrar da designação de uma das opções de lazer do dito senhor, mas não estava a chegar à expressão correcta. Eu perante a atrapalhação e a descrição dada, respondi o que seria lógico, para logo a seguir perceber que se estivesse calada não teria feito pior:

Amiga - Ai... como é que se chama aquilo que o Berlusconi fazia... aquelas coisas... ai pá... aquilo tem mesmo um nome*...
Gulhim - (?!) As Berlusconadas?!...

...

(Satisfeito senhor P.?)

* Bunga-Bunga

É que fico enervada...

...porque não percebo um caraças, do que o rapaz que canta fininho nos Expensive soul, diz! É bem verdade que o estilo dos moços não me agrada. Quem me tira um Nick Cave, um Caetano, uma Lisa Hannigan, uma Mayra Andrade, um Ravi Sankar ou uma Nina Simone, tira-me quase tudo... E como se vê não sou esquisita, desde que seja bom, eu gosto! E nem é uma questão de snobismo musical, já que gosto muito da nossa prata da casa! Venha um Sérgio Godinho, um Jorge Palma, uma Cristina Branco ou os Oquestrada, que marcha tudo com relativa facilidade... Agora, esta moda nova de cantar em Português como quem fala inglês tira-me do sério! É que fico com um tremelique no olho e taquicardia, quando chega o tipo com aquela dicção marada acompanhada de uma melodia* duvidosa na gama dos ultrasons... Mas lá está... felizmente, posso escolher o que ouço e escuso de ficar a resmungar!



*nem vou falar das letras, para não dizerem que sou uma megera

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

"Eu é mais bolos"

Não sei se é da chuva, mas a verdade é que me tem apetecido fazer bolos... mas assim que começo a preparar os utensílios lembro-me que a minha batedeira é de crianças e que a qualquer esforço extra ameaça com um cheiro a queimado que faz tremer o quadro da electricidade. 

Por isso, enquanto em vez disto...

...tiver isto...



...os bolinhos vão ser escassos...

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Sakanagem: A força do bem

Ele há coisas que não se explicam*... é ouvir, sorrir, repetir, decorar a letra e pronto!



...e depois do Carnaval
Vô bombar até ás 15
Porque sô super-herói
Tô biruta e c´um pé p´rá dança!!!!

É GALÊRA!
É GALÊRA!
OLÉ MANIA!

Com capa sô herói
Um dia vô ser rê
De tanga magistral
Com toca eu já na sê
Com gel um pentead
Eu faço abdominal
...e depois do peitoral
Levo uns collans elegantes!

Cartão de cidadão
Já tô mêm espert
Sô Marjavante
Tenh´a raquete
Um copo de cereja
Treinar os mês linguades
Dois litros de produto
Três muscles elegantes!

(Beridge)
...e su Galêra sair no Carnaval?
...e su Galêra sair num´ímperial?
Tô perdid
Tô lixád
Tô na capa embrulhád
Tô com fri
Toca ´qui
Letra i
Ohnnn...
...e sa galera aparecer no mê do mar?
...e su Galera aparecê pa chatear
COMé kiééééééééé?

(Réfrone)
NA QUÉ SABER!!!
Ai vai t´imbora
Tenhe pedêres
Olha que tamande pa ladêra
A sapatêra
Na tem problema
O qué qu´eu sou?
Sou Carnaval!

Tô enleade
Mais um problema
Já tava pront
Encostou-se uma piquena
Tava acamáde
Ensaraivade
Na tens cuidade, na tens: ALLÔ SABITA!!

*um dia destes, deixo um post especial palecos, para contextualizar e tentar explicar o inexplicável: o Carnaval na Nazaré.

Já não se falava da bola há algum tempo...

O jantar de ontem foi preparado e consumido à luz e som do computador... sim, porque não há cá pão para malucos, e sport tvs e afins são caras e a malta é "pobrezinhas". Anyway, abstive-me de rejubilar com vigor perante o primeiro golo, para não ferir susceptibilidades, uma vez que contra todas as probabilidades, estou amancebada com um lagarto (e perceba-se que aqui as probabilidades, são apenas as clubísticas). Contudo, ao intervalo o sujeito ainda teve a distinta lata de entabular a seguinte conversa:

- Queres que te diga o que vai acontecer na segunda parte?
- (enquando dobro roupa interior acabada de sair do estendal) Não... deixa lá, não vale a pena.
- A sério que não queres saber?!
- Vá diz lá...
- Na segunda parte o Sporting vai dar a volta ao jogo!
- 'Tás pior!... o facto de já terem levado um golo não te diz nada?!
- Sim, sim... o primeiro milho é para os pardais!

