quinta-feira, 29 de maio de 2014

Pois...

A ideia do desafio era obrigar-me a vir ao blogue blogar e coise... mas vai-se a ver e o sono, cansaço e a miúda levam a melhor de mim... Tem que ser de empreitada: quando tenho um bocadinho de tempo, energia e inspiração venho até aqui. Quando não tenho... paciência!

quinta-feira, 22 de maio de 2014

22/31. As minhas 10 canções favoritas

Ui que isto é tão complicado...

1. El día que me quieras (interpretado por Compay Segundo)
2. Last Goodbey (Jeff Buckley)
3. Harrowdown hill (Thom Yorke)
4. Part I - The Koln Concert (Keith Jarret)
5. Into my arms (Nick Cave)
6. Brilhozinho nos olhos (Sérgio Godinho)
7. Cuccuruccu (interpretado por Caetano Veloso)
8. A Case of you (interpretado por Cristina Branco)
9. Bok Espok (Kepa Junkera)
10. Menina (Márcia & Samuel Úria)

(sem nenhuma ordem particular e em alguns casos a matar vários coelhos de uma cajadada... salvo seja que isso de matar animais é feio...)

21/31. Do que sinto falta


Em representação de todos os meus que já cá não estão...

terça-feira, 20 de maio de 2014

20/31. Onde é que eu quero estar em 10 anos

Ora aí está uma bela pergunta... Surprise me!

19/31. O meu pior hábito


Perder as horas que tenho livres a vegetar a ver televisão.

18/31. De que é que eu tenho medo



e derivados...

17/31. O meu livro de infância favorito


Gostava muito de dizer que desde os 6 anos que leio furiosamente todos os clássicos russos mas não! Lia com dificuldade porque se calhar tenho um bocadinho de dislexia e/ou porque a professora da 3ª e 4ª classe deu ao todo umas 5 alunas. Só perto dos 12, 13 anos é que comecei a ler com alguma regularidade e só aos 18 é que comecei a ler de uma forma mais compulsiva. Como segunda filha era suposto ler os livros que a minha irmã tinha lido mas por algum motivo os livros que ela devorava num dia levavam-me meses a debulhar. Foi quando alguém me ofereceu um dos livros do "Clube das chaves" que percebi que ler até era fixe.

16/31. Emprego de sonho

Ora bem... eu gosto de viajar, se pudesse viver disso não era mau!

 
Verdepassagem - Amesterdão from Guilhim on Vimeo.

15/31. O plano de um dia




14/31. O que está na minha carteira





O suficiente para o alarme do cinto de segurança do lugar do pendura ser activado sempre que lá pouso a carteira.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

May the 4th be with us #2

A mana no relax... antes de alguém ter dado cabo da cama de rede (que não cheguei a experimentar) 

 A minha cara de felicidade perante as "pequenas" criaturas campestres

 A tropa fandanga (Mix incluído). Reparar na opção do artista em incluir o dedo no canto direito da foto

O par mais bonito do mundo! 

Que bem se estava na praia!

Dia das aniversariantes + Dia das mães + Dia da corrida em imagens

terça-feira, 13 de maio de 2014

13/31. Citação favorita


Qualquer música do Tom Jobim ou do Vinícius está cheia de frases maravilhosas que dão motes de vida verdadeiramente inspiradores mas vou pela citação com que abri a minha tese de mestrado:

Emancipate yourself from mental slavery, none but ourselves can free our minds.
(Bob Marley)

