quinta-feira, 28 de outubro de 2010

E no meio disto tudo...

A vaquita loira (que anda teimosa que nem uma mula), vai ficar com a avó... é nestas alturas que eu não me importava que o Bogas tivesse menos kg e menos cms... nestas e quando vamos passear às 07h da matina, e ainda mal acordei e já estou a ser rebocada...

"Boguinhas... vamos sentir a tua falta! Não faças mal à mãe Fatinha (olha lá a osteoporose) e não comas porcarias (agulhas, chapéus de chuva, roupa e assim). Os donos voltam já, sim..."





quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O meu primeiro mês em Barcelona, por partes: 4/4

O Martin pediu-nos para esperarmos um pouco ao pé do balcão. 15 minutos depois, saca de um molho bem gordo de notas e começa a contar nota a nota o dinheiro. Cada uma de nós tinha que receber €200... eramos 4... eu a R. e D. com pouco mais de 1,60m e pouco menos de 50kg, a S. tinha 1,80m, mas era bem magrinha... basicamente, não conseguiríamos fazer frente aos 10 homens barbudos e mal encarados que assistiram ao episódio de destribuição de dinheiro com os olhinhos a brilhar... Percebemos rapidamente, que no momento em que saíssemos porta fora, teríamos problemas. Optámos por pedir uma cerveja enquanto ligávamos para todas as pessoas que entretanto tinhamos conhecido. Num instante, estava à porta um batalhão de tugas e catalães com a missão de nos proteger até casa! Pelo caminho voltei a pensar: 

- "olha lá a história que vou contar aos meus netinhos"!

Correu tudo bem e nunca mais voltamos a encontrar o Martin! Mas durante uns dias, a mãe Fatinha secou a paciência aos anjinhos todos que encontrou! Ontem quando falávamos da viagem a última coisa que me disse foi "se vires o Martin faz de conta que não sabes quem é"... não saberia mesmo!
Estou desejosa para voltar a ver a minha primeira casa em Barcelona!

Photo @ Flickr by Jaume Meneses
a nossa segunda casa em Poble Sec

The end.

O meu primeiro mês em Barcelona, por partes: 3/4

Ao fim de algum tempo, percebemos que "papeles" eram documentos de todo o tipo. Vistos de residência, bilhetes de identidade, and so on, and so on... Juntado mais umas peças, percebemos o porquê de termos tantos hóspedes esporádicos. Dom Martin, "dava uma mãozinha" a quem vinha ganhar a vida para Barcelona... em troca de uns trocos... valentes! Juntava-se ainda a este quadro, o facto de volta e meia o Martin desaparecer do mapa, para voltar ao fim de alguns dias... e as substâncias ilícitas que se encontravam em nossa casa, serem pesadas de mais, para podermos estar tranquilas e seguras! Mérito seja dado à nossa R. que apanhou a história toda num mês.
Percebemos que o melhor era encontrar outra casa e nunca largar o nosso BI e o passaporte, que verdade seja dita, valia bem mais que nós. Encontrámos casa, mas precisavamos que o Martin nos devolvesse o dinheiro da caução, para podermos pagar a caução da outra casa. Ele não achou piada à ideia. Barafustou, protelou, até que um dia nos disse para irmos ter com ele ao lugar onde ele trabalhava para recebermos o dinheiro. O bar ficava numa das ruelas do Bairro Gótico e tinha um ar bastante sombrio.

Photo @ Flickr by Claudio Fagundes

to be continued...

O meu primeiro mês em Barcelona, por partes: 2/4

Quando o "senhorio" finalmente chegou, ficámos as 3 (neste ponto a D. já tinha chegado) com a boca aberta. O "Martin" não era nada feio - vamos pôr assim as coisas - teria poucos anos a mais que nós e era senhorio by day e camarero by night... or so we thought! Apesar do preço da casa, do tamanho reduzido dos quartos, de estarmos por cima de um pub irlandês, e de ao todo sermos 4 portuguesas (a S. chegou uns dias depois) duas "hospedeiras*" argentinas (que nós julgávamos ser de bordo... sim, eramos bastante tótós) e o Martin, ficámos com a casa.
Não se passou um dia, para que fizesse parte da rotina, acordar com hóspedes na sala. Magrebinos, Marroquinos, mas sobre tudo Bolivianos, Argentinos, Peruanos... Mais uma vez voltei a pensar:

"-meus netinhos... vocês têm uma avó mesmo bacana, que um dia viveu numa casa multi-cultural..."