Tinha acabado de preparar e arrumar a roupa, quando chego à sala e verifico que está 2-0, apesar do silêncio do indivíduo.

E pronto... foi assim. Ainda estamos à espera que os pardais deixem de comer.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Segunda-feira #82




[oooooooommmmmmmm]

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Alguém me tranquilize...

Fui só eu a chorar baba e ranho durante quase todo o filme The King's Speech?!? É que pelas minhas contas, não é suposto andar hormonal, até é fim de semana, aqui a vila já anda em festa à conta do Carnaval e eu apesar da constipação até ando bem dispostinha. Por isso só pode ser mesmo do filme*!


É daqueles que vale mmmmeeeeessssssmmmmmooo a pena!

* que nos mostra como é tão fácil identificar a nossa própria gaguez... aqueles medos que nos bloqueiam e que nos fazem duvidar que tenhamos capacidade para dar um laço nos atacadores, quanto mais para fazer com sucesso aquilo que esperam de nós...

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Este rapaz é um talento

The Video Listener (personagem que já faz parte da reduzida família Ver-de-água) fez novo filminho e para variar está fantástico. Desta vez, foi para a 3ª Edição Prémios de Cuidado Pessoal Men's Health (revista que dispensa apresentação de tão boa que é!) 2010.

Para quem (leia-se: as meninas que por aqui passam) dispensa detalhes técnicos de realização e edição, pode em alternativa, apreciar outros detalhes igualmente interessantes! ;)

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Anti-Valentine

O único momento em que por segundos achei piada ao "dia dos namorados" foi no quinto ano, quando à entrada da aula de Ciências Naturais, o Carlos Pedro me deu um ramo de flores. Mas foi só mesmo por um segundo, porque rapidamente percebi, que daí para a frente ía levar com as piadinhas do meninos e com o mau feitio das meninas, para além de ter de andar a carregar com um molho de plantas mortas, tendo de explicar em casa como é que as tinha arranjado. Verdade seja dita, que pela graça do todo-poderoso, as manifestações de "amor" exuberante, não se multiplicaram por aí além desde 1992, o que até é bom, uma vez que tenho a sensibilidade de um calhau e normalmente dá-me para rir ou para fugir dos portadores de tão nobre sentimento, devidamente calendarizado.

 Photo @ Flickr by radmegan

Isto tudo para dizer que NÃO GOSTO da fantochada à volta deste dia! Até podia aproveitar para legitimamente receber o meu presente. Sucede que acho que os animais de peluche só servem para ganhar pó (e uma marmanja de quase 30 anos que ainda brinque com bonequinhos, deve procurar ajuda), a lingerie sexy em tons de preto, vermelho ou rosa não me favorece e é possível que desencadeie um ataque de pânico, riso ou cegueira, na pessoa a ter de suportar tal visão, e por fim, tendo disputado durante a infância a atenção paterna com milhares de vasos de plantinhas (papai é botânico) e saído a perder, fez crescer um mim um certo desprezo por tudo o que é vegetal e não se possa comer. Ora, é bom de ver, que tendo em conta a oferta que se nos entra pelos olhos e ouvidos dentro, nada do que é tradicionalmente oferecido me agrada... muito pelo contrário. Assim sendo, espero que este dia passe rápido, espero não ter que levar com pessoas aos melos e tenho o desejo secreto que um dia alguém se esqueça de "comemorar" esta treta!

Segunda-feira #81

domingo, 13 de fevereiro de 2011

O meu coração balança...

Entre isto...


e isto...

O dilema entre o doce sabor da cultura, e o apetitoso dolce fare niente...

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Há um novo amor na minha vida...

...e estamos no período de lua de mel!

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

I beg to differ

É oficial, contra todas as correntes e marés, principalmente as blogosesféricas, não gosto das cozinheiras inglesas! Primeiro foi a "Porca da Nigela". Petit nom carinhosamente atribuído pela mãe Fatinha à figura, por achar que não é higiénico andar a roçar com as mangas do ropão pela cozinha e que lamber os dedos (até ao cotolovelo), para depois voltar a pôr a mão na massa, é digno de uma reclamação à ASAE! E as receitas... vai lá vai!! Comia aquelas mistelas, mas era de largue!

