quarta-feira, 31 de março de 2010

Será que sou só eu...


Segundo consta, a Páscoa está a chegar* e com ela os chocolatinhos! De acordo com a tradição familiar, o meu pai oferece-me pelas ocasiões festivas (Natal, Páscoa e aniversário) uma caixa de Ferrero Rocher, porque num qualquer dia de 1991, eu disse que gostava muito**! É chocolate, por isso cumpre 95% dos requisitos para eu gostar, mas ainda assim não são necessariamente os meus preferidos. Isto quer dizer, que ao longo dos últimos 19 anos, tenho aperfeiçoado a arte de comer estes doces. Ora então, para mim comer um Ferrero consiste em: 
1 - conseguir comer a primeira camada de chocolate deixando intacta a camada de bolacha;
2 - conseguir separar a bolacha do chocolate fundido que fica no meio;
[a partir deste ponto, é inevitável sujar os dedos]
3 - depois é só deixar o chocolate derreter até chegar à amêndoa!


Para alcançar tal proeza é fundamental reunir alguns requisitos, sendo a temperatura o mais importante. Como é que sei isto? Porque no Natal, consigo comer 8 em 10 bombons cumprindo este ritual, mas a partir dos 16ºC - 17ºC (vá, Março, Abril) torna-se muito complicado não comprometer a bolacha e o sucesso desta degustação.

A minha questão é: toda a gente faz isto, certo?

* disseram-me há poucas horas que amanhã é quinta-feira e que sexta é feriado por causa da ressurreição do Senhor... Jesus... whatever
** já disse aqui que o meu Pai é uma pessoa especial, por muito que eu agora diga que podem ser outros chocolates, sei que não vou ter sucesso! A minha irmã tem o mesmo problema com os Mon chéri que ele lhe oferece pelas mesmas datas!

terça-feira, 30 de março de 2010

Ellen

Ora estava eu a fazer companhia ao sofá, quando ligo a TV e paro no "Ellen DeGeneres show"... a ideia era ficar a olhar para a televisão e evitar babar-me. A verdade, é que tive de adiar o estado de dormência, porque em menos de nada, estava o Jeff Bridges a falar e a fazer-me rir feita tola! Antes da entrevista acabar, já estava de volta do site dele* onde, entre outras pérolas surreais, se encontra uma categoria de "Worst Album Covers".

[não foi fácil escolher... @ JeffBridges.com]

Depois disso foi lavar a vista com o jeitoso do Tom Ford e a musiquinha do Matt Morris que se ouve muito bem!

Agora sim posso voltar ao estado de morte cerebral!**

** ou voltar ao meu alter-ego depressivo... há dias, que de um momento para o outro, ficam assim "blue"...

My funny valentine

Não sei muito bem porquê - quer dizer, sei, o tipo toca bem para caraças - mas este senhor tem o dom de me deixar com um sorrisinho palerma na cara! Por isso, e para compensar o tempo de chuva aqui fica um bocadinho de boa disposição!

segunda-feira, 29 de março de 2010

Adjusting...

[será que nunca mais vamos ver a mira técnica na televisão?!]

Ainda estou a ver se descolo os bocadinhos de mim, que ficaram presos ao comboio que me atropelou este fim de semana! Fui feita com um pequenito delay entre a energia dispendida e a manifestação do desgaste provocado, por isso, estes dias ainda passam em câmara lenta e sem grande vontade de acelerar o passo [apesar te ter uma montanha de trabalho para pôr em dia]!

O que vale é que posso sempre carregar baterias da melhor maneira possível, de deixar o mau feitio, próprio de quem tem horas a dever à cama, enterradinho na areia!


Juro, que ontem se tivesse lastro*, tinha vestido o meu fatinho e tinha ido dar um mergulho... foi mesmo por muito pouco! e aí sim, estava pronta para fazer frente a outro comboio!


* Peso que se põe à cintura para não flutuar.

