terça-feira, 27 de novembro de 2012

Para mais tarde recordar... ta-ran






Há uns meses vi no blogue da Ana Luísa este serviço - printstagram - e no mesmo instante achei a ideia fantástica. Como resolvi começar um diário/albúm com fotografias para no futuro me recordar e poder contar como têm sido estes últimos tempos da minha vida, achei que não precisava de mais nenhuma desculpa. Foi só o tempo de ter 24 fotografias "instangramizadas" no meu telefone e vai de fazer o pedido. Em 4 diazitos já me estavam a bater à porta com um envelope cheio de recordações num formato perfeito (4x4 inches)! A única desilusão foi a resolução de algumas fotos... Têm um bocadinho de grão a mais, mas acho que é defeito do iphone que tenho (que é um modelo antigo) e não da impressão. Já tenho com que me entreter nos próximos dias!

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Fiona Rocks!



Escusado será dizer que me desfiz em lágrimas depois de ler a carta que a Fiona Apple escreveu aos fãs para justificar o cancelamento da tournée que ia fazer pela América do Sul. Diz ela, que tem mais dificuldade em escolher as meias com que vai dormir do que decidir entre o trabalho e o estar presente nos últimos dias de vida da sua melhor e mais constante companhia: a Janet... uma cadela. Compreendo bem a dor de não ter esta escolha. Também eu não pensei duas vezes em ligar para o meu trabalho a dizer que ia faltar alguns dias. Também o meu Pai não pensou duas vezes em prolongar a sua estadia fora de casa para estar mais perto do nosso companheiro. Também o R. não teve dúvidas em fazer 200km numa segunda-feira às 18h00, deixando o trabalho para trás para ir ter com ele. O nosso Bogas. Há escolhas que não se fazem... outras sim! Toca a ouvir Fiona Apple! Se já valia a pena, agora vale ainda mais!

It's 6pm on Friday,and I'm writing to a few thousand friends I have not met yet.
I am writing to ask them to change our plans and meet a little while later.
Here's the thing.
I have a dog Janet, and she's been ill for almost two years now, as a tumor has been idling in her chest, growing ever so slowly. She's almost 14 years old now.I got her when she was 4 months old. I was 21 then ,an adult offi
cially - and she was my child.
She is a pitbull, and was found in Echo Park, with a rope around her neck, and bites all over her ears and face.
She was the one the dogfighters use to puff up the confidence of the contenders.
She's almost 14 and I've never seen her start a fight ,or bite, or even growl, so I can understand why they chose her for that awful role. She's a pacifist.
Janet has been the most consistent relationship of my adult life, and that is just a fact.
We've lived in numerous houses, and jumped a few make shift families, but it's always really been the two of us.
She slept in bed with me, her head on the pillow, and she accepted my hysterical, tearful face into her chest, with her paws around me, every time I was heartbroken, or spirit-broken, or just lost, and as years went by, she let me take the role of her child, as I fell asleep, with her chin resting above my head.
She was under the piano when I wrote songs, barked any time I tried to record anything, and she was in the studio with me all the time we recorded the last album.
The last time I came back from tour, she was spry as ever, and she's used to me being gone for a few weeks every 6 or 7 years.
She has Addison's Disease, which makes it dangerous for her to travel since she needs regular injections of Cortisol, because she reacts to stress and to excitement without the physiological tools which keep most of us from literally panicking to death.
Despite all of this, she’s effortlessly joyful and playful, and only stopped acting like a puppy about 3 years ago.
She's my best friend and my mother and my daughter, my benefactor, and she's the one who taught me what love is.
I can't come to South America. Not now.
When I got back from the last leg of the US tour, there was a big, big difference.
She doesn't even want to go for walks anymore.
I know that she's not sad about aging or dying. Animals have a survival instinct, but a sense of mortality and vanity, they do not. That’s why they are so much more present than people.
But I know that she is coming close to point where she will stop being a dog, and instead, be part of everything. She’ll be in the wind, and in the soil, and the snow, and in me, wherever I go.
I just can't leave her now, please understand.
If I go away again, I’m afraid she'll die and I won't have the honor of singing her to sleep, of escorting her out.
Sometimes it takes me 20 minutes to pick which socks to wear to bed.
But this decision is instant.
These are the choices we make, which define us.
I will not be the woman who puts her career ahead of love and friendship.
I am the woman who stays home and bakes Tilapia for my dearest, oldest friend.
And helps her be comfortable, and comforted, and safe, and important.
Many of us these days, we dread the death of a loved one. It is the ugly truth of Life, that keeps us feeling terrified and alone.
I wish we could also appreciate the time that lies right beside the end of time.
I know that I will feel the most overwhelming knowledge of her, and of her life and of my love for her, in the last moments.
I need to do my damnedest to be there for that.
Because it will be the most beautiful, the most intense, the most enriching experience of life I've ever known.
When she dies.
So I am staying home, and I am listening to her snore and wheeze, and reveling in the swampiest, most awful breath that ever emanated from an angel.
And I am asking for your blessing.


