quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Vai ser bom!



Ai 2015, 2015... só te quero dizer que se gostasse de montanhas russas ia à feira popular! Começas mal, dá-se a redenção ali para meio do ano e depois voltas a descer a alta velocidade... Quer dizer, estas queixinhas são de quem está de barriga cheia: continuamos cá todos, estamos todos de saúde e de coração quentinho mas isso não quer dizer que sejamos imunes a trombas, raivinhas, tristezas e outras maleitas do espírito.

2016, no pressure, até porque tens tudo para correr bem! Os teus manos mais velhos fizeram algum estrago, por isso, a margem para melhoria é mesmo muito grande! Conto contigo e já estou a trabalhar para não teres de ser tu a tratar sozinho do assunto! Counting on you!

Agora tenho meia dúzia de horas para me pôr com o humor certo para receber um novo ano!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Aumentámos a família...








... e desta vez não tive de esperar 40 semanas e, melhor ainda*, não tive de parir! Esta é a Manga. Deve ter perto de 8 ou 9 meses... ou um ano... ou uma idade. Ainda se está a habituar a nós e por enquanto anda um bocadote assustada mas já deu para perceber que é a menina mais doce de todos os tempos. Um ano depois de me ter abraçado ao Mix e de ter dado todos os beijinhos que consegui enquanto ele adormecia, aparece esta cachopa! Estamos todos apaixonados por ela... esperamos vir a ser correspondidos!

*eu sei que há muita mulher que gosta de dar à luz, que diz que é um momento muito agradável e mágico e unicórnios e arco-íris... bom para elas, a sério que é mesmo fixe, mas para mim não foi! não gostei e preferia que já se tivesse inventado outra maneira para tirar bebés cabeçudos de dentro da barriga.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Diz que nasceu e é menino!


Estive em modo "fast and furious": "fast" porque tive de arrumar a casa e carregar o carro em tempo record e "furious" porque não me apetecia nada ter de fazê-lo depois de ter gramado com hordas de gente possuída por forças demoníacas - ia jurar que estava perante a versão "real life" do "Dead Walking" - que as obrigavam a comprar tudo quanto tivesse uma etiqueta com números e a abalroar os seres e obstáculos que surgiam no caminho. Neste momento, já desfrutei dos efeitos do milagre da natividade da Nossa Senhora e posso desejar Boas Festas com toda a sinceridade que a época obriga. Estou segura que irei a rebolar para casa lá para o início do ano, antes disso não se antecipam grandes movimentações por esta chafarica, por isso, vocês os sete, sintam-se beijados e abraçados por terem dado um bocadinho mais de alegria a este cantinho do mundo virtual e, por arrasto, à minha pessoa (e acabamos aqui o momento lamechas antes que me pare a digestão)!

(Spoiler: 2016, "ó níbel" do blogue, vai ser upa-upa)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Mãe Fatinha, na linha da frente do jargão futebolístico


Já há muito tempo que não falo da relação que a minha mãe tem com o futebol. A verdade é que desde que desfez o "altar" que tinha dedicado ao Quim não voltou a sentir a mesma emoção... Diz que até gosta do Rui Patrício mas não é a mesma coisa. No entanto, ao contrário do que pensava, não deixou que o desporto rei morresse para ela. Aqui há dias perguntou-nos uma coisa estranha, o que era um "microgolo", que nunca tinha ouvido falar e que agora não se falava de outra coisa. Não fazíamos patavina de ideia e o assunto passou. Estávamos com a televisão ligada com gente a falar da bola e eis que ela tira os olhos da malha e aponta para a televisão "acabaram de falar do tal microgolo... deve ser uma coisa nova". Andámos com a emissão para trás e desfizemos o mistério o que o comentador disse foi Mitroglou...

(Vamos imaginar, só para questões de argumento, que somos cromos, podemos dizer que um golo do Mitroglou pode chamar-se um Mitrogolo [em defesa da minha mãe há designações mais estranhas no mundo que debate o esférico]... assim sendo, ela só se enganou por uma letra...)

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Para quem ainda não fez as compras de Natal



No Natal há sempre aquelas pessoas a quem não sabemos o que havemos de dar ou então alternamos entre a garrafa de vinho, o livro, o CD e pouco mais. Sabemos que gostam de ler, beber e ouvir música, mas temos a certeza de que vão gostar? Não... achamos que não vão odiar o que já não é mau. Este ano, para quem nos diz sempre que não precisa de nada, que já tem tudo (e se virmos bem as coisas a maior parte das pessoas isso é mesmo verdade), resolvemos jogar uma carta que nos parece cumprir várias das premissas que nós temos para os presentes de Natal: serem presentes únicos e especiais para as pessoas a quem os vamos oferecer. Como temos a sorte de ter amigos super talentosos e generosos vamos, obviamente, explorá-los até ao tutano (mas atenção que pagámos aquilo que nos pediram... acho que quem tem um talento e oferece um serviço deve receber por ele, nem que seja o melhor amigo do mundo!) e obrigá-los a trabalhar ainda mais durante esta altura! Viva o espírito natalício! Por isso vamos poder oferecer arte daquela mesmo boa e bonita: a melhor massagem que já fiz (sim, é arte... acreditem!), uma aguarela única de um lugar muito especial e uma peça de cerâmica fantástica e irrepetível! Os amigos são nossos mas nós emprestamos... ou então é dar uma olhadela para quem vos rodeia e fazer o mesmo (e depois partilhem!)!