Segunda-feira #43

[sem tirar nem pôr... receita a praticar nos próximos dias]

quinta-feira, 25 de março de 2010

Agora a sério:

Que outra conferência - se nao a que vai acontecer no dia 27 aqui na Nazaré - tem direito a um vídeo promocional desta qualidade?!?


A Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios from the video listener on Vimeo.

Estou radiante!

quarta-feira, 24 de março de 2010

Se eu não gostasse tanto dele...

 ...rifava-o! Bastam dois minutos, para este desgraçado usurpar todo o meu espaço! E se este sacana fosse um Pincher, menos mau, podia ter este feitio que não chateava muito! Mas esta besta, ocupa a cama toda... e quem é que diz que consigo que ele mexa uma palhinha para eu caber!?!


Ontem, já meio zombie, depois de lavar os dentes, e de pôr os creminhos para ficar menos feia  nos sonhos, estou quase quase a atiar-me para cima da cama e eis que me deparo com este monstro!! Só ao fim de 10 minutos a fazer-se de morto é que se levantou!

terça-feira, 23 de março de 2010

"Feisting"



Secret heart || What are you made of || What are you so afraid of || Could it be || Three simple words || Or the fear of being overheard || What's wrong || Let her in on your secret heart

Secret Heart || Why so mysterious || Why so sacred || Why so serious || Maybe you're || Just acting tough || Maybe you're just not man enough || What's wrong || Let her in on your secret heart

This very secret || That you're trying to conceal || Is the very same one || You're dying to reveal || Go tell her how you feel

Secret heart come out and share it || This loneliness, few can bear it || Could it have something to do with || Admitting that you just can't go through it alone || Let her in on your secret heart

This very secret || That you're trying to conceal || Is the very same one || That you're dying to reveal || Go tell her how you feel || This very secret || Go out and share it || This very secret 

Tinta fresca

A culpa é do capitalismo, das grandes superfícies e da luta pela igualdade de direitos! Não fosse a conjugação de todos estes factores e nesta altura estava a passar a ferro as camisas do meu marido, ao mesmo tempo que fazia o almoço para os meus sete filhos e com sorte esperava-me uma tarde de tricot! Mas não!! Resolvi comprar tinta, trinchas, rolos, plástico para o chão e fita para os tectos e rodapés, e vai de meter mãos à obra!!


Agora estou na dúvida... não sei se parece que a minha sala foi atacada por um monstro de musgo gigante ou por um qualquer fungo esverdeado...*

* Eu espero sinceramente que isto funcione como a tinta dos cabeleireiros e que a cor ainda abra...!!! Amanhã leva a segunda de mão e entretanto vou ligar para a senhora que me corta o cabelo para ver se me dá uns conselhos!

segunda-feira, 22 de março de 2010

Orgulho

Sala dos Capelos: 1 - lugar do candidato; 2 - lugar do júri (literalmente, meio metro acima do candidato e normalmente numa proporção de 6 para 1); 3 - presidente do júri (meio metro acima do candidato, sentado numa cadeira que mais parece um trono); 4 - lugar do secretário (para além do papel e caneta há um despertador que toca ao final dos 20 minutos); 5 - público (normalmente nervoso e cheio de vontade de dar uma carga de porrada ao júri e destruir a porcaria do despertador);*

O "nosso" menino dos ossos do ofício, termina hoje uma etapa académica e de vida e não há como conter o nosso orgulho! Nada neste processo é simples ou pacífico, mas a recta final é sem dúvida a que mais intimida: porque é posto à prova um trabalho de muitos anos, porque há sempre quem fique contente com as fragilidades das outras pessoas, porque a sala é gigantesca e forrada a figuras reais, porque está tudo vestido à zorro (de capa e chapeu, mesmo!) porque o ângulo de visão do comum dos mortais são o dos pés do júri!

Sei que vai tudo correr bem e que a nossa admiração pelo V. não vai ser maior porque já não tem por onde crescer!