I'll be seeing you.

Love, Fiona

Segunda-feira #165

Source: postlol.com via Guilhim on Pinterest

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Instintos assassinos


Bem sei que as hormonas das gajas são uma coisa do demónio, mas ainda assim, acho que a culpa não é só minha... De certeza que não sou a única a desejar que os "papa-filas" ou, à moda da capital, "papa-bichas" - aqueles filhos de uma quenga que passam a alta velocidade pelos desgraçados que estão a passo de caracol a tentar chegar a algum lado e se metem no último instante na faixa de rodagem onde já deviam estar há 300 metros e 20 minutos atrás - tivessem uma violenta gastroenterite no momento quem passam o traço contínuo e a zebra de separação das vias (e fazem o lorpa que resolveu  respeitar as regras de trânsito, travar a fundo).

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Ambrósio, apetece-me algo!


Ontem para o lanche apeteceu-me um Apple Strudel e pensei que não devia ser assim tão difícil! Improvisei como o que tinha na dispensa e sem olhar por um instante que fosse para uma receita. Sim, na minha cabeça I'm that good! Se utilizarmos como principal critério de comparação a existência de maçã, então não estive muito longe. Se atentarmos a outros detalhes - tipo de massa, consistência da maçã e falta de outros ingredientes - então diria que aquilo que produzi foi uma mutação de massa folhada e maçã... Ainda assim, comi parte do pequeno monstro empapado que foi ao forno!

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Certinho como o destino


Num destes dias armei-me em gaja e comprei uma máquina de depilação a cera. Nada de muito extraordinário, uma daquelas da Veet que se vendem nos supermercados. Por algum motivo achei que todo o meu talento seria suficiente para oferecer à minha epiderme aquele toque aveludado que só as esteticistas conseguem. Ligo a máquina e dois minutos depois de ter começado já havia cera ficha da máquina, nos meus dedos, na embalagem da máquina e na casa da vizinha do lado... Como resultado final consegui tirar 23,2% dos pêlos das pernas sendo que 70% dos membros inferiores ficaram cobertos com bocados de cera que não consegui tirar nem com um esfregão de arear! R'ais parta a crise que só me dá despesas!

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Mais uma corrida, mais uma viagem: as provas







Mais uma corrida, mais uma viagem!



A vidente que existe em mim faz-me adivinhar que chegarei ao novo ano com uma pança cheia de coisas boas. Diz-me também que se não mexer as perninhas os estragos provocados por sonhos, bacalhaus e bolos variados vão ser grandes... Não é uma vidente especialmente dotada, está bom de ver! Vai daí, depois da desculpa do horário alucinante, da chuva e do frio, hoje darei o pontapé de partida nas gorduras futuras. Voltarei às voltas à beira mar e a ver velhinhas de 85 anos a ultrapassarem-me sem dó nem piedade enquanto olham para mim com pena... Se não disser nada nos próximos dias mandem procurar por mim... Devo estar algures a recuperar de um ataque cardíaco!

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Lava, lava, lava


E voltamos aquele momento do ano em que a roupa dificilmente chega a entrar na máquina e quando entra é com data de saída e número de lavagens pouco previsíveis...

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

E o cuzinho lavado com água de rosas... não?


Ontem, quando ia a caminho de casa, ouvi o PPC dizer - entre outras coisas de tom assustadoramente salazarento - que queria que os portugueses recebessem bem SôDona Merkel. Nesse instante veio-me à cabeça um daqueles casais do antigamente (?) em que ela, depois de aturar um marido - que além de lhe explorar o trabalho, se encher de vinho e de ser visita frequente das "meninas"- ainda arranjava fôlego para dizer "ele é muito meu amigo... só me bate quando mereço!"

Ora... se se fossem encher de pulgas...

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

domingo, 4 de novembro de 2012

Crítica gastronómico-cinematográfica


Uma pessoa lembra-se de se sentar no sofá a lavar a vistinha com um filme do Clooney. Até parece ser um bom filme, longe das charopadas do domingo à tarde, apesar de ser domingo à tarde. Durante a primeira hora boceja com esperança. Passado outra meia pensa que devia ir fazer a sopa para a semana... mas não vai na expectativa que a coisa melhore e que ele volte a aparecer sem camisa. Chega o fim e na minha cabeça começo a esboçar a crítica. Não sei qual é o equivalente disto em estrelas do Público ou em nota do imdb mas na minha escala fica-se por um "mais valia ter ido fazer a sopa".

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Resistirei hoje e sempre!


O Carnaval é em Fevereiro. Em Outubro-Novembro temos os bolinhos e bolinhós*. Para adereço basta: uma caixa de sapatos com uma vela acesa; um saco para os bolinhos; um saco para as moedinhas; um saco com farinha e papel rasgado para sujar a entrada de quem não abre a porta.

Mai nada!

* Pão por Deus, Santoro, o que lhe quiserem chamar!