terça-feira, 30 de novembro de 2010

Note to self

Oferta aconchegante da princesa mais bonita da Rua do Miradouro 


As amigas, que arriscam pedir-me opiniões quando alguma coisa na vida delas está mais complicada, já sabem que invariavelmente em algum ponto da conversa irei dizer: 
(Eu) - "Tem calma e põe as coisas em perspectiva. Vais ver que não é assim tão grave!" 
(Amig@ desesperado)- "Ah e tal, mas amputei um braço, fiquei cega de um olho, o meu cão fugiu com o vizinho e descobri que afinal o meu namorado é gay..."
(Eu) - "Sim, mas vê bem... podia ser mais grave.. e se deres muita importância a estas coisas aí é que é pior..."

É que aos (quase) 30, já todos levamos daquelas rasteiras da vida (intencionais ou não) que nos fazem ficar sem chão e sentir um soco seco na barriga


E não é só paleio. Acho mesmo, do conforto de quem vê de fora, que às vezes as coisas não são de facto tão importantes nem tão graves como quem está do lado de dentro sente. Basicamente, acho que as pessoas/problemas só têm a importância que lhes dermos. Hoje, só depois de ter dado espaço para um insectozinho passageiro, crescer em tamanho e problema, percebi que afinal o conselho, não é assim tão mau conselho.

Já tomei nota e já está tudo na proporção certa. Vamos lá ver se não volta a acontecer.

Para os amiguinhos do coração: está tudo bem! Bad day at work! That's all!!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

"Deslarguem-me"... "deslarguem-me" que se não vou lá!!

Voltei a sonhar com ela... acho que não vou conseguir resistir...


Tem o tamanho perfeito, a consistência perfeita, a cor perfeita... e é tão a minha cara...

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Ver-de-raiva

É raro entrar em confronto com quem quer que seja, principalmente com quem não conheço. Não sei reagir e "no depois" fico sempre a roer-me a pensar no que devia ter dito e ter feito e que não me saiu na altura. 

 Photo @ Flickr by waihey

Ontem, tive de levar a carrinha das mudanças (bicho nada pequeno e como tal pouco manobrável) para perto da casa da minha mãe, que fica numa ladeira bastante íngreme e não muito larga. Passam dois carros, mas se estiver um estacionado, só se sobe ou se desce. Como é normal aquela hora, estavam vários carros estacionados quando comecei a subida. Estava talvez a 50m do meu ponto de paragem, quando começa um carro a descer. Uma vez que eu tinha começado a subir e que a ele bastava esperar 10 segundos para que eu passasse, continuei a subir. Mas a besta-quadrada - um homem aparentemente bem posto - começou a descer para parar logo a seguir porque não passavamos os dois e já estavamos nariz com nariz. Ele teria de fazer marcha atrás 50m eu teria que estacionar a carrinha num espaço mínimo ou fazer 200m de marcha atrás numa ladeira com uma inclinação de 9%... Parei e olhei para o filho-de-uma-pêga-incompetente que não reagiu. Alguns segundos depois, travei com o travão de mão e apoiei a cabeça no queixo, como quem diz: 
- "eu daqui não me mexo, por isso faz lá o jeitinho". 
Começou a gritar comigo. Saí da carrinha e ía perguntar-lhe se não podia fazer marcha atrás, quando me diz aos berros e cuspir perdigotos, a bonita - e nada ouvida pérola:
- "Tirou a carta na farinha amparo? Se tem um obstáculo não pode avançar!". 
Expliquei-lhe que quando comecei a subir, ele ainda nem sequer tinha saído de casa e que não havia nenhuma placa a condicionar o trânsito da rua e que dado o tamanho dos carros e o facto de estarmos numa via de inclinação bastante acentuada, era mais fácil para ele subir! A resposta que oiço... um bonito "desemerde-se". Vindo de um homem com mais de 50 anos com aparente polimento, deixou-me sem reacção. Valeu-me a mãe Fatinha que vinha no carro de trás e que veio em meu socorro. Com toda a condescendência do mundo, disse a olhar para o cabrão-automobilizado:
- "Deixa lá filha, o "cavalheiro" com certeza não sabe fazer marcha atrás... não o envergonhes e arruma lá a carrinha que não te custa nada." 
Foi a tremer que nem varas verdes que lá enfiei a carrinha no tal buraquito e dois segundos depois desatei a chorar porque não soube reagir!! 