* Acho que vou já começar a tomar cházinho de valeriana para quando chegar a minha vez...

Segunda-feira #42

[there]

domingo, 21 de março de 2010

Agora era tão fácil...

...falar da classe dos jogadores de Benfica e da falta de argumentos do FCP, que nem ia ter piada!!!


Agora é ver se ainda há um espacinho para guardar mais esta taça!

sábado, 20 de março de 2010

O que me aconchega nestes dias de chuva é...

...saber que daqui a poucos dias estou de volta a casa, e que daqui a nada vou andar por aqui...

Photo @ Flickr by J. A. Alcaide

Photo @ Flickr by Justin Ebert

Photo @ Flickr by pasaro

sexta-feira, 19 de março de 2010

"Das coisas que só aqui!!" ou "o amor é lindo... às vezes"




Das duas uma: ou isto é estratégia de algum preguiçoso, que precisa fazer uma pausa ao fim de 150 degraus e arranjou esta desculpa ("ah e tal, olha aqui um cartaz. Deixa-me cá ler enquanto rifo estes pulmões...")... Ou então, a cara-metade do Ricardo Sousa, meteu a pata na poça à grande e está a ver o caso muito mal parado!

Seja o que for, a verdade é ajuda a quebrar a "monumentalidade" das escadas e ninguém fica indiferente!!

Prometo que se conhecer o desfecho da história, digo alguma coisa!

quarta-feira, 17 de março de 2010

Roam-se de inveja...



...todas as conferências e congressos deste mundo, porque nenhum tem uma imagem tão bonita quanto a da conferência do ano*: "A herança nazarena"!! A direcção artística, a cortesia e  o esforço altruísta são da anazArt**, que veio dar mais uma prova de que é possível fazer bem feito e em prol de (muitos) outros! A Liga dos Amigos da Nazaré, precisava de uma imagem à altura do evento e sem dúvida, consegui-a!

Agora é espreitar o programa (que é fenomenal), fazer a inscrição e as malas! Não há nada que saber!

Hoje já ninguém tira um sorriso da minha cara!

* nota-se o entusiasmo, ou ainda não?!
** o autor que se acuse para receber os louros, que são bem merecidos!

terça-feira, 16 de março de 2010

Programa para o dia 27 de Março

Cartaz: direcção anazArt

Não é preciso qualquer tipo de desculpa, para fazer uma visita à Nazaré! Qualquer pessoa sabe disso... nem vou argumentar! Mas se é para juntar o útil ao agradável, então é dar um pulinho à Praia no dia 27 de Março. Porquê? Porque estou em negociações com o S. Pedro* e aparentemente, vamos conseguir ter um dia de Sol e frio, o que convida a ficar num local agradável (Biblioteca Municipal da Nazaré), durante o dia (das 9h30 às 18h00). Por coincidência, durante este horário vai haver uma conferência - "A herança nazarena: ao encontro dos patrimónios" - que conta com um painel de oradores extraordinários!!** Foram todos escolhidos a dedo segundo critérios de grande exigência! A má notícia é que, apesar da entrada na conferência ser gratuita, o número de lugares é limitado, por isso é preciso fazer uma inscrição (que deverá ser feita o quanto antes, utilizando para isso o mail liganazare@gmail.com). 
Depois de um dia cheio de informação da boa, nada como ir jantar e depois desfrutar da "movida" nazarena que não desaponta nunca (acreditem que é mesmo verdade e é o que planeio fazer)!! No dia a seguir é só aproveitar para descansar e passear na Marginal, dar um pulinho ao Sítio e voltar para casa com vontade de encarar mais uma semana!!

Quem é amiga, quem é?!