Era frequente, de madrugada, ouvirmos falar de "papeles"... mas nunca nos despertou grande curiosidade... Um belo dia, o Martin pediu-nos para recebermos uma encomenda dos correios. Estava à espera da carta de condução do primo. O primo, que continuava na Argentina, era, segundo nos contou muito parecido com ele, e assim ele podia usá-la cá em Espanha. Primeiro sininho de alarme e voltei a pensar nos meus netinhos, mas desta vez, a ideia era não contar este detalhe.Também frequente, eram ver o Martin, por volta das 4h00 da manhã a limpar a casa de fio a pavio cheio de energia... Chegámos a comentar que era um tipo muito "speedado"... mais uma vez, mal nós sabíamos.

Photo @ Flickr by ONETERRY
tudo isto acontecia a poucos metros do mercado de St. Joseph de la Boqueria

* para quem está com dúvidas, as hospedeiras, são animadoras de eventos e acompanham os visitantes desses eventos... mas há "hospedeiras" e "hospedeiras"...

to be continued...

O meu primeiro mês em Barcelona, por partes: 1/4

Agora que estou com as malinhas à porta para ir de viagem, tenho lembrado dos meus tempos de Barcelona... Fica, por partes, um resumo do primeiro mês!

Ora, corria o ano de 2002, num qualquer dia de Setembro, quando eu e a R. chegámos ao nosso destino de Erasmus. Depois de arrastarmos 40kg de bagagem, por todas as estações de metro, lá desembocámos na praça da Catalunha. Ainda andámos um bom bocado à procura da Pensión D. Fernando (que na realidade era de um paquistanês) até que decidimos apanhar um taxi, que parou depois de ter andado 20 metros, uma vez que tínhamos chegado ao destinho. A pensão era manhosa, mas não muito. A primeira noite passamos juntas num quarto de casal a cheirar a tabaco e gente, as duas noites seguintes foram passadas em várias camaratas de raparigas, mas a minha memória apagou os detalhes mais escabrosos... A nossa estadia na pensão do paquistanês Fernando acabou, quando descobrimos aquela que achavamos que ia ser a nossa casa enquanto estivessemos em Barcelona. Fomos para a porta do prédio (a meio das Ramblas, mesmo em frente à fachada lateral ao Teatro/Ópera Liceu) e tocámos à campainha. Atendeu-nos um rapaz novo, dono de umas longas rastas. Não me lembro do nome ou da nacionalidade (apesar de saber que era sul-americano), mas não me esqueço que nos disse que cantava boleros no parque Guell para ganhar a vida e a meu pedido cantou-nos o "El día que me quieras"... pensei quando ele acabou:

"- os meus netinhos são os grandes sortudos... olha só as histórias que eu vou ter para lhes contar"...

Mal eu sabia da missa a metade!

 Photo @ Flickr by r-acevedo

to be continued...

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Segunda-feira #69

[ontem foi o dia das decisões de mudança]

domingo, 24 de outubro de 2010

"Filha ingrata" meets "Pai tirano"

Steve... Stevie... Stev-oh... desculpa a menina, sim?! Eu avisei que este dia ia chegar... várias vezes... e chegou! E agora sei o que sente um traidor: coração pesado, nó no estômago e fome (foi por volta das 13h00 e o pequeno almoço já tinha sido às 7h00!). Comprei um PC pequenino... nem vale a pena dizer qual, porque bem, todo o PC, é um PC! Sei que vou chatear-me, preocupar-me e pensar que foi dinheiro mal gasto... e provavelmente vou estar certa! Mas foi para o bem geral: o das minhas costas, o da segurança do meu trabalho e o da saúde deste (já) velhinho e muito fiel MacBook Pro de que te escrevo e que não aguenta mais este ritmo de viagem, de liga desliga projector, de office para Mac... Para além do mais, nem ele nem eu nos sentimos muito confortáveis a passear-nos pela linha de Sintra, com os primórdios do que será uma tese de doutoramento, que são a essência dos últimos 3 anos da minha vida!