 Photo @ Flickr by callofQT

Há algum curso que possa fazer para se aprender a responder em situações de stress... é que nesse capítulo sou uma completa ignorante!!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Da greve


Correndo o risco de ser excomungada da sociedade, não me parece que a esta altura do campeonato sirva de alguma coisa estar a fazer greve. Além do mais, revolve-me um bocado as entranhas... É que para se poder fazer greve é preciso ter um emprego, daqueles que dão dinheiro todos os meses e que prevêem regalias sociais... e isso, na minha geração é raro. E a verdade é que posso trabalhar dias infinitos, sem direito a fins de semana, feriados e o mais que houver, que continuo a não ter emprego. Mais, até posso fazer isso a dobrar, em mais do que um lugar, em cidades diferentes separadas por muitos quilómetros que têm que ser pagos do meu bolso, que nem assim posso dizer que tenho um emprego. Por isso custa-me, que todos os "tachos" e "panelas"*, saiam à rua (sendo que a maioria opta pela via metafórica e fica mas é em casa a protestar no aconchego das mantas, porque este tempo não chama à luta) para barafustar com quem, por uma ou outra via lhes arranjou um cantinho ao sol, quando deviam era estar a levantar as mãozinhas para o céu... e já agora a trabalhar!


No dia, em que perante um cenário económico como o que vivemos hoje, a população se mobilize para se revoltar/manifestar trabalhando e eventualmente usar o dinheiro desse dia como forma de minimizar a desgraçada da crise (que já não tem costas para mais) alinho!! Gosto dos chamados estalos de luva branca. [Já estou a ouvir os impropérios dirigidos à minha pessoa]. Até lá, acho que é um desperdício de tempo ficar de braços cruzados ou a agitar bandeiras, o que no final se vai traduzir num dia de mais trânsito muitas reportagens irritantes, maior despesa que vamos todos ter que pagar mantendo tudo como estava antes.


Agora vou ali ter uma reunião, corrigir frequências, preparar aulas, passar os olhos pela tese, encher uma carrinha de mudanças e fazer 400km para comemorar a greve... trabalhando!

* O problema da generalização é a injustiça. Reconheço que há muito boa gente que tem trabalho por mérito próprio e que se vai manifestar.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Das coisas que valem a pena

O próximo fim de semana tem que estar reservadíssimo!! Em Leiria no espaço a9)))) Célula e Membrana, vai ser possível desfrutar de um espectáculo, cheio! Cheio de cor, movimento e som. Tudo surpreendentemente harmonizado. E mais não digo, porque o tanto de bom que tenho a dizer pode estragar a surpresa! Apareçam e aproveitem!



Ricardo Leandro é um artista audiovisual ou multimédia se assim lhe quiserem chamar que não tem parado desde que se formou em Artes-Visuais Multimédia.
No dia 27 de Novembro, sábado estará duas vezes na SEDE às 18.00h horas para apresentar o seu trabalho videográfico e às 22.00h. para uma performance audiovisual na companhia de Eduardo Jorge Costa.

Como é hábito, no a9)))) procuramos todos os meses apresentar trabalhos de novos artistas e esforçamo-nos por os fazer falar. "The video listener" é uma colecção de vídeo performances experimentais que trata de apresentar o último projecto artístico de Ricardo Leandro. Através de uma série de pequenas curtas alojadas online, o autor explora o conceito de identidade artística onde a imagem manipulada vai de encontro ao som do músico e amigo Eduardo Jorge Costa, contribuindo como artwork audiovisual. "Compreendo-te Imperfeitamente" por Eduardo Jorge Costa & Ricardo Leandro
Toneladas de cálcio em territórios do imaginário ou somente um texto que serve de apresentação a uma performance audiovisual.
Trta-se de uma performance vídeo/live act.

Segunda-feira 72

domingo, 21 de novembro de 2010

E apesar de ter passado os últimos dias a correr...