* acho que é só com quem falta, eu entrar em negociações
** amanhã já cá temos o programa todo bonitinho, como ele merece ser apresentado!

segunda-feira, 15 de março de 2010

Não é tão fácil quanto parece

Hoje decidi que a banda sonora do meu dia, ia ser feita só de leitura de poemas! Estratégia deliberada para entrar num modo Zen, outrora característico da minha pessoa, mas que nos últimos dias tem andado perdido. A paz interior começava a instalar-se quando, num daqueles devaneios que me são característicos, percebi o quão difícil é falar baixinho ao ouvido! Murmurar romanticamente, deve ser mesmo considerada uma forma de arte que não está acessível a todos, porque em correndo mal, pode ser muito constrangedor! Vejamos:

Falar muito baixo: pode levar a que de facto a mensagem (função principal da linguagem) não passe. É uma daquelas situações, em que a única coisa que se ouve é o soprar das palavras, que têm o efeito semelhante ao de ir numa viagem de carro, com a cabeça do lado de fora da viatura sendo os ouvidos invadidos pelo vento, não deixando espaço para que qualquer outro som se torne perceptível! Todo este cenário, só piora se nos for feita uma pergunta, que é respondida com um sorriso vago que pode ser interpretado como desinteresse, quando na realidade reflecte a incompreensão e desconforto do momento, que piora necessariamente, depois do esforço mútuo. A partir deste ponto o clima para o que quer que fosse fica reduzido a zero!!!

Photo @ Flickr by t4tO

Falar muito alto: a mensagem chega a quem é suposto, sim senhora... e a todas as outras almas que possam estar por perto e que a partir dessa altura, vão ter assunto para o resto da noite, matando mais uma vez qualquer faísca amorosa que possa surgir e provocando novamente a distância entre os convivas, na esperança vã de introduzirem confusão na avaliação de quem possa estar por perto.


Agora, quando devidamente dominada a arte de sussurrar, o seu poder pode ser devastador! O efeito perturbador que provoca, só é superado pela escolha (que terá de ser sempre inteligente) das palavras e por um timbre (quente e forte) entre o Samuel L Jackson ou do James Earl Jones*.


Seja como for, vale sempre a pena o esforço!... Tendo dito isto, vou pôr o senhor Andy Garcia a dizer(-me) umas palavrinhas de Neruda ao ouvido, que faz sempre bem à alma!


* os meninos que me perdoem mas não me ocorreu nenhuma voz de mulher para dar o exemplo... aceitam-se sugestões.

Segunda-feira #41

sábado, 13 de março de 2010

Vitamina D Sol

Hoje dificilmente desperdiço outro minuto de Sol! Tenho muita síntese de vitamina D para pôr em dia! A banda sonora do dia é escolha fácil: Vanessa da Mata*! Tem luz e alegria na voz!


[esta música...]

Achei você no meu jardim
Entristecido
Coração partido
Bichinho arredio

Peguei você pra mim
Como a um bandido
Cheio de vícios
E fiz assim, fiz assim

Reguei com tanta paciência
Podei as dores, as mágoas, doenças
Que nem as folhas secas vão embora
Eu trabalhei

Fiz tudo, todo meu destino
Eu dividi, ensinei de pouquinho
Gostar de si, ter esperança e persistência
Sempre

A minha herança pra você
É uma flor com um sino, uma canção
Um sonho, nem uma arma ou uma pedra
Eu deixarei


A minha herança pra você
É o amor capaz de fazê-lo tranqüilo
Pleno, reconhecendo o mundo
O que há em si E hoje nos lembramos
Sem nenhuma tristeza
Dos foras que a vida nos deu
Ela com certeza estava juntando
Você e eu


* Inspiração roubada daqui

quinta-feira, 11 de março de 2010

Habeamus movelum

Se virem fumo branco a sair de uma certa casinha à beira mar plantada, é porque finalmente a dita "sapateira" (que ainda não sabe mais vai ser "arquivadora") está finalmente presa ao lugar que será seu por muitos e bons anos!


Está linda no seu cantinho, com eu sempre a imaginei, graças à boa vontade de um senhor que foi apanhado com um berbequim na mão, que quando deu por ele, já estava a acabar o serviço que eu tinha começado*!!

