sexta-feira, 29 de março de 2013

7 meses por pontos



- R'ais partam a filha de uma quenga da azia! Juro que já houve dias de ir às lágrimas! A médica já me deu um comprimido para SOS, o que quer dizer que nunca o vou tomar porque acho sempre que consigo aguentar mais um bocado, que não se trata verdadeiramente de um SOS e que a pequena não precisa de químicos estranhos a esta altura do campeonato;

- A barriga já pesa... ou melhor, já sinto os 5 quilos que aumentei desde o início da gravidez;

- A nossa cachopa é a minha melhor compincha! "Acompanha-me" em tudo... e estou a falar para além do óbvio. Nas aulas está acordada e vai dando uns toques quando me empolgo mais um bocadinho; quando vou caminhar, dá-me umas "festinhas" quando abrando o passo e eu deduzo que ela ache piada ao ritmo mais acelerado; adormece comigo e acorda dois minutos depois de mim! Parece que estamos sempre em sintonia! Espero que assim continue quando estiver cá fora;

- Temos aprendido MMMUUUUIIIIITTTTTTOOOO no curso de preparação para o parto! Não me imaginava a embarcar nesta viagem sem o apoio que o curso (qualquer curso) nos dá. Além do mais, é fantástico fazê-lo a dois. Sentir que estamos os dois sorfer todas as palavrinhas que são ditas e que contamos um com o outro para aquilo que nos possa falhar;

- O quartinho já tem forma, mas ainda faltam muitos detalhes;

- Ainda não domino a lógica e o vocabulário da roupa de bebé e, pela reacção das pessoas, estou a ver que isso me dá um bilhete directo para o clube das mães que possivelmente vão fazer um trabalho de caca. Não entendo o que distingue um pijama de um "fatinho". Tem dias em que acho que já sei o que é um babygrow e um body, mas depois descubro que estou enganada. E NÃO GOSTO de roupinhas bordadas, com picots, e coisinhas motivos angelicais, bonecos fofinhos, golas e o tudo mais que possa levar o bebé a ser confundido com um bolo de merengue e suspiros! Também não gosto de veludos e tecidos que não sejam algodão; E não percebo na totalidade a lógica das camadas de roupa e percebo menos ainda a utilidade dos sapatos para gente que não tem como caminhar com eles! Para ser sincera morro de inveja da capacidade dos bebé agarrarem nos pés e os meterem na boca e não quero roubar esses momentos à minha cachopa;

- É possível viajar pançuda, andar 10km por dia com uma criança no bucho. A parte chata é só o avião! No final da viagem em vez de pernas e pés tinha dois grandessíssimos repolhos. Nem nos dias em que dava 12h00 de aulas tal me acontecia;

- Continua a ser muito fixe... e confesso que ver a hora a aproximar-se me aperta o coração. É que enquanto ela está aqui dentro está tudo bem... mas e depois?! Toda a gente me diz que lá para o final do 8º mês já só a quero cá fora, mas para já essa ideia assusta.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Gramas de Instantes: um trocadilho manhoso que conta a história de uns dias passados a passear #3

and now, the continuation...

 Diz que na Holanda é tudo plano... pois os 463 degraus que separam a base desta torre do sino dizem-me o contrário!

 É um sino jeitoso sim senhor!

O quê? Que blush é que eu uso? É o Utrecht-menos-3-graus-Celsius aplicado no cimo da torre acompanhado com o um toque de Agora-desce-os-463-degraus-que-subiste (grávida de 7 meses!)

Agora que já aquecemos víamos era um cineminha, não era? 

 The Croods em 3D para animar o serão! E depois...

...Dizer adeus aos cházinhos e cafézinhos e voltar à realidade!

The end!

Cast
Elas e a Mana/Tia


 E ele! Tirou as fotos... e aturou-nos durante 5 dias.

Gramas de Instantes: um trocadilho manhoso que conta a história de uns dias passados a passear #2

and now, the continuation...

E se fossemos apanhar frio para outro lado?!

Vamos a isso!

Olha lá, não estás cansada? Não queres dormir um bocadinho?...

Qual quê! Estou aqui acordadíssima! Nem pinga de sono! 

...vou só descansar os olhinhos...

 ...eu também!

Oi?! Ãnh? Que horas são? Já chegámos?


to be continued...

terça-feira, 26 de março de 2013

Gramas de Instantes: um trocadilho manhoso que conta a história de uns dias passados a passear #1

Ora então, o que é vamos ver na terra das socas?... 

 'Xâcábêr...

 Diz que há muitas biclas... o que não diz é que o risco de sermos atropelados por uma é muito alto! Parece que estamos a andar na Índia! Safe-se quem puder e por onde puder!

