segunda-feira, 25 de maio de 2015

Ontem foi dia de passeio








A Quinta do Arneiro promoveu um dia aberto e foi o plano ideal de domingo. A coisa está apertada de trabalho por isso, mai logo, o relato e agora os únicos momentos em que não andava de rabo para o ar e a gritar "Sardanisca, NÃO!!", "Cuidado", "Não ponhas terra/relva/chaves/paus na boca"...

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Sugestão para todos os dias!



Aqui há uns dias a Ana, autora  do M I L K, deixou como sugestão de blogue aqui este meu cantinho! Fiquei radiante porque o M I L K tem tudo o que eu gosto num blogue e, para mim, é uma referência de bom gosto: layout e fotografias fantásticas (sim... porque o meu primeiro critério para seguir um blogue passa por gostar do que vejo e só depois do que leio... sim, sou um bocado superficial), uma perspectiva verdadeiramente pessoal, não se fica com a pulga atrás da orelha sobre o grau de encomenda daquilo que é escrito (que é coisa que me irrita quando acontece), tem um sentido de humor refinado e, daquilo que gosto mesmo, as sugestões de domingo! É garantido que há alguma coisa que me vai encher as medidas! Tendo dito isto... depois de ver que tinha sido "recomendada" fiquei atrapalhada... Já tinha decidido que em breve iria deixar aqui a sugestão de visita ao M I L K mas, como sou uma procrastinadora nata, ainda não o tinha feito... E agora como é que eu digo às três pessoas que por aqui passam que se ainda não conhecem o M I L K estão a perder um dos melhores cantinhos desta internet sem parecer puxa-saquismo?!... Pois, ainda não sei como fazer isso... quando descobrir aviso.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Resposta ao post anterior:



Tal como a Raquel disse e bem, nascemos todos a 21 de Maio, que é como quem diz, fazemos hoje anos! 34 já cá cantam!

O que é que estas pessoas têm em comum?

Filipe II de Espanha
Henri Rousseau
 Maestro Vitorino de Almeida
Eu
Para além do charme transbordante, sex appeal e penugem facial?

(A resposta vem logo à noite)

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Reflexões sem nexo em semana de TPM... não se aproveita grande coisa


Sinto-me um interruptor. Daqueles antigos que têm uma pataleta que anda para cima e para baixo entre extremos... Ou então aquele mantra do Karate Kid: "wax on, wax off". Não sei se é só a minha vida que é assim mas desconfio que não. Como vivemos nesta constante corda bamba não dá para fazer como antigamente e ter os ovos só num cesto, apostar só num cavalo e qualquer outra metáfora faunística que nos remeta para esta coisa de ter de jogar em muitas frentes para garantir que, se calhar lá à frente, no futuro, vamos ter alguma coisa remotamente parecida com a tal estabilidade. A malta tem um emprego, o que é uma sorte, mas o emprego é precário. Um ano? Dois? Três?... Sabe que está a prazo e/ou sabe que há uma fila de gente à espera que se meta a pata na poça para saltar para o cantinho que tanto trabalho nos deu a construir. Por isso, não só investe tudo o que consegue para garantir que prolonga a precariedade o máximo que pode como, ao mesmo tempo, procura e vai explorando novos caminhos... por sua conta e risco, com a certeza que a curto prazo não tira nada de lá e, com a esperança, de que no futuro aquilo possa dar em alguma coisa. No meio deste exercício lá anda com o pingarelho do interruptor para cima e para baixo, para um lado e para o outro: trabalho A; possível trabalho B; explorar caminho C... Se tudo correr bem, não se engana e vai no modo A para o destino A mas às tantas, quando se faz isto durante algum tempo, acontece o inevitável e lá se dá o curto-circuito e vem a vontade de dizer: "meus senhores, foi muito divertido, mas agora se não se importam vou ali fechar-me numa gruta durante cinco anos e já venho". Não acho que esteja tudo mal neste cenário porque, em última análise, obriga-nos a sermos os melhores que conseguimos ser, o que só pode ser bom, melhor ainda era se o mérito fosse reconhecido, porque para quem não tem vocação para correr no mesmo lugar, estas coisas amolentam. Mas pior que isto tudo é saber que, sendo este um "mal" da nossa geração (tirando aqueles que nasceram com o sim-senhor virado para a lua, os que têm bons padrinhos e os que somam a uma ou a estas duas variáveis o gosto por não ter de fazer grande coisa para provar o que valem) no lar de idosos para onde irei viver os meus últimos dias, vou ter de partilhar a algália com um monte de gente esquizofrénica ou bipolar fruto destes malabarismos pessoais e profissionais.
Agora vou ali apanhar sol para ver se a neura passa.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Virtutibus maiorum ut sit omnibus documento