Para comemorar vou dar-me um miminho destes!

* afinal a única coisa que me ficou a faltar foi por o berbequim no modo propulsão (?!) e um bocadinho de força!!! Agora é fazer furinhos em tudo quanto é sítio!

quarta-feira, 10 de março de 2010

A minha vaquita loira...

2007

2008

2009

2010

... faz hoje 3 aninhos! É a melhor prenda que algum dia tive! É um boadinho do meu coração! Apesar das asneiras, apesar das patadas na cara, apesar da roupa destruída, apesar não conseguir encontrar um único recanto onde não exista um pêlo! Vale tanto tanto a pena, que até aperta o coração!

terça-feira, 9 de março de 2010

Gezellig

Passeio na marginal com o irmão do coração!
(Sinc)
The perfect moment is when we see the perfect moment!

Wishful thinking


[Little darlin its been a long cold lonely winter]

segunda-feira, 8 de março de 2010

8 de Março

Confesso que não acho grande piada a haver um "Dia da Mulher"! Se é de igualdade que se fala, então, pela mesma lógica deveria haver um "Dia do Homem". Além do mais, parece que da mesma forma que o "Dia da Criança" é apenas mais um pretexto para comprar um brinquedinho para o petiz, o dia 8 de Março tem-se resumido à compra e distribuição de gereberas de forma aleatória e a realçar o lado sensível das mulheres... uma espécie de metáfora de beleza e fragilidade em que tudo vira rosa! Disso não gosto mesmo!

 Photo @ Flickr by panteanii

Mas de facto, da mesma maneira que para mim o “Dia da Mulher”, é (felizmente) dispensável, é  também uma oportunidade para se denunciarem algumas injustiças sociais. Por isso, e pelas mulheres que lutaram para que eu não me sentida descriminada, aqui fica a minha menção a este dia, que se comemora há 100 anos!

Segunda-feira #40

sábado, 6 de março de 2010

Doing the funderwhack*

Acabou o filme e lembrei-me de um tempo em que se batia palmas no fim. Entre o refrear o aplauso e o acender as luzes, tive ainda vontade de pedir bis, para ver tudo de novo, mas em câmara lenta!

Admirável em todas as dimensões, e nem estou a falar das 3D (que até dão uma certa graça), mas antes, do que está para lá da história para crianças (?). E depois, Tim Burton excedeu-se nos cenários, nos detalhes, nas árvores retorcidas, nas cores que só existem em algumas paletas, das sombras... e sem destoar de todo este mundo, onde cabe mais do que um fantástico, as interpretações brilhantes da Rainha Vermelha e do Chapeleiro! 

Photo @ imdb

Estou feliz e contente e dei por bem entregues os quase €8 do bilhete, mas ficava radiante se por milagre viessem parar ao meu roupeiro, todos os vestidinhos da Alice... Lindos! (ver a primeira frase do filme).

Frases do filme:
Categoria "Não mudar"
- Alice: sometimes I've believed as many as six impossible things before breakfast

Categoria "Que remédio"
- Mad Hatter: Forgive and forget or forget and forgive... whatever comes first!

Categoria "[Ainda] à procura do meio termo"
- Mad Hatter: Why is it, you are always to tall or to small.

Agora, que já tenho baterias carregadas, vou só ali matar os meus dragões, mandar as rainhas vermelhas à fava e venho já! 

* O que é o funderwhack? É ver o filme!

sexta-feira, 5 de março de 2010

Só para que conste...

...esta noite vou desforrar-me da semana de cáca que tive, muito graças ao raio da chuva que não há meio de parar! A começar temos o muito esperado e desejado, "Alice in Wonderland", porque o mundo fica sem dúvida muito mais bonito com a magia do Tim Burton e a carinha sempre laroca do Johnny Depp, mesmo que seja na versão Mad Hatter!

Photo @ imdb
E depois é dançar, com os malucos aqui do Antro, até cair para o lado... ou pelo menos assim espero!