 Há exposições giras...

 ...flores a dar c'um pau...

 ...queijinho do baom!

 ...queimados da cabeça...

e passeios de barco pelos canais com audioguias que nos brindam com piadolas secas a cada dois minutos!

to be continued...

E quando parecia que não faltava ninguém fazer posts com Instangrams...


...eis que surjo eu! Cheia de preguiça de passar as fotos da máquina para o computador e de escolher as melhores, rendo-me ao telefone como via rápida para os dias que passaram. Ou, resumidamente e como se diz na minha terra: "eu cá nã sô menes q'ninguém!"

Segue dentro de momentos "Gramas de Instantes: um trocadilho manhoso que conta a história de uns dias passados a passear".

segunda-feira, 25 de março de 2013

domingo, 24 de março de 2013

'Tá frio pra burro... mas de resto está-se bem!

Amesterdão-Utreque-Roterdão-Delft... É por estes lados que temos andado a apanhar frio e a lavar a vistinha com as paisagens novas e o tanto que choramos com o vento cortante tocado a neve (!!). Pelava-me agora pelo "frio polar" que esteve em Portugal há uns meses! Mas nada de queixinhas porque passear é bom e pronto!







segunda-feira, 18 de março de 2013

quarta-feira, 13 de março de 2013

Tenho uma batata no braço

Austin Hopkinson Factory Children's Party at Penygroes


Hoje houve consulta e teste de tolerância à glicose. Tinham pintado o diabo do desgraçado do teste. Quer dizer, não do teste mas do "xarope" que se tem de beber. Pois para mim, o xarope foi a parte boa da coisa e não estou a ser irónica. Cheguei às 7h00 à maternidade já esfalfada de fome crente que num instante estava de volta do meu leitinho com cereais. Pois sim... a porta só abre às 7h30. Espera-se e mal dá para passar a fresta da porta já estou com a mão na senha. "Primeiras! Isto está no papo! Ainda vou a tempo de dar uma vista de olhos às lojas antes do almoço." O atendimento na secretaria só começa às 8h00... ou começava, não fosse a grade que separa as senhoras das gestantes ter avariado. Às 8h30 já estou no corredor à caça de uma Senhora Enfermeira. Agarro-me à primeira que vejo e com olhinhos de bambi digo: "Tenho um teste de glicémia para fazer e estou em jejum...". Ela percebe a gravidade da situação: "Não se preocupe e dê-me 10 minutos que já tratamos disso!". Certinho como o destino. 10 minutos depois já me estão a medir a tensão e a pesar (btw, perdi um quilo*, o que quer dizer que desde o início da gravidez, que já conta com 27 semanas, já tenho 5kg no lombo!). Depois a má notícia: "a doutora esqueceu-se de pedir as suas análises... vai ter de esperar até que ela chegue... lá para as 10h00". Fiquei cega! É suposto eu aguentar até às 10h sem comer?!? Diz que sim... Até diz mais, diz que tenho de aguentar até ao meio dia. Respira fundo e faz nova espera no corredor. A determinada altura confesso que "descompensei" um bocadito. Só pensava na miúda e como ela devia estar a trepar paredes cheia de fome e se calhar estava a fazer-lhe mal e já não ia crescer, e já estava a ver a barriga a mirrar à frente dos meus olhos... Até que vejo a sombra da médica e digo-lhe de rajada: "Tenho de fazer o teste da glicémia e tenho muita fome!". Em menos de nada escreveu o que tinha de escrever no computador e dei uma corrida até à enfermeira. "Então agora temos de tirar o sangue". Tudo bem! Espeta, espreme, abre mão, fecha mão, espeta mais um bocado... e a dor começa a moer. Mais uma má notícia: "olhe que isto não está famoso... não consigo tirar o sangue suficiente... deve estar mesmo com fome...". Tira a agulha e sinto que tiraram um tronco de uma árvore de dentro do braço e oiço: "agora vem a parte chata, vai ter de beber esta solução e faça por não sentir o sabor porque não é lá grande coisa.". Mal meto o copo à boca e senti o sabor de qualquer coisa já não consegui parar! Soube-me pela vida! Fiquei logo com outro ânimo e outra disposição... e uma valente dor no braço! Passada uma hora nova pica no outro braço e depois de mais outra hora mais um furinho para a colecção. Quando arregaço a manga do primeiro braço tenho uma bola de ping-pong a saltar-me da droba do braço e uma dor pouco simpática! A enfermeira lá me diz que é melhor não insistir naquele e que ponha gelo quando chegar a casa. É que nem quando dou sangue fico com aquela dor... Verdade seja dita, não fosse o copo de suminho e tinha-me dado uma coisa má!