...ainda tive tempo de entrar numa loja da Massimo Dutti e apaixonar-me perdidamente por uma desgraçada de uma carteira que tinha tanto de linda como de cara...


Para a ter nos meus braços (literalmente) só vejo uma de duas soluções:
- arranjar um ou mais cúmplices e assaltar uma loja e levar uma bichinha linda daquelas comigo;
- esperar que os saldos cheguem aos 80%;

Oh... estou parva!! Estava-me a esquecer do Pai Natal... já posso ficar descansada... certo?

Eis-me de volta... ou quase!

Photo @ Flickr by ice.bluess
Imagem representativa do estado da autora deste blogue: cansada, mas se chatearem ainda pica!!

Já passaram as semanas mais loucas do ano (ou pelo menos assim espero)! Sobrevivi! Mas para já os planos são abrandar para ver se há espaço para a parvoíce assumir o seu lugarzinho e as coisas voltarem ao que eram!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

We are experiencing technical difficulties. Please stand by.

É sempre assim. Perante um momento de grande exigência - profissional e pessoal - as minhas máquinas avariam! Não é nada com elas, eu é que tenho que me desdobrar e fazer das tripas coração para estar um dia diferente em cada cidade, fingir que as aulas estão magnificamente preparadas e ainda pelo meio participar num congresso e ajudar a organizar outro. Mas não, são as máquinas que avariam... quer dizer, eu também não fico muito famosa, mas passava bem sem tem que fazer malabarismo entre computadores e afins. Vejamos: o disco externo, não fala comigo! Aparece em qualquer computador, menos num que eu esteja a usar. Sou uma pessoa cautelosa e os trabalhos mais importantes, estão também na dropbox... e eventualmente numa pen e no mail... Fácil de perceber que situações de boicote informático são recorrentes na minha vida. Como tenho que usar o SPSS, nestes dias tenho trabalhado no antigo PC da mãe Fatinha... que ontem, resolveu deixar de aceder à net! Todos os outros computadores do mundo, percebem que há rede na casa onde vivo, menos aquele desgraçado! Não teria tanta importância em qualquer outra noite, mas tenho que fazer uma comunicação oral esta quinta feira (que é outra coisa gira que gosto muito... falar em público até nem me causa desarranjos intestinais nem nada, por isso 'tá-se bem!! Em inglês! No problem!... não custa nada!), e para variar estou com a corda ao pescoço, por isso as noitadas são a solução e à falta do disco externo, os documentos estão na dropbox... mas não há net... portanto não há acesso a trabalho actualizado... pelo menos usando esse computador. Por tanto, vai de trabalhar em dois computadores ao mesmo tempo, um para a estatística e o outro para a comunicação e net!



Entretanto, uma camada de ranho, apoderou-se da minha cabeça, e dormir que já não estava fácil, ante a a expectativa de falar em público de um trabalho que só eu sei o quão mal amanhado está, tornou-se ainda mais complicado. Isto para dizer, que não se esperam brilhantes posts, neste blogue... esqueçam lá o "brilhantes"! Não se esperam posts para os próximos dias e ponto final!

Segunda-feira 71

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Ele há coisas...

Acabei de ouvir nas notícias, que há uma associação ecológica-alternativa (?), que foi a Espanha receber formação de "Desobediência cívil"* (?!) cujo o público alvo são anarquistas (?!?!)...


Será naturalmente limitação minha, não perceber como é possível juntar conceitos e ideologias tão distintas na mesma frase...


* para pôr em prática durante a cimeira da NATO em Lisboa

Ele há doidos para tudo...

O mar por aqui não tem andado brincadeira... pelo menos para alguns...


Garret, Grego, Saca e Mike na Nazaré from surftotal tv on Vimeo.

Tem sido um espetáculo e tanto... a dois passos de casa... e sem ser preciso pagar dinheiro para assistir!!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Les Misérables

Sinto que vivo num país de papagaios... e de deprimidos... e de masoquistas... e de mártires!! Uuuuuhhhh, os mercados chegaram aos 7%!!! Uuuuuhhhh.... E o que é que isso quer dizer?!... Ao certo, ao certo poucos saberão. Eu assumo que tendo uma pequena ideia, me inclino mais para o "não saber". E enche tudo a boca para falar do FMI, e eleições antecipadas e as culpas... essas danadas, não há maneira de se pegarem a ninguém!! E a coisa está tão má, tão má, que vai de fazer reportagens a torto e a direito sobre os pobrezinhos que vão comer às cantinas comunitárias, como se isso fosse trazer mais dinheiro, ou ânimo! 