Particularidades de uma bebé normal









Queria muito dizer que a nossa Gordinhas é um assombro da natureza de esperta, de grande, de bonita e de carinhosa. Mas quer-me parecer que haverá bebés mais espertos, maiores, mais bonitos e (de certeza) mais meiguinhos. Aos nossos olhos ela é simplesmente perfeita e escusado será dizer que, aos nossos olhos, não há outro ser tão perfeito. Este intróito para dizer que ao contrário de muitos bebés (blogosféricos e sem o ser) ela, aos 11 meses, ainda não percebe o interesse dos livros. Eu esforço-me! Sento-me com ela abro os livros que já tem e ponho-me a contar a história. Leio o texto, invento o texto, marimbo-me para o texto e invento uma história, marimbo-me para tudo e aponto para os bonecos e digo o que são, que cores têm, onde estão... e nada! Nada demove o pequeno demónio da tansmânia por mim parido de rasgar as folhas, comer as capas, bater com os livros no chão! Gostava muito de ver qual a magia das outras mães para sentarem os petizes com um livro aberto à frente durante mais do que 3,3 segundos (o tempo que a garota fica quieta) porque eu não consigo! Dei por mim a ver os livros a ganhar pó na prateleira porque também não gosto da ideia de ela estragar já todo o seu património bibliográfico... a vida não está para brincadeiras. A determinada altura pensei "Oh c'um caramba! Bonito serviço... só tenho a garota há 11 meses e já a estraguei! É a única filha de pais minimamente instruídos que não vai ler fluentemente aos 4 anos e que aos 10 não vai a fazer uma resenha do Guerra e Paz... Logo tinha de sair à mãe que só se interessou por ler lá para os 18 anos... Mais vale começar já a poupar para pagar uma universidade privada... o que vale é que é gira e pode ser que se safe"... Ia eu nestes meus pensamentos e a preparar a xibata para me flagelar por tão grave falha quando encontrei estes livros para bebés! Não têm histórias, têm desenhos mas o que é verdadeiramente fantástico é que são INDESTRUTÍVEIS e completamente inofensivos para os bebés (não cortam, não ferem)! E puf fez-se o chocapic! A miúda brinca com eles, "folheia-os", lambe-os, morde-os e, de vez em quando, consigo que ela pare e nesses breves segundos conto qualquer coisa parecido a um bocadinho de uma história. Para o caso de não ser a única a ter uma cria pouco dada a livros, aqui fica a dica.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

12/31. Se ganhasse a lotaria


Ora, a lotaria dá para pouco, por isso vou antes pensar no Euromilhões. Por ordem:
- Comprava uma casinha;
- Trocava o carro velho por um novo e eléctrico;
- Distribuía pela família o que fosse necessário;
- Comprava todas as casas abandonadas da aldeia do meu pai e recuperava-as;
- Comprava as casas tradicionais da vila da minha mãe e recuperava-as;
- Doava a associações de protecção de animais uma boa maquia;
- Ia viajar sem planos;

E é isto!

11/31. O momento de que mais me orgulho

O meu primeiro instinto seria dizer que não há nada de que me orgulhe verdadeiramente mas como quero abandonar esta atitude de que não faço nada de jeito faço um esforço e chego à conclusão há três momentos de que me orgulho (por ordem cronológica):

- ter marcado dois golos num jogo de pólo aquático;
- ter salvado um miúdo de se afogar;
- ter terminado o doutoramento;

Explicar os motivos do orgulho cai na categoria da caguinchice a que sou pouco dada, por isso ficamos por aqui.

sábado, 10 de maio de 2014

10/31. A primeira paixoneta por alguém famoso

Muito possivelmente...


9/31. Piercings e tatuagens

 Meia dúzia de brincos na orelha direita

 Brinquinho na narina esquerda

E coisa com significado mas a precisar de ser retocada (há 13 anos) na perna esquerda

Sim. As duas coisas.

8/31. Uma foto antiga de mim


Foto tirada pela minha amiga Diana, durante uma visita de estudo (já não sei onde) talvez em 1996.

7/31. 10 comidas favoritas

Difícil vai ser parar a seguir ao 10!

1. Pão e broa
2. Chocolate
3. Raia de todas as maneiras
4. Fruta (toda)
5. Espinafres, bróculos e ervilhas (em verde)
6. Queijos
7. Enchidos
8. Massa folhada (com doce ou salgados)
9. Azeitonas temperadas
10. Salada de polvo

(fácil de perceber que tenho gostos requintados)

6/31. 3 Traços de personalidade de que me orgulho

Oh pá... ando numa fase em que a auto-estima não abunda por isso, assim de repente não é fácil encontrar nada de muito espetacular, mas vamos lá...

1. Sentido de humor (especialmente no que respeita à minha pessoa);
2. Acho que sou perspicaz e por isso consigo mais algum tempo para desenvolver um plano de desesrascanso;
3. Sou grata (o que me faz lembrar que devo ser humilde);

5/31. O meu guilty pleasure

Ui tantos... Comer torradas cheias de manteiga (só acrescentam colesterol à vida); baladas brasileiras cheias de amor; comédias românticas; TLC... chega?! Já dei cabo da minha imagem?

4/31. A memória de infância mais antiga

Sei lá... Fazer dos sofás que estavam no sótão da nossa primeira casa instrumentos de ginástica para fazer o pino, dar cambalhotas... e por aí fora.

3/31. O significado do nome do meu negócio

Para os americanos o pessoal se tem um blog tem um negócio! Pois, aqui o estaminé é a coisa menos "negocial" que existe! Aliás, as três pessoas que por aqui passam fazem-no, de certeza, porque estão a pagar promessa e por isso se quisesse rentabilizar a coisa, não ia longe. O nome do blogue veio de uma forma simples: o verde água é a minha cor preferida e a água o meu elemento preferido. Como já havia um blogue chamado "verde água" resolvi fazer o trocadilho do verDe água. Não querendo entrar em paneleirices transcendentais e fofinhas*, é assim que quero ir vendo o que está à minha volta!