segunda-feira, 11 de março de 2013

Estratégias educativas

All American Girls Professional Baseball League members performing calisthenics: Opa-locka, Florida

Photo @ Flickr

Ainda nos falta muita coisa - colchão para o berço, creme para as assaduras, tocador, bonecada, carrinho e mais um par de botas - mas já temos um plano educativo aprovado por maioria (a nossa garota não votou). Quando no final da reportagem das miúdas que iam ver o Beiber eu disse ao meu homem: "Ouve lá, e se a nossa miúda daqui a uns 13-15 anos se ensaia a fazer figuras destas... o que é fazemos?". Resposta: "Primeiro não faz! Depois se fizer apanha com um "Crazy Diamond" e fica logo boa!". Parecendo que não, tanto a primeira parte da resposta quanto a segunda fazem muito sentido!

Amanhã tenho o Eduardo Sá a bater-me à porta a ameaçar tirar-nos a cachopa!

Segunda-feira #178

sexta-feira, 8 de março de 2013

Alguém me dê um estalo!



Estamos em fase de preparar a casa para a vinda da cachopa e numa das nossas idas ao Ikea encontramos um sofá com €200 de desconto (!! e não, não era nas "oportunidades" [de levar uma coisa suja e estragada]) que era aquilo que queríamos e que precisávamos. Fiquei contente da vida... até que me lembrei que nos teríamos de desfazer dos sofás velhinhos. É que aqueles que estávamos a usar apesar de serem desconfortáveis, de terem um cor feia e de estarem a precisar de ser estofados, eram os sofás em que eu e a minha irmã crescemos. Tivemos a sorte de crescer num sótão que estava por nossa conta (e por conta dos milhões de vasos de plantinhas pequeninas de papai) e aqueles sofás eram o "tapete" onde imitávamos a Nadia Comaneci em cambalhotas, rodas, mortais encarpados à retaguarda e tudo mais que o nosso corpo e os desgraçados dos sofás aguentassem. Era ali que víamos televisão com a cabeça ao contrário e onde dormíamos valentes sestas (essa parte não mudou... todas as noites o primeiro sono é feito no sofá). Mas a verdade é que os tipos têm quase 40 anos... e sempre que nos sentamos neles batemos ou com o rabo no chão ou na estrutura de madeira. Apesar de saber isto tudo, fico com o coração apertadinho por saber que nos temos de desfazer deles. A verdade é que para voltarem a ter serventia temos de gastar um bom dinheiro (tanto quanto o de um sofá novo) e levá-los de volta para a garagem de onde vieram (em Coimbra) é estar a adiar o fim que se adivinha, acrescido do dinheiro do transporte. Já contactei instituições para os irem buscar, mas a coisa é mais complicada do que eu imaginava e a alternativa não me satisfaz porque não me agrada a ideia de os deixar uma noite ao relento para os senhores da Câmara os irem buscar... além do mais está a chover e parece-me pouco digno deixá-los à chuva depois do tanto que viveram connosco. 
Agora é a parte que eu paro para me lembrar que estou a falar de sofás... ainda assim, tudo o que escrevi continua a fazer sentido e o sentimento de culpa não me abandona... Será das hormonas?

quinta-feira, 7 de março de 2013

quarta-feira, 6 de março de 2013

Quintarola das celebrities

Richard M. Nixon and Elvis Presley at the White House


Uma pessoa sai de casa para ir comprar um berço e encontra quem: a Rita Salema, a Filomena Cautela e a Fiona. Para quem quiser ver ao vivo uma novela da TVI, basta dar um pulinho ao ikea!

Let the count down begin!

[Old Zÿds, the Kolk (canal), Amsterdam, Holland] (LOC)

 Duas semaninhas e ala moço!

segunda-feira, 4 de março de 2013

Quer-me parecer...


... que "peguei" as riscas à minha filha... Que eu andava a padecer deste mal, já sabia, mas agora, pelos vistos, a coisa alastrou à cachopa! Tenho de ver se vou ao médico.

Segunda-feira #177

sábado, 2 de março de 2013

É que gastam o nome à terra


Não vou para a rua por causa da cachopa apesar de sentir que devia ir, essencialmente, por ela. Sou mariquinhas, bem sei, mas é neste momento o meu bem mais precioso e não a quero colocar em risco. Vejo as notícias para perceber o que se está e vai passar e o que me entristece é perceber que, pelo menos, para os jornalistas o que realmente importa é quem, quando e onde se vai cantar o "Grândola Vila Morena". Quer-me parecer que há qualquer coisa mais nesta manifestação para além de um mega casting para os Ídolos, ou da procura de bater mais um record do Guiness...