Agora a sonsa número 2, a Miss Dahl!! Estou aqui a agarrar-me, para não saltar para dentro do ecrã, puxar-lhe um pêlo do nariz e ver se aquele sorriso estúpido e calma mórbida lhe sai da fronha!! De resto, dispensava ser convidada para provar os pitéus, que não têm lá grande aspecto.


Em comum, para além das formas generosas e um sotaque irritante, têm a capacidade admirável de fazerem grande filmes à volta dos alimentos! Amoras não são amoras! São representações campestres que deveriam estar num quadro de Rubens, aparadas pelas mãos de uma mulher em contra luz!! Pelo amor da Santa! A comida ou é boa ou não é! E se tem que se pensar muito no que se está ou vai comer, então é porque o talento não é muito, e usam-se uns sentidos para enganar os outros!


Eu cá sou mais da equipa deste senhor!! Gosto de contar os "Fuck" que são ditos em cada programa, para além de fazer apostas sobre quem vai flipar! Isso sim, é um programa de culinária à séria! As receitas muitas vezes são más, as pessoas andam de trombas, mas no fim, há sempre alguma coisa que corre bem! É isto que se quer! E não donas de casa patetas, a receber convidados impecavelmente vestidas e sorridentes, felizes com a condição de doméstica cozinheira, que está a anos luz da condição (e conhecimento) de um chef!


E nos "entretantos", porque é dia de aniversário cá em casa, aqui fica a piece of cake!

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Só para arrumar as vénias por agora



Sou da geração "sem remuneração",
E não me incomoda esta condição.
Que parva que eu sou!


Porque isto está mal e vai continuar,
Já é uma sorte poder estagiar.
Que parva que eu sou!


E fico a pensar,
Que mundo tão parvo,
Em que para ser escravo,
É preciso estudar...


Sou da geração "casinha do pai",
Se já tenho tudo para quê querer mais.
Que parva que eu sou!


Filhos, marido, estou sempre adiar,
E ainda me falta o carro pagar.
Que parva que eu sou!


E fico a pensar,
Que mundo tão parvo,
Em que para ser escravo,
É preciso estudar...


Sou da geração "vou queixar-me para quê?!",
Há alguém bem pior do que eu, na TV.
Que parva que eu sou!


Sou da geração "eu já não posso mais",
Esta situação durou tempo demais!
Que parva que eu sou!


E fico a pensar,
Que mundo tão parvo,
Em que para ser escravo,
É preciso estudar...

Fico só à espera da outra música... aquela em que diz que há na nossa geração quem não tenha de mexer uma palhinha, porque apesar de mediocre tem uma cunha bem gira... é que esses não são parvos!

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Já tive o momento surreal da semana!

09h00: consulta de medicina do trabalho
(...)
Médico (gordo, careca, com pouca perícia social): Então doutora Guilhim, já sabe que temos que fazer o auto-exame da mama?
Doutora (?) Gulhim: hum hum (mau!! então mas isto não é medicina do trabalho!!... E outra, "auto" e "temos" não combina...)
Médico: Ora então e como fazemos o exame?..
Guilhim: Bem, palpamo... (interrupção... ups, afinal era uma pergunta retórica)
Médico (reproduzindo fisicamente os movimentos que descrevia): Levanta o braço e toca na orelha contrária ao braço. Depois, com a outra mão, começa por sentir a axila blá blá blá e não tenha medo, podemos mesmo esmagar a mama contra o peito blá blá blá apertamos o mamilo blá blá blá. Compreendeu doutora Guilhim?
Guilhim: hum hum... (só não compreendo porque é que continuas a falar na primeira pessoa do plural... as mamas são minhas! Não são nossas!! São minhas!!)
Médico: E quando devemos nós fazer o exame?
Guilhim: O melhor é ser... (interrupção... ok... retórica outra vez)
Médico: Nos três primeiros dias a seguir à hemorragia blá blá blá após o climactério, então poderá fazer blá blá blá...
Guilhim: hum hum (ora bolas, esqueci-me da minha agenda de 2041...).
Médico: Então vamos falar agora sobre as avaliações ginecológicas. Sabe que é na idade fértil que o cancro do colo do útero tem maior incidência blá blá blá teste de Papanicolau. E como se faz o teste...
Guilhim: hum hum (socorro! alguém?! um tremor de terra... qualquer coisa!!)


Vá-se lá saber porque tenho medo, pânico, pavor, daquele que deixa as mãos a transpirar, o coração nos 120 batimentos por minuto e os pés gelado, de tudo quanto é médico!!