*21 facto sobre mim: tenho a sensibilidade de um calhau

2/31. 20 factos sobre mim

Não sei se haverá assim tantos factos sobre mim... mas vamos a isto!

1. Sou preguiçosa
2. Tenho o pior sentido de orientação de que há registo
3. Consigo por as duas pernas atrás do pescoço
4. Não sei se sou Touro ou Gémeos
5. Adorava viver nos Açores
6. Adorei estar grávida e detestei parir
7. Aprendi a distinguir a direita da esquerda pelos dentes
8. Queria muito visitar a Austrália e ver um wombat
9. Quando gosto de uma música ouço-a ad nauseaum
10. Já desenterrei muitos mortos (literalmente)
11. "Papo" tudo quanto seja reality show manhoso (mas manhoso mesmo... TLC-manhoso)
12. Fico intimidada quando entro numa loja ou lugar da moda
13. Tenho medo/nojo de borboletas e outros insectos quitinosos
14. Tenho poucos amigos (mas bons)
15. Em miúda descolava com frequência as unhas do dedo grande do pé
16. Adoro cadernos e todo e qualquer artigo de papelaria
17. Quando entro numa discoteca (o que não acontece desde 1825) penso sempre que aquela porcaria pode arder e tenho de saber onde fica a saída
18. Só depois da nossa casa ter sido assaltada deixei de ter medo de ficar e dormir sozinha
19. Se trincar uma espinha ou um osso acabo a refeição e não consigo evitar o gag reflex
20. Sou capaz de comer 200g de chocolate (Milka de preferência) sem grande esforço

1/31. Introdução

Não percebo bem a intenção de uma "introdução" no desafio, mas aproveito para avisar que sendo uma pessoa completamente banal, muito pouco interessante... e é possível que isto seja uma seca... mas agora é tarde.

Será que "introduzi" o suficiente?...

Vai um desafio?


Andava a passear no pinterest e encontrei este desafio (creio que no mural da Analog Girl) que me parece engraçado e resolvi ver se me aguentava à bomboca! Alguém alinha?

Agora é só actualizar a coisa!

sexta-feira, 9 de maio de 2014

May the 4th be with us!

 Antes da corrida

 Durante a corrida

 Depois da corrida

Maio é um mês cheio aqui por "casa" (entenda-se casa como família) mas este ano acrescentámos mais uma celebração: a minha maternidade. Então vamos lá fazer a revisão do que havia para comemorar no dia 4 de Maio: o aniversário da minha mãe, o aniversário da minha irmã, o dia da mãe da minha mãe e o meu dia da mãe. Para além disto havia ainda uma corrida que queríamos fazer - a primeira Wings for life world run* - num lugar que gostávamos de visitar - a Comporta. Eu e a minha irmã (que quase me dá a sensação que tem vindo a dispensar o aniversário dela) montámos a operação surpresa. Digo à minha mãe que preciso da ajuda dela durante o final da semana e fim de semana. A minha irmã marca viagem para estar cá dia 2 sem que Mãe Fatinha soubesse de nada e marcámos casa em Brejos da Carregueira de Cima (a uma dúzia de quilómetros da Comporta). Na sexta-feira quase à meia noite (depois de horas à espera do avião da mana que se tinha atrasado) lá chegamos as duas para espanto da minha mãe que segundos depois fica a saber dos planos de sair no sábado pela fresca para irmos para o Alentejo correr e alapar o rabo ao sol. Levou um bocadinho a perceber tudo mas pouco depois já tudo fazia sentido.

Lá vamos os 4 adultos, mais a pirralha e o cão (Mix). No sábado aproveitamos o calor, a casinha e a praia entremeados pelos meu gritos histéricos cada vez que sou abordada por um besouro ou escaravelho daqueles que falam, fumam cigarros e têm barba de tão grandes que são (abençoado ar do campo...). Dia seguinte, o tal dia de aniversário e da mãe, com alguns 50 graus à sombra, lá fomos nós correr. Mas as surpresas ainda não tinham acabado e desta vez eu não sabia de nada! O homem cá da casa arranjou um chef vegan para nos fazer o jantar em casa. Volta a pôr crescidos, garota e cão dentro do carro e rumar a norte! Já era dia 5 quando nos fomos deitar com a alma cheia de tanta coisa boa! Acho que o meu coraçãozito não aguenta tanta emoção! Para primeiro dia da mãe não está mal!

* não foi a melhor corrida de sempre no que respeita à organização e ficámos quase em último mas valeu pela experiência, pela companhia e pela causa!