Do Filme o Pai Tirano


Por isso Jobs, vê lá se atinas! O Air não é solução para os fiéis MacUsers mais pobrezinhos (a menos que seja oferecido*...) e o tablet, giro que ele só, também não serve para os efeitos desejados. Vou usar as Janelas feias e instáveis, mas faço-o contrariada!

* Steve, I know you read me, so here's a quick (free) translation from the post above: feel free to offer me a MacBook Air... and/or a tablet... and/or an iPhone... and/or an iMac... and... that's about it! 
Big Apple fan with no money, having a hard time keeping loyal...**

** memo sério que não há por aí ninguém que faça chegar este apelo desesperado ao Steve do meu coração?! Take us*** to Steve Jobs (movement now)!

***eu e o Bogas... diz que é preciso haver animal à mistura

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

"Anem"?...


Ao fim de 8 anos, vou voltar!! Falta pouco... pouquinho! E vai ser bem bom, por tudo mas principalmente porque vou juntar o passado e o futuro!!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Ai "melher"...

Nos dias que correm, estou à beira de me tornar um animal peludo! Não é promessa, a manifestação da minha veia hippy, nem nenhum tipo de fetishe... mas o tempo é curto e as estecicistas da terra onde vivo, têm horários complicados e eu ando muito fraquinha da cabeça para os perceber! Quer dizer... estou ali entre o Toni Ramos e a menina Hilary Swank, a nossa Julia Roberts ou talvez a Mo'Nique.






Não percebo!! Se se vai a uma gala, no mínimo enquanto se toma o duchinho*, trata-se das pilosidades! Isto para não falar de todo um mundo de soluções eficazes e permanentes** que, para quem é pelintra como eu, são caras, mas para estas meninas, são trocos! Ou então é moda e mais uma vez constato que estou longe de ser fashion...

* Quero acreditar que há duchinho!
** Eu, depois de uns mesitos a levar choques debaixo dos braços, já não me preocupo com as axilas... to much information?... sorry...

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

sábado, 16 de outubro de 2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

The ultimate hair experience #2

Depois de já ter estado com o telefone na mão para ligar p'rá Sô Dona "Lola" (a cabeleireira que me atura nos últimos anos), lembrei-me que para deixar crescer o cabelo, é importante não o cortar... é que torna as coisas mais díficieis, quando de mês a mês se dá uma tesourada!

Será mais interessante ver a relva a crescer... mas pronto!


Estou com fé que a coisa resulte e lembro-me sempre do comentário optimista deixado pela Goldfish, no primeiro post...

...acho que preciso arranjar uma vida mais interessante...

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Puzzle complicado

 Photo @ Flickr by Michael.DK

Hoje não dá! Preocupa-me saber que não sei ao certo o que estou a fazer. Quero acreditar que não se nota, mas eu noto. Não fossem os “proud of you” quase diários e ia sentir-me-ia pior ainda! Pode ser o cansaço. Pode ser do correr das semanas; das horas como se fossem segundos e o que há por fazer só a muito esforço se encaixa nos dias assim. Mas acima de tudo tenho medo, medo de deixar de encaixar o trabalho entre as pessoas e passar a encaixar as pessoas entre o trabalho. Não merecem e eu preciso delas, agora mais que nunca... e agora mais que nunca não lhes encontro o espaço da mesma forma que o sorriso e a alegria têm cada vez mais dificuldade em encontrarem o seu lugar em mim... pelo menos nos dias assim. Acredito que aos poucos vou saber o lugar de cada peça e ver-me de novo no conjunto de encaixes, mas para já, ainda as estou a separar por cores e formas, até encontrar algo que me faça sentir mais em mim.