Photo @ Flickr by moonjazz

E estamos tão mal, que somos dos países da Europa, que na altura de darmos provas do espírito natalício, estamos ali na linha da frente... de quem mais gasta em presentes! À frente da Alemanha, da Espanha, da França... Estamos tão mal que em média, estamos dispostos a gastar mais de 500 mocas em... cenas!!
Gente dos telejornais, we've got the picture, podem parar com as reportagenzinhas da tanga que dão vontade de cortar os pulsos... em alternativa sugiro ruído branco, sempre se tolera melhor. Quanto ao resto... será mais eficaz comprar postalinhos a desejar umas santas festas e guardar uns trocos para os rainy days que pelos vistos já chegaram, metafórica e literalmente!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

sábado, 6 de novembro de 2010

Das músicas com significado

Ontem, no meio de mais uma viagem (já não saberia dizer de onde para onde), começa a dar no rádio o "Frágil" de Jorge Palma. Todos temos aquelas músicas que nos dizem alguma coisa, que têm um significado especial... esta para mim, tem um significado literal e dúvido que haja muita gente a conseguir repetir a minha proeza. Ora lá vai mais uma historinha:

No início do meu segundo ano da faculdade, andava num ritmo meio louco, para além das aulas, tinha arranjado um fullpart-time, treinava sempre que podia e fazia o possível por não perder pitada do que se passava à minha volta. A latada já tinha começado e tinha decidido que ia ver o Jorge Palma com a mana. Depois das aulas e do trabalho, lá nos encontrámos. Provavelmente devo ter dormido pouco e comido ainda menos. Não interessa! Era o Jorge Palma! Se tivessemos sorte, não ia estar muito bêbado e ia ser como sempre, fantástico! De facto, estava a ser muito bom... até que... me comecei a sentir estranha. Como sei que tenho alguns problemas em lidar com multidões em espaços fechados, pensei que era eu a entrar em paranóia e forcei-me uma bocadinho para aguentar. Não estava a resultar! Normalmente quando aviso alguém que me estou a sentir mal, é porque estou realmente a sentir-me mal... mas invariavelmente, talvez porque aparentemente me mantenho calma, as pessoas respondem-me com um "espera só mais um bocadinho, pode ser que passe", por isso, disse à minha irmã, que sabe deste problema, que não me estava a sentir bem que precisava de apanhar ar e ainda não tinha terminado a frase, já eu ia a caminho! Nisto começa a tocar o "Frágil".


Para sair do pavilhão, tinha de chegar a um dos corredores laterais, pelo caminho, várias bancas da Superbock apareciam-me como tábuas de salvação em que me apoiava. Numa delas, dexei de ver, de ouvir e sentir... Desmaiei ainda tocava a música... Seria uma história irónica e bonita, se tivesse desmaiado de forma graciosa, como acontece nos bailados... mas não! Bati com a cara na bica das cervejas e abri o nariz! É claro que só dei por ela já no exterior, para onde tinha sido carregada, qual saco de batatas, por alguma almada caridosa angaraiada e conduzida pela minha irmã. Arzinho fresco na tromba e desperto. Confirmo os acontecimentos e levo com uma garrafa de água com açucar, pão com chouriço até voltar a ter cor nas bochechas. Pronta para outra, fui até aos bombeiros para limpar a cara, que ainda tinha marcas de sangue e saber se era preciso fazer mais alguma coisa. Para meu espanto, só tratam gente embriagada o levou a mana mais velha assumir o seu papel em toda a sua plenitude*.


Acalmados os ânimos, voltamos para a porta do pavilhão. Estava a dar a "Estrela do Mar". Essa música sim, acompanha-me para todo o lado: foi gravada no ipod, oferecido por ela numa altura muito complicada, só para me ajudar a encontrar o ânimo! Ela há significados e significados...