Don't wait up!

quinta-feira, 4 de março de 2010

quarta-feira, 3 de março de 2010

Mas é mesmo preciso haver um festival da canção? Mesmo, mesmo?

Ontem à noite, durante o zapping entre os 4 canais que passam na minha televisão, tive uma experiência de déjà vu, mas em mau! Ora então não é, que estava a dar o Festival da Canção - que pelos vistos agora é tipo casamento cigano e dura três dias - e quem estava a cantar era a Nucha!!! A Nucha?!? Mas ela já não tinha participado em mil novecentos e oitenta e troca o passo?!? Pior, minutos depois volto a cair no mesmo erro e lá aterro novamente no dito programa, e estão 4 ou 5 alminhas, com brincos à minhota, a cantar e dançar sobre o tema "arco-íris", como se tivessem tomado uns ácidos marados! E para minha desgraça, a noite não acabava sem uma última visita ao canal do estado, mas desta vez para ver um menino, que estava a tentar cantar, mas sem grande sucesso, ao som desse ritmo luso que é a salsa?!?

 Ora aqui está a prova que 81 foi um ano de facto importante no nosso país!

Voltem Paulo de Carvalho, Zé Cid e Simone! Estão perdoados!

terça-feira, 2 de março de 2010

Está desfeito o mistério

Desde a minha entrada na adolescência, que tenho vindo a desenvolver uma teoria, que admito resvalar para o campo da conspiração. Nos últimos dias, creio que reuni os elementos que faltavam para divulgar ao mundo a minha tese! 

Se numa fase inicial da minha vida, não compreendia bem as diferenças de comportamento e de aptidão que pareciam colocar rapazes e raparigas em lados diferentes das trincheiras - sim, porque é de uma guerra que se trata - esperei que a minha formação académica superior, me elucidasse sobre estes mistérios. Compreendidos e debatidos os conceitos de género e sexo, com ajuda dos lentes mais qualificados da academia coimbrã, analisadas as práticas culturais dos Inuit, Nuer, Yanomami e dos Aborígenes Australianos, algumas perguntas continuavam a precisar de uma resposta. Depois de familiarizada com os métodos antropológicos de recolha e análise de dados, resolvi fazer uma investigação, que coexistia com o meu viver de forma paralela.

O meu objectivo, passava por perceber se as actividades tradicionalmente atribuídas aos homens resultavam de algum determinismo associado à informação genética alocada no cromossoma Y (para que se conste, é um X que perdeu uma das perninhas... é assim que uma versão defeituosa do X, mas adiante) ou se de facto, era apenas uma estratégia feminina, que passaria por alimentar o ego aos homens ao mesmo tempo que permitia limitar o multitasking às tarefas profissionais, sociais e domésticas não tendo que se preocupar com outras matérias. Identifiquei as categorias a analisar - desporto/futebol; mecânica/carros; construção/bricolage - e assumi o papel de observadora participante. 

No que diz respeito ao futebol, creio que a resistência de algumas mulheres, se prende mais com o momento de alienação que proporciona e não tanto com o jogo em si. De facto, as mulheres não se envolvem em muitas actividades em que conduzam a este estado de “ausência” sem um propósito que se transforme numa mais-valia digna dessa classificação. E para quem está a pensar que as compras induzem um estado semelhante, desengane-se! O “ir às compras” é um processo bem mais complexo e calculado do pode parecer, já que passa por gerir o orçamento, as tendências, o gosto pessoal, o que já existe no armário e as ilusões (de que “ele” vai reparar, de que “ela” não vai reparar e de que de facto não vestimos o número que pensamos, e que a culpa não é da marca que anda a ajustar os modelos).