Hoje é assim... mas é só hoje!

Mesmo sério?!...

E de repente, as fotos anteriores até me parecem interessantes!

Eu assumo, com a mesma convicção e orgulho, que sou um bocadinho provinciana e que tenho alguma sensibilidade artística. Por isso, mesmo que não perceba uma determinada interpretação  ou performance do mundo das artes, por limitações impressas pela minha socialização e influência cultural, consigo descobrir-lhes o valor criativo, a inovação que introduzem ou algum interesse estético, mesmo que não vá ao encontro das minhas preferências. Mas isso é uma coisa... ou coisa, é isto...






Homens que por aqui passam, percam a vergonha e digam-me: vestiam estes modelitos... vá, sem as bolinhas na cara!!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Alguém vá à Pederneira acalmar aquela gentinha que anda às voltas no caixão

Homens da Naza... não façam nada, não mexam em nada, porque pelos vistos são todos muito fashion!! O Nuno Gama, famoso estilista do nosso rectangulo, criou toda uma colecção para homem inspirada nas sete saias (?!?) e está a fazer sucesso!!




O responsável de ter acompanhado este senhor no último Carnaval, que se acuse... pelos vistos o conceito de "ensaiado" não foi devidamente explicado!

'Inda agora é agora


Professora: Muito bem, Lucca é isso mesmo!
Aluno italiano: Mas eu não sou Lucca professora. Sou Andrea!!
Professora (no que devia ser “em pensamento”, mas foi dito alto e bom som): Oh... deixa estar, tens razão! Lucca é o meu GPS... fiz confusão!!
Sala cheia de alunos: (silêncio e caras de dúvida);
(segundos depois)
Sala cheia de alunos: (riso geral)

Professora: (...) portanto, a História neste período afasta-se da análise dos grandes feitos eróticos e passa a centrar-se no estudo dos processos blá blá blá...
Turma de alunas: (Caras a esconder o sorriso... burburinho...)
Professora (em tom ligeiramente irritado): Vocês já sabem que falar só se for para a turma ou para mim, conversas paralelas não pode haver... Mas o que é que se passa?!
Aluna a medo: A professora falou da análise dos feitos eróticos...
Professora (cara de poker a corar até à ponta das orelhas): Disse? Então enganei-me. Queria dizer heróicos. (Em pensamento: não te rias, não te rias...)

terça-feira, 12 de outubro de 2010

O plano

Eu não tenho via-verde, mas tenho um plano! Montado e estuturado há já uns bons anitos! E o que é que uma coisa tem a ver com a outra? Tudo!

Photo @ Flickr by doug88888

Quando sei que vou andar na auto-estrada, e porque não tenho via-verde, organizo-me antes de me fazer ao caminho: o cartão de débito está à mão, bem como tudo o que me possa fazer falta (óculos, água...). Quando é para tirar o ticket, tenho o cuidado imobilizar o carro deixando-o em 1ª. Desta forma posso:
1- retirar o talão com a mão esquerda;
2- logo a seguir iniciar a marcha;
3- ainda no início da marcha passo o talão para a mão direita e deixo-o no lugar dele, por cima do cartão de débito;
4- fecho o vidro com a mão esquerda;
No total estou parada, 2,5 segundos, mais coisa menos coisa.

Photo @ Flickr by hazelnharris

Quando me aproximo da portagem de pagamento, já tenho o talão e o cartão na mão antes de parar o carro e depois do pagamento, repito os passos 2 a 4. Não perco mais de 20 segundos a fazer tudo isto. Porquê, porque a vida é curta e é estúpido passá-la na portagem... mas aparentemente esta é uma preocupação só minha (o que me faz pensar que passo muito tempo a conduzir) e por isso tenho que gramar com minutos insondáveis de quem:
1- para o carro;
2- procura o talão;
3- entrega o talão;
4- vê o valor do pagamento;
5- procura as moedas e/ou cartão;
6- recebe o troco;
7- lembra-se de perguntar o caminho para um lugar qualquer;
8- arruma os talões;
9- regula o espelho (?);
10- deixa o carro ir abaixo;
11- arranca finalmente, depois de ter deixado uma Guilhim a ponto de fulminar alguém com os olhinhos!

Portanto, gente que anda na auto-estrada, das duas uma: ou arranjam via-verde ou arranjam um plano!

É preciso alimento para aguentar o dia de hoje....

E agora já só se volta a parar lá para as 23h00!!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

domingo, 10 de outubro de 2010

Assim custa menos a olhar!

Tendo em conta que a tarde que era para ser passada na senhora esteticista, foi por água abaixo com a enxurrada (marcações vs horários), bem como a ida ao cabeleireiro (chuva vs marcações vs horários) e a maquiagem nem chegou a ser ponderada, porque não há salvação possível ao que pr'aqui vai entre borbulhas, olheiras e rugas... só com um bom primário e muitas de mão, seria possível disfarçar a desgraça. Em vez disso temos:
- meias para disfarçar os pêlos que não sairam com as bandas de cera, e a má circulação provocada pelo frio;
- dedinhos pintados (não é engano, os dedos também estavam pintados) depois de várias tentativas de uma pintura mais meticulosa às nails, que eram abortadas, mal deixava o meu estado de imobilismo para fazer qualquer coisa que implicasse mexer os dedinhos!
- um ninho de cucos na cabeça, feito pela minha pessoa, que estava tolerável até ter sido atingido por uma bátega de água e que depois, ficou só ridículo;
- uma mancha escura à volta dos olhos que pretendia ser o efeito smokey eyes, mas só intensificou a marca das poucas horas dormidas, e das outras passadas no carro e em frente ao computador!

Aí está a prova... de costas que não quero ser acusada de provocar indisposições!

Look-a-like

Tendo em conta que ontem me desgracei ao enfardar 98.437.502.845 calorias em rissóis, chamuças, bolo, gelado, maionese e tudo mais que me pusessem à frente, hoje vou andar a cházinho.


Só me falta a careca para estar tipo buda!! A boa notícia, é que se esfregar a minha barriga, pode ser que venha a adivinhar o número do euromilhões para a próxima semana..

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Não há salvação!!

Percebo que nunca vou ser fashion, quando perante esta foto - de um desfile de moda do "estilista"* Ricardo Preto - a única reacção que tenho é uma gargalhada!!

Photo @ Stylista

Sou provinciana, eu sei!

* não sei se ainda se chamam estilitas!

Amanhã há casório

Por isso, acho que vou aproveitar a deixa para dar uma folga às bandas de cera Veet*, procurar uma esteticista e voltar a sentir-me mais mulher e menos chimpanzé! Já não me lembro há quantos anos (sim, anos) foi a minha última ida a um gabinete de estética!

Photo @ Flickr by amp26

Giro giro, vai ser tentar esticar o cabelucho com esta chuva! Mal ponha a sandaloca na rua, já vou ter um bonito ninho de abelhas na cabeça!

* isto de ser forreta tem como resultado invariável, nichos de pêlos que insistem em não sair e que eu insisto em não ver...
Num tá fácil... descobri que as 10h por semana que passo dentro do carro, ajudavam a alimentar este glogui... E pelos vistos, a aquisição de um belo rabo quadrado, implica a perda de criatividade!! Pode ser que com o tempo a coisa melhore!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Não sei falar em chats...

Só muito raramente uso o chat do gmail e só para falar com pessoal da "casa" e mesmo assim, tenho alguns problemas de comunicação... principalmente na despedida. Acabo sempre com um "over and out"!(?!?) É palerma, eu sei!

Dos dilemas que atormentam as miúdas


Sei o que vestir para amanhã... mas e hoje? Saio de casa vestida de acordo com o tempo que tenho à minha frente e arrisco-me a chegar à capital a soar que nem um leitão (não faço ideia se os leitões transpiram, mas na minha cabeça faz sentido) ou vou de corpinho-bem-feito (expressão usada pelo meu pai quando se sai de casa com roupa fresca) e chego à escola a bater o dente?! Não me queixo do sol nem da chuva, mas gostava que houvesse alguma coerência!!