Sempre disse que não gostava de Lisboa. Que era muita confusão, que as pessoas tinham mau feitio, que há muita pinderiquice... mas volta e meia dou por mim a pensar "isto não é assim tão mau"... Normalmente alguma coisa acontece - ficar presa no trânsito, ficar a segurar portas sem ninguém agradecer ou assumir a função, ouvir um "realizei" ou "teni"... - que me faz ver que estava certa e que não gosto disto... mas o outro dia tive que subir ao Arco da Rua Augusta e durante uns 5-7 minutos achei piada à cidade. Há ali qualquer coisa que dá uma sensação de tranquilidade e de espaço suficiente para respirar fundo... ou isso ou por estar mais elevada e o ar ser mais rarefeito possa ter tido um momento de alucinação. Seja como for, por €2,5 vale a pena ver a capital do Império lá do alto!

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Alguém tem o número do professor Karamba?


Devo precisar ir à bruxa ou raio. Depois da amigdalite veio a conjuntivite. Depois da conjuntivite veio um torcicolo daqueles que nos faz mexer em bloco. Passei esta última semana e o fim de semana a parecer o Quasimodo: um "olho cagado" (é como se diz na minha terra um olho mais fechado que o outro), os dois avermelhados, movimentos limitados e com a boca a parecer que passei a semana a tentar escalar o Kilimanjaro (efeitos secundários da febre: cieiro). Valham-me os dois quilos que não faziam falta nenhuma e foram à vida deles. O menos mau: a miúda está impecável e o meu partener está a fazer pendant comigo (ranhoso, magrinho e empenado)... Se alguém souber de alguma macumba eficaz para afastar estas bad vibes, por favor, partilhe!

sábado, 16 de maio de 2015

Temos espiga!



Na quinta-feira foi o Dia da Espiga. Não era prática celebrar o dia em casa dos meus pais (talvez por não haver muitas searas em Coimbra...) mas, há coisa de dois anos comecei a achar piada ao simbolismo da coisa e este ano peguei na miúda, numa tesoura e fomos apanhar os ramos para a nossa espiga. Não encontrámos tudo o que precisávamos para ter uma espiga como manda o figurino mas fizemos a nossa versão e já está pendurada atrás da porta. Para o ano há mais!

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Round 1: Falta de talento 1 - Boas intenções 0





Aparentemente hoje é o Food Revolution Day promovido pelo Jamie Oliver. E como é que eu sei disto? Porque ontem o Homem chegou e anunciou que tinha de levar qualquer coisa de casa para partilhar à hora do almoço, precisamente porque era o RFD. Tinha ainda umas beterrabas e cenouras da Quinta do Arneiro que tinha mesmo de usar e apetecia-me fazer alguma coisa doce... Fui à procura de uma receita e encontrei uma do próprio JO. Não é tarde nem é cedo é mesmo isto! Escusado será dizer que não segui a receita à risca... e que me faltavam três ou quatro ingredientes... e que acrescentei outros que não estavam no guião... Suponho que talvez por isso a coisa não tenha corrido na perfeição... Quer dizer... não foi com grande sacrifício que comi duas fatias (tinha que experimentar antes de deixar o Homem sair de casa não fosse ser despedido por tentativa de envenenamento) e com a cobertura de creme de queijo e limão até comia a terceira... ainda assim... acho que há ajustes que têm que ser feitos. Para a semana já sei que tenho de encomendar mais beterrabas!