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Mega girl crush



Eh pá... estou caídinha de amores pelo Et pourquois pas Coline! É tão fixe, identifico-me tanto com o estilo da moça que sinto uma pequenita obsessão a vir ao de cima. A verdade é que andava à procura de um blogue com dicas de moda (sou um desastre) para miúdas normais, que vestem coisas que se compram nas lojas normais e que podem ser usadas nos dias normais. E foi isso que encontrei neste blogue. Confesso que estou farta das mega produções dos blogues que eram normais mas que entretanto viraram negócios. Este também pode ter um objectivo comercial mas pelo menos fá-lo de uma forma que para mim não é óbvia. Posto isto, vou só ali babar mais um bocadinho!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Ser mãe de uma criança de dois anos e meio é...


Ir a correr aflitinha para a casa-de-banho e aterrar com as nalgas num redutor de sanita... Not nice!

Achei que devia partilhar.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Vintage candy for the eyes...




Ai se eu fosse (tivesse sido?...) 50 anos mais velha...

(Hombre... só este é que te faz sombra mas como este já cá não está, estás safo!)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Overdose


Há um bolo de chocolate que faço que é um abuso... basicamente é um bolo de chocolate bem fofinho e húmido que depois leva uma calda de chocolate por cima. Normalmente nunca acerto na proporção ideal de calda e bolo mas não é por falta de experiência... neste aspecto em particular sou uma perfeccionista. Quem está a dizer para dentro "ui, que coisa enjoativa" que se sinta esbofeteado (mas só uma vez... como é que isso se diz?) por mim e afaste-se deste blogue porque não preciso desse tipo de negatividade na minha vida! O grande problema é que o meu corpo é esquizofrénico. Da mesma forma que vai às nuvens com o bolo depois também se revolta e me deixa feita num oito, toda entrevadinha. Diz que açúcar, farinha e manteiga a mais não faz bem... seja como for, a felicidade dos últimos dias ninguém me tira... Agora vou ali beber um cházinho para ver se o fígado ressuscita e se as articulações desincham.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Oh happy day!




Neste momento sinto-me uma velha de 102 anos (e digo 102 anos porque já fui ultrapassada por muita gente de 80 e muitos anos com uma pinta do caraças)... dói-me tudo, até o indicador direito (não sei porquê...), ando como se tivesse acabado de parir e só tenho oito unhas nos pés. Mas estou feliz. Ontem corri a minha terceira Meia Maratona mas foi a primeira em que me senti verdadeiramente bem enquanto a fazia e melhor ainda ao chegar à meta (porque tinha lá o meu homem e a minha garota que tiveram paciência suficiente para esperarem por mim)! Acho que o truque é não pensar. Enquanto para as outras duas tinha tudo arranjado de véspera e ao pormenor, para esta foi uma sorte ter chegado antes da partida e em nenhum momento, até ao quilómetro 10, estava verdadeiramente ciente que ia correr 21k. Mas a verdade é que o fiz e num tempo para lá de record para mim (que não deixa de ser uma miséria para quem se dedica realmente à coisa): 2h16! E foram 2h16 de puro gozo! Foi mesmo bom! Se alguém me dissesse que algum dia iria escrever estas palavras provavelmente teria de ser transportada para um hospital por tanto rir... Já não tenho lata para dizer que não gosto de correr porque desde Junho que o faço com tanta regularidade que os meus pés resolveram que, se eu não arranjar umas sapatilhas de jeito, me vão deixar os dedos dos pés pior estado do que quando comecei a fazer pontas no ballet. Para além dos pés, que estão um nojo, e de estar bronzeada do joelho ao artelho, tenho ainda uma bonita marca no peito... Nunca pensei que a porcaria do soutien de corrida também fosse objecto provocador de maleitas!! Uma gaja não tem mamas, ainda assim acha que as deve colar às costas e vai de usar uma cena para evitar balanços e o raio e acaba a corrida com um corte na zona do elástico... Tudo bem que o soutien foi comprado nos há dois anos nos saldos da decathlon por €5,99... mas mesmo assim! 

Bem... sendo que são quase 11h30 acho que devo preparar-me para ir começar o almoço... Afinal ainda tenho de ir da sala para a cozinha e isso ainda são uns bons 30 passos... o que hoje corresponde a uma meia hora de caminho...

(E que me perdoe o pessoal que já não aguenta ouvir falar de corridas... acreditem ou não, estou convosco!)

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Doctor, doctor, give me the news...



Da mesma forma que há aqueles cursinhos para a malta que tem medo de andar de avião, devia também haver para quem tem medo de médicos! E eu seria a primeira a inscrever-me! No final do Verão arranjei coragem e lá marquei uma consulta que ia só com dois anos de atraso... Havia uma coisita pequenita que tinha que ser tratada e depois disso nova consulta. À conta disso confirmei a minha convicção: sempre que vamos ao médico voltamos doentes... uma espécie de Schrödinger's cat. Agora (leia-se, Outubro), devia fazer a tal consulta de seguimento... É possível que em 2017 ainda esteja a arranjar tempo para voltar ao médico... Alguém tem alguma sugestão para ultrapassar o pânico e provas irrefutáveis de que ir ao médico não nos deixa mais doentes do que aquilo que estávamos?! 'Gradecida!

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

É Natal caraças!








Este ano mudámos a árvore de Natal. A bem da verdade não é uma árvore, mas está cheia de espírito natalício! As últimas "árvores" já não tinham sido muito convencionais mas tiveram um grande contra que foi deixarem-nos uma parede com peladas de tinta. Este ano tínhamos de ter alternativa. O S. Pinterest deu-nos a solução. Fomos à caça de paus e a coisa correu bem, porque eles não fugiram, e depois foi escarafunchar na caixinha da bricolage e pôr mãos à obra! Ainda falta pôr a dita cuja num vaso e colocar a estrela (que é uma das pinhas que pintámos) e está feito! Que tal? (Sejam meigos...)