Vou adoptar a máxima da minha avó: "Deus dá o frio conforme a roupa".

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Vou falar-vos de um curioso personagem, Jeremias o fora-da-lei

Este, não era descendente por linha travessa do famigerado Zé do Telhado! Mas é da mais pura linhagem rafeira, com tudo de maravilhoso que os rafeiros têm!


O Jeremias entrou aos "gritos" na minha vida! Literalmente! Foi atropelado em frente à porta do prédio onde a minha mãe vivia e o cabrão que lhe tocou (na verdade foi só um toque), seguiu como se nada fosse. Depois de descobrir que ele estava debaixo de um carro estacionado, sentei-me na berma do passeio e fui falando à bébé, até que ele num ápice se aninhou debaixo das minhas pernas! Dois minutos depois, estava com aquele bicho assustado ao colo e a caminho do veterinário ao fundo da rua. Tinha um arranhão na pata. Sigo para casa do meu Pai com o discurso pronto... não ia ser fácil, afinal, havia o coelho Barnabé, a Bia, o Rex, o Gullit, os peixes Lelo e Lela e a rola Rodolfo: 

"Pai, é só por uns dias, já estou a tratar de arranjar um dono". 

A verdade, é que tinha sido o sacana do cão a encontrar a dona! Apesar dos protestos de papai, o Jeremias ficou! Não se podia ralhar com ele, nem falar alto, nem fazer muito barulho, porque a cauda logo se aninhava entre as pernas e ele ficava colado ao chão de tal maneira que se misturavam! Aprendemos rápido, que só o podíamos repreender com festinhas, que a nossa sombra tinha sempre 4 patas, que a porta da nossa casa tinha 12kg de guardião, que os passeios em busca de orquídeas selvagens, só aconteciam com companhia canina, que qualquer ataque de choro, próprio da adolescência, tinha sempre um focinho tricolor a amparar as lágrimas, da mesma forma que os pôr-de-sol mais bonitos surgiam apenas quando os nossos quatro olhos se combinavam no alpendre. Chegou a ir à Faculdade comigo e à casa que quase foi uma República de Antropólogos, apesar de não gostar de confusões. Na Nazaré, nunca achou piada ao mar...

Quando ao fim de 8 anos começou a ficar doente, fizemos tudo: transfusões, internamentos, dieta de carne vermelha, até que percebemos que estavamos a ser egoístas e que se o Jeremias resistia era por nós e não por ele! Saíu da nossa vida em silêncio! 

Lembro-me muitas vezes dele, mas desta vez resolvi relembrá-lo aqui!

Segunda-feira #66

domingo, 3 de outubro de 2010

Embargo

Fomos ver o Embargo... ou melhor: Fomos. Ele viu, eu... nem por isso! A probabilidade nos dias que correm, de resistir a uma sessão da meia noite são baixas, mas estava desejosa! Já não ía ao cinema há uma eternidade e o filme parecia-me ser muito bom! Mas, ainda estavam a passar os trailers dos outros filmes, já eu estava a piscar os olhitos. Nos 20 minutos iniciais, comecei a não ter posição na cadeira, até que fiz uma almofada de casacos e vai de dormir uma das "sestas" mais agradáveis dos últimos tempos*!! 

Photo @ embargo-movie.com

Lembro-me vagamente de me avisarem que era intervalo e de pensar "e o que é que eu tenho a ver com isso". Para acordar foi preciso ser abanada e já as luzes estavam ligadas! Felizmente só as 8 pessoas que fizeram a mesma escolha de filme, viram como é fácil pagar mais de €5 para nanar!

Photo @ embargo-movie.com

Quanto ao filme... Daquilo que vi, o Filipe Costa vai muito bem, a sequência com José Raposo, está muito engraçada e a banda sonora é bastante relaxante... e mais não posso dizer!