* tenho cá para mim, que estava com medo de devolver aos nossos mais a mercadoria avariada...

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

"Argoladas" is my middle name

Aqui há uns tempos, fui convidada para falar num programa de rádio, precisamente por pertencer a redes sociais (mas ainda não tenho o cartão) e manter um blogue - este. Tudo correu pelo melhor! O bocadinho passado foi muito agradável e eu, como era de esperar, não fui brilhante, e já no tempo de descontos, borrei a pintura metendo a pata na poça (e neste campo, diga-se de passagem, sou uma verdadeira centopeia).

Photo @ Flickr by rengawk

Sucede, que para terminar a entrevista, me perguntam, "qual, de entre os blogues que eu leio diariamente, pode ser considerado um blogue de referência", ao que eu respondo: "nenhum... são todos muito fraquinhos". A escolha de palavras foi pelo menos, infeliz, por vários motivos: porque muitos dos autores dos blogues que leio vêem ler-me aqui (quer dizer, depois desta revelação, tenho as minhas dúvidas) e porque me estou a passar um atestado de acéfala, já que me dou ao trabalho de ler coisas "fraquinhas". Cabe então explicar! A pergunta, tal como a entendi, foi feita com o intuito de saber, que blogue de impacto nacional eu mais apreciava... na ordem de um Abrupto (do Pacheco Pereira) ou quejandos! Ingenuidade (bem intencionada) a do entrevistador. Não tenho tamanha disponibilidade intlectual, para me aventurar em águas tão profundas e turbulentas. Aliás, os blogues que leio dizem muito de mim: são essencialmente de autoria de mulheres inteligentes, com um toque de futilidade e na sua grande maioria apresentam ironia e sentido de humor em doses generosas, mas essencialmente, reconheço na maioria deles, uma das mais importantes qualidades que posso encontrar num semelhante: a capacidade de fazer pouco de si mesmo! Sinal de saúdinha da boa! No dia em que ler num desses senhores da primeira liga da blogosfera, tamanha humanidade, serei cromo na caderneta de seguidores!

Contudo, hoje se me perguntassem se tenho um blogue preferido, que mesmo pertencendo à categoria dos "fraquinhos" poderia ser lido transversalmente por intlectuais e donas de casa, já saberia responder com pelo menos dois nomes* (que figuram naturalmente na listinha aqui ao lado)!
* Não vou dizer quais são, porque podia dar margem para parecer lambe-botisse e eu cá não sou dada à prática de tal actividade!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Lamento...

...mas a inspiração anda em baixas... e a única coisa que agora me passa pela cabeça, é que tenho que comprar cuecas, porque o buick no espaço de 2 semanas comeu/destruíu 2 pares!! 


Acho que tenho que lhe agradecer... nunca consigo deixar a roupinha de dentro, chegar a velha!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

...e já está! - #3

O terceiro dia começou logo bem: acordámos às 8h30 convencidos que eram 9h30... é que a hora mudou e ninguém avisou... rima e é verdade!

Depois da esfrega do dia anterior, perdemos o amor a €16 (com a ajuda de um voucher de desconto que alguém tinha e emprestou) e vai de andar de Bus turístico, porque a sola de sapatos está cara! A primeira saída foi no Park Guell. Lindo como eu me lembrava! Mágico mesmo! Escusavamos de ter dado os €5 para vermos a casa museu Gaudi, mas vá... não foi grande o estrago.



A Pedrera aguardava-nos e fazia parte do percurso do autocarro. A fila que rodeava o quarteirão dava pena... mas graças ao fantástico bilhete 7 em 1, não há cá esperas para ninguém... eh eh! Era a minha segunda visita ao terraço/telhado e apartamento e ainda bem! Os detalhes tornaram-se mais claros e ainda mais bonitos do que me lembrava!





Depois foi desfrutar do passeio até voltarmos a sair novamente no Passeig de Gracia para vermos a Tapiès, segue para o Born, uma passagem rápida pela Catedral e o fim do dia no Museu Picasso. Já pertinho do fim, combinamos um café com os amigos e um passeio pelo Port Vell seguido de uma subida nocturna pelas Ramblas, fechou a lista do que havia para ver!