Já no campo da mecânica, confesso que os dados se apresentavam menos claros. De facto não percebia bem o interesse de andar a sujar as mãos de óleo, ou a angustia de desmontar mecanismos, com a esperança de que no final não sobrassem peças, impecavelmente limpas mas sem função (tipo os licenciados desempregados... tanto tempo, tanto esforço e agora não servem para nada!). Só se fez luz após dois episódios mais ou menos traumáticos mas ricos em aprendizagem: ficar com o motor a arder na auto-estrada e ter um furo numa terra onde não conhecia ninguém. Ora se no primeiro caso, me senti ridícula a dizer pelo telefone ao senhor do reboque que uma coisa que parecia um polvo, estava deitar muito fumo, no segundo meti mãos à obra e lá consegui mudar o pneu, sem grande esforço, devo confessar. Quando descobri que tinha queimado o motor do meu Cinquecento e que o custo da reparação, era todo o orçamento que tinha destinado para as férias de verão depois de meses a juntar, pedi ao senhor da oficina para me explicar o que tinha acontecido, e a partir desse momento passei a achar interessante conhecer e estimar os veículos em que me faço transportar. Neste ponto concluo, que algumas mulheres remetem este tipo de problemas para os homens, porque de facto é preciso investir algum tempo para dominar minimamente o assunto e é sabido que as mulheres têm muito mais que fazer e pensar.

Tudo concorria, para que pudesse concluir, que de facto esta divisão de papeis fosse uma estratégia deliberada das mulheres, que se de facto quisessem, poderiam dominar os campos tradicionalmente atribuídos aos homens, até que a terceira e última fase do desafio me fez repensar.

A bricolage. A missão era simples: fazer dois furos na parede para prender um móvel. Feito o briefing, munida dos instrumentos (qual tabuleiro cirúrgico), lá dou início ao processo: confirmadas as medidas são assinalados os dois pontos na parede; antes de começar a destruir a integridade da estrutura vertical que se apresenta à minha frente, volto a confirmar as distâncias; começo por fazer um pequenito furo com a ajuda do prego e martelo; passo para a etapa mais desafiante: usar o berbequim, item que no caso presente, se encontra processo de classificação para passar a ser considerado uma “peça arqueológica”. Escolho uma broca mais pequena e carrego no botão. Aparentemente não é difícil... até que passa a ser! Mudada a broca, sempre com o cuidado de ver se correspondia ao tamanho da bucha e depois de passar para o outro buraco, concluo que não há maneira de passar a barreira dos 2 – 3 cms de profundidade... ao mesmo tempo que o buraco de abertura vai aumentando assustadoramente (não se deve fechar os olhos com medo, quando se está a fazer um buraco na parede com um instrumento de alguma potência!)*.




Foi neste ponto que percebi que tinha que rever a minha tese... A informação genética do Y não não está na origem da inaptidão das mulheres e nem tudo pode ser interpretado com uma estratégia feminina e manipular os homens em seu benefício! O que de facto acontece, é que em determinada altura das suas vidas, todos os rapazes são enviados para uma dimensão alternativa no tempo e no espaço, onde são ensinados alguns ofícios que de outra forma implicariam anos de aprendizagem e dedicação, que são incompatíveis com o a sua natural tendência para a procrastinação. Portanto é isso! Eles são abduzidos e de alguma forma é-lhes gravada este tipo de informação e recursos! 
E agora o mundo pode continuar a girar porque foi desfeito o mistério que mais atormenta a humanidade**.

* desde já agradeço a todos os meninos, que via tweeter me iam dando dicas e apoio moral! e não me levem a mal algum conteúdo menos abonatório para os homens... a minha visão é isenta e científica!
** e eu vou ter que chamar um senhor para ir lá a casa minimizar os estragos e ver se prende o raio do móvel à parede... e para o caso de não haver remédio para contornar os estragos feitos, pensar num decoração feita à base de buracos!

segunda-feira, 1 de março de 2010

Acho que...

...já passou tempo suficiente, para não parecer que estou a tirar este layout por causa de comentários jocosos*...

* são muitas bolinhas e muito cor de rosa para mim!
 

  
[porque hoje é um dois em um]