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Listen carefully. I shall say this only once:



A partir de hoje incorrerei diariamente na prática de desobediência. Sempre achei que não tinha tomates para o incumprimento mas a este respeito não tenho grandes dúvidas: não vou usar o novo acordo ortográfico. Vou usar todos os "p" e "c" a que tenho direito por muito que os pobres não se façam ouvir. São uma marca do meu tempo. Quero que os meus netos leiam o que eu escrevi e que achem a mesma piada que eu achava aos postais antigos dos meus avós com "h" e "z" onde eu não imaginava que pudessem existir. Existirão mil razões válidas para o novo acordo. Já ouvi algumas e não me parecem desprovidas de sentido, ainda assim, esta é uma mudança que não estou disposta a abraçar. Por isso, prevaricadores gramaticais, sintam-se à vontade para vir até aqui escrever as letras que vos fizerem falta.

terça-feira, 12 de maio de 2015

Diálogos que são metáforas para o que me espera pela vida fora...



Sardanisca - MIUAU!! Cá-cá miau!
Eu - É um gato, pois é. Anda cá à Sardanisca gato [não venhas, não venhas!!! foge pela tua vida!!]
Olha filha, diz gato.
Sardanisca - Miau.
Eu - Não. Ga-to.
Sardanisca - Miau!
Eu - Diz com a mamã: Ga...
Sardanisca - Ga.
Eu - To...
Sardanisca - To.
Eu - Ga-to.
Sardanisca - MIAU!

Nesta altura está a minha mãe a dar um abracinho emocionado ao Karma.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Depois dos palavrões, um post que usa a expressão "rêgo do rabo". Isto está bonito...

Credits

Ver as notícias ensina-nos muitas coisa - política, desporto, português duvidoso (dependendo do canal) - a mim ensinaram-me que estou a usar mal o meu biquini (sim... já temos aqui um cheirinho a silly season: as temperaturas subiram três graus. Aí está um bom motivo de notícia). Bem sei que nos últimos dois anos a minha frequência de praia ficou muito aquém do que eu gostaria ou precisava e talvez, por ter de garantir que a miúda não comia metade da areia da praia, não tenha prestado a atenção devida aos modelitos à minha volta. Mas então o que estou eu a fazer de errado? É simples enquanto que os meus biquinis tapam as nádegas (dependendo do grau de elastano já que a superfície a cobrir não é pequena) os biquinis que agora se veem tapam uma tira, melhor dizendo, uma espécie de triângulo alongado, da base das costas e o interior do rego do rabo. Não tenho nada contra o fio dental e muito menos contra a exposição de nádegas!! O que me está a atormentar o espírito é o porquê de tapar a base das costas?! O que é que há de tão escandaloso acima da região do sacro? Já estive a espreitar e, no meu caso, para além das estrias (que sim, merecem ser tapadas) não vejo por lá mais nada que seja ofensivo... Eu, a bem da saúde mental daqueles que passarem por mim (e da minha também), vou continuar a manter as minhas carnes longe dos olhares alheios e juro que ainda vou desvendar este mistério!

sábado, 9 de maio de 2015

Este post é longo e contém palavrões... dos feios... daqueles que saem aos pares e trios...



É sexta-feira à noite. Pela primeira vez em três dias nenhum de nós tem febre sendo que fui eu que bati o record: 39,1º com brufene em cima. PAW! Ainda tenho a sensação que tive um elefante sentado na minha cabeça mas já dá para pensar com mais lucidez e nem por isso a semana me parece menos merdosa, aliás, foi de longe a prior semana do ano até agora!, e há coisas que continuam a não fazer sentido... 