...e já está!

...e já está! - #2

Segundo dia, poderia também ser chamado de "A via Sacra", de tão agradável que foi! O plano estava claramente definido "Casa Batlló" - La Boqueria - MACBA - CCCB - Fundació Joan Miró - Praça de Espanha - Palau Nacional. Coisa pouca portanto! O tempo era curto, portanto dar à perna foi a única solução! A ideia da viagem era dar um banhinho aos olhos de boa arte. Mas isso só foi possível graças ao maravilhoso bilhete 7 em 1, leia-se um bilhete que é válido em 7 museus qu se compra por €22, o que é muito em conta, já que em média uma entrada custa €10... se alguém estiver a pensar ir para aqueles lado, aconselho esta compra.








Até ao CCCB, correu tudo pelo melhor! Ainda atravessámos o Raval (onde vivi enquanto por lá estive) e o seu ambiente multicultural, sem termos sofrido qualquer tipo de assalto, ou investidas das "meninas da vida" e acima de tudo, não tivemos de abdicar de nenhum orgão vital. Perto da Paral.lel, e porque era eu que ia a "guiar" o mapa, andámos um par de quilómetros na direcção errada. Meia volta e estamos no ponto de partida... e com uma subida viritginosa de alguns 6km pela frente para chegarmos ao lado marítimo do Montjuic que, como é bom de ver, não tem ATM... e nós tínhamos fome, €1 e um iogurte do avião... Quando finalmente chegámos à Fundação Joan Miró, o pézinhos gritavam, assim como as pernas e as costas, mas valeu a pena.


Apanhámos o autocarro com os bilhetes de metro (os de 10 viagens, dão para quase tudo quanto é transporte) e chegámos à Praça de Espanha... esfalfados e fome, com €1 e sem forma de mostrarmos os nossos talentos de pedintes em tempo útil de evitarmos um desmaio... sem outro remédio, andámos, andámos e andámos, até encontrarmos uma malfadada caixa multibanco. Ficou a nota mental de nunca andar sem dinheiro por Barcelona, porque os ATMs são escassos. Finalmente comemos um hamburger (mirradinho, mirradinho) a caminho do Palau Nacional, mas que soube pela vida! O dia não acabava sem mais uma caminhada até casa para ficarmos com mais de uma dezena de km no bucho!



Dormir soube a pouco...

...e já está! - #1

Barcelona, já passou! Foi bom, foi curtinho, mas foi bom! Ficou tudo visto e não, não encontrei o Martin!



Depois de um atraso no voo de ida, e de termos pago €14 pelo pequeno almoço no aeroporto (prenúncio do que íriamos pagar por outros pequenos almoços, ao longo dos dias) perdemos a oportunidade de guardar a bagagem na casa do amigo que nos ia dar guarida e que só voltava do trabalho lá pelas 19h00. Portanto vimos um bocadinho de Barcelona, de uma perspectiva diferente, que é como quem diz, com as malas às costas (no caso só uma e com rodinhas porque sou uma miúda contida). Lá estava a Sagrada e toda a sua grandiosidade e o Arco do Triunfo, que afinal não fica assim tão perto!






Por la nit vai de encher o bandulho com os fritos petiscos tradicionais da Catalunha: ele foi batatas bravas fritas (que além de fritas levava um litro de maionese picante), pinchos fritos, botifarras fritas, calamares fritos, beringela frita, cogumelos fritos e pa amb tomaquet (pão com tomate... não era frito). O fígado passou-se enquanto passeávamos pelas ruelas do Barrí Gótic e só acalmou, tipo... há cinco minutos!!

Houve pelo menos duas coisas a pontuar estes nossos dias: a fome (mais que muita) e o mau castelhano! Era ver os catalães a torcerem-se todos cada vez que abríamos a boquinha e a  puxarem do seu inglês sofrível só para não terem que nos ouvir!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Eu cá não sou menos que ninguém...

...por isso também tenho alguma coisa a dizer sobre a nova colecção da H&M:


 Acho piada ao Amarelo...

Who the fuck is Lanvin?!*

* Post motivado pela overdose de fotografias da dita colecção!