 Photo @ embargo-movie.com



* Senhores do filme: a culpa é mais minha que vossa, por isso não se apoquentem muito!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Com delay, que a miúda anda cansada e rabugenta.

Medidas de austeridade... pois sim! Para as minhas bandas, pouco ou nada vai mudar:

- (riso incontrolável... respirar fundo, limpar uma lagrimita que se soltou do esforço) Não ganho mais de €1500 brutos, assim como assim, nem mansinhos... não ganho! Por isso vou continuar a ganhar pouco e a ter de sobreviver com isso e se eu consigo, toda a gente consegue!
- Apoios sociais reduzidos... e quê?! Não tenho direito a nenhum tipo de apoio do estado! Quando não sou bolseira trabalho a recibos verdes, por isso não há cá ajudinhas na saúde nem nada que se pareça! A única altura em que tive direito a subsídio de férias e 13º mês, a entidade faliu e fiquei a arder em €5000, mais o dinheiro do processo no tribunal e um "tem toda a razão do juíz" que é bom de se ouvir, mas não se pode converter em roupa, viagens, comida da boa...!
- Também não tenho direito a fundo de desemprego ou a subsídios, porque basicamente não existo enquanto trabalhadora!
- Reduzir o pessoal contratado da Função Pública... não há grande preocupação! Quem tem boas cunhas pode continuar a dormir descansado! Nada muda! Quem não tem, sabe como as coisas funcionam e já devia ter-se mexido e transformado uma má cunha, numa boa cunha!

Sobre estes aspectos não estou preocupada... mas vejamos outros.
- Chateia-me que o ministro não seja o primeiro a dizer que QUER ver o seu ordenado diminuído! Se tivesse tomates, cagava nos 3% - 10% e dispensava uns belos 20%! Já agora, o resto da ministrada também!
- Não percebi onde fica a história das auto-estradas novas, TGVs e assim! Se calhar tinha sido bem dizer qualquer coisa...
- Já agora, para além de cortar na frota de carros, também podiam cortar nos apoios que dão a tudo quanto foi bicho careta que passou pelo governo!! Compreende-se que os antigos PR tenham direito a carro?!

Agora as coisas chatas:

- Abono de família reduzido nos escalões mais altos... uuuuhhhmmm... não sei a quanto anda o abono nestes dias, mas se é como no meu tempo, 2 contos são ajuda pequena! Ainda assim, são uma ajuda, sem dúvida!
- IVA a 23%... ok aqui incomoda, mas já lá vamos!


Às vezes sinto que viramos um país de florzinhas de estufa! A sério!! Não acho, nem nunca achei, que se deva abdicar de direitos sociais justos adquiridos, mas caramba, vamos tocar violinos enquanto o barco se afunda?! Não me parece razoável!!! Não adianta estar a chorar sobre a merda que já está feita! Se é para tomar medidas que possam alterar (ou não) o estado das coisas, então há uma óptima oportunidade para o fazer: durante as eleições! Gostava de ver metade das pessoas, que nos últimos dias se levantaram de madrugada para se pespegarem na porta da segurança social, com medo de perderem os benefícios de que usufruem, levantar-se com a mesma vontade (e nem precisa ser tão cedo), num dia de eleições, para ir votar e aí sim, zelarem verdadeiramente pelo seu bem estar!
E quer dizer! Até parece que isto é novidade!! Qualquer pessoa da minha geração, ouviu os avós dizerem que houve um período em que alguns bens essenciais eram racionados, ouviu os pais dizerem que chegaram a receber o subsídio de Natal em certificados de aforro e isto em duas gerações que ao mesmo tempo tinham de alimentar uma guerra! E sobreviveu-se, e bebés continuaram a ser feitos... ou caso contrário não estaríamos aqui!

É uma valente merda o que está a acontecer? É sim senhora! E quais são, agora as alternativas*?...

* Demitir o governo não é uma solução inteligente! Eles que se aguentem à bronca, caso contrário, explode tudo nas nossas mãos e aí é que as coisas não ficam bonitas!