Eu sei que este mundo está virado do avesso e que há cabrões capazes de fazer coisas inimagináveis mas, parece-me, que ainda não é a regra. Custa-me, de cada vez que vou ao médico com a minha filha, sentir que, dizer as coisas como se passaram não é suficiente para convencer os médicos (que, pelos vistos, acumulam com os superpoderes conferidos pela bata branca outros de natureza mais esotéria)! Eu faço o meu relato o mais pormenorizado que consigo e restringindo-me aos factos para não os desviar de um bom diagnóstico mas depois tenho de ouvir comentários mesquinhozinhos, constatações do óbvio e o raio que os parta: "não vê que a menina tem ranho no nariz?!" ah tem?! e eu a pensar que tinha aqui um caso raro de Manneken Pisness mas pelo nariz... afinal é só ranho... lá se vai a possibilidade de a pôr na varanda a embelezar o prédio!!; "tem a certeza que a menina não vomitou?! é muito estranho..." Caramba! E eu a querer jogar ao "adivinha-o-que-a-miúda-tem-sem-que-eu-te-diga-um-dos-sintomas" para tornar a coisa mais emocionante e porque gosto realmente de passar horas da minha vida num lugar cheio de doenças e merdas que se apanham só de se pensar no assunto e afinal o senhor doutor deu logo conta da minha costela rambóieira!; "não lhe podem ter dito isso nas urgências!" tem razão... confundi com o último episódio do Greys Anatomy... Já agora: posso pedir que a miúda seja vista pelo Karev?. Para mim já é difícil não ser sarcástica em condições normais (perguntem à santa da minha mãezinha que, se recebesse um euro por cada resposta torta que eu lhe dou, estava a viver no sul de frança e a sustentar um amante italiano de 25 anos) mas consigo gerir a coisa - a miúda, os trinta mil sacos e papéis que se tem de ter na mão, a chucha, a manta, o boneco, o livro e o despe e veste constante - em nome da criança que me deu um trabalhão a parir... agora... manter a educação com febre, dor de garganta, meia surda e ter de me fazer entender por meio de um aparelho (raio de ideia!) e com as amígdalas do tamanho de bolas de ténis, já é pedir um milagre... que efectivamente se deu! Não mandei ninguém à merda ou à puta que os pariu... Se bem, que quando me disseram que era preciso fazer novas análises, e espetar a miúda pela sexta vez, estive tentada... Ah! E explicações sobre o que está/vai acontecer?! Ui! isso demora muito tempo e o povo não pode, com certeza, compreender coisas que levaram 10 anos (uuuhhh) a aprender (valham-nos os amigos que percebem do assunto para nos tranquilizarem)!.. Mas se o caso for "engraçado" ainda temos que mostrar a meia dúzia de gaiatos-aprendizes-de-feiticieiros e ouvir entre eles um "ai que giro" (WTF?!?!?) mas nada de um "não se importa que eu mostre a estes colegas?!" e muito menos um "não preocupe que vai ficar tudo bem".

Tudo bem que o meu mal-estar é capaz de ter exacerbado a coisa... ir quatro vezes ao médico numa semana também não ajudou... Mas parece-me que não é suposto os médicos fazerem-nos sentir mal, independentemente da especialidade e muito menos em pediatria. Nos meus tempos de licenciatura havia uma cadeira que tínhamos com os tipos da Medicina e falavam do Edgar Morian - "Ciência com consciência" e o caralho - já se passaram uns 12-13 anos desde que acabei o curso... mas será que já não ensinam a ter paciência com os pais de primeira viagem (e já agora com os outros porque já percebi que os putos nos comem algum do discernimento)?! Há alturas em que não é o que dizem mas a forma como dizem! Um "a chucha está a deformar os dentes" soa a "oh sua negligente, não vês que estás a transformar a miúda num monstro? Continua assim que a segurança social vai-te buscar a garota" gritado por mil megafones para todo o mundo ouvir e te julgar culpada de todos os males que a garota possa vir a ter!

Isto já passa... foi uma semana mesmo muito merdosa daí este mau feitio todo! De resto, o que interessa é que está tudo bem!

terça-feira, 5 de maio de 2015

Afinal é dia 6... dia 6 é que é a cena...



Na sequência do post de ontem e porque hoje estamos as duas de molho: ela a recuperar do espeta, tenta tirar sangue. não dá. espeta outra vez. tenta tirar sangue não dá... repete tudo no outro braço e por fim põe cateter na mão. febre. tosse. terrores nocturnos; e eu com uma amigdalite (que já não tinha desde 1998) e com febre que é coisa que não sei ter... dá-me nervos.

Entretanto a contagem dos mails por responder está assustadoramente perto dos três dígitos. Cabeça para os responder foi momentaneamente substituída por um melão.

Amanhã faz sol, certo?

segunda-feira, 4 de maio de 2015

May the fourth be with us... que bem precisamos!


Hoje, no dia em que a minha mãe faz 37* e a minha irmã 18* anos, a Sardanisca, com praticamente dois anos (23 meses, para ser mais exacta) foi passar umas horas ao hospital e tomou pela primeira vez antibiótico...
Está a chover, está vento e frio. Tenho trabalho até às orelhas e, tendo em conta que a manhã foi passada como coração nas mãos, não antecipo uma tarde divertida.

Sempre gostei do quatro de Maio mas hoje estou desejosa pelo cinco... (que por sua vez já tem marcado uma ida à oficina para avaliar um toque que me deram no carro... não está fácil Maio... não está fácil...)

*mais década menos década...

sábado, 2 de maio de 2015

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Que isto já não vai lá só com uma de mão...



É raro usar base e até ter ficado com as marcas da gravidez não usava de todo. Mas lá está... o tempo não perdoa e, para além do melasma, a consequência de ter parido é evidente também na profundidade escuridão das olheiras. Vai daí, para garantir que não me tentam desfribrilhar o coração, uso base mas - atenção que isto é mesmo de gaja croma - como corrector de olheiras e, quando o caso é mesmo grave, uso no resto da cara. Sou uma nódoa, eu sei! Mas agora a base da Body Shop que tinha, há já um par de anos, acabou e vou ter de comprar outra... Sugestões? Uma base levezinha, com protector solar (?)... e já agora, corrector de olheiras, o que é que se recomenda?

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Ganha-se em saúde, perde-se em tinta


Deixar de fumar faz mal à saúde... da casa. Sim, foi a esta conclusão que cheguei... mas que isto não demova ninguém! Passo a explicar: aqui há tempos, o Homem cá de casa deixou de fumar cold turkey style... quer-me parecer que é o equivalente, na versão masculina, de dar à luz e só vos digo que me fez ficar ainda mais orgulhosa dele. No auge da ressaca, resolveu que era o momento ideal para fazer uma bricolagezinha cá por casa... Conclusão: ficámos sem um bocado de estuque na parede da cozinha. Tudo bem! Até podia ter vindo a parede toda abaixo que eu continuava a não me chatear com o assunto desde que ele não voltasse a pegar nos cigarros! Como rapaz responsável que é, foi comprar massa para resolver a situação e resolveu.... a situação da cozinha, do quarto da Sardanisca, da sala... Tudo quanto fosse buraquinho de prego, tinta a soltar-se ou sombra provocada pelo sol, levou com massa em cima o que resultou numa espécie de sarampo doméstico. O caso mais grave foi o da parede da "árvore de natal" que, à conta de tanta fita adesiva, já tinha a tinta a saltar. Vamos ter de pintar a parede... isso é certinho... mas entretanto vou estudando a melhor forma de fazer uma parede de molduras. Já fiz qualquer coisa do género na casa da Nazaré, mas ainda é um work in progress, mas aqui acho que dá para fazer melhor e sempre anima aquele cantinho e, assim com'ássim, já sei que posso sempre contar com o Homem para barrar a parede em massa em qualquer altura!

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Editores de imagem para nabas como eu






Tento, sempre que possível, usar as minhas imagens para ilustrar os posts que por aqui vou deixando e peço desculpa por isso... ninguém merece tanta foto desfocada, tanta cor deslavada ou queimada, tanta composição fraquinha! É verdade... Mas estou a tentar remediar a solução. Não se esperam milagres mas antes atenuar a dor lancinante que tenho provocado às três pessoas que por aqui passam. Então, depois de dominar a arte do design para social media (atentar a estes exemplares magníficos da comunicação que concilia o humor com a arte visual) por via do mui útil Canva, estou prestes a tornar-me uma espécie Sebastião Salgado do iPhone, e como? Ora, recorrendo ao bom e velho (?) Fotor! Há todo um mundo de ajustes, colagens e montagens para fazer! Bem sei que o photoshop é "a" cena mas o meu Air já está a rebentar pelas costuras (Tim Cook... já perdi a conta às vezes que tivemos esta conversa... quando quiseres... um iMac, um MacBook Pro... you name it!) e eu não tenho tempo para aprender a trabalhar com essa geringonça do inferno... fica para o Verão... por isso Fotor it is! Agora é só uma questão de manter baixas as expectativas e esperar para ver melhorias...

(o meu homem já me disse que a primeira foto está muito contrastada... mas daí a meter as mãozinhas à obra, 'tá quietó mau...)

terça-feira, 28 de abril de 2015

Quando for grande quero ter um blog/instagram/pinterest assim







Já devo seguir a "cadeia social" Beautiful Mess (blog, instagram, pinterest) há uns bons três anos e não deixo de me surpreender e de ficar roída com a qualidade das imagens, a originalidade das ideias e a pertinência das dicas! Como é que esta gente faz estas coisas tão bonitas, pá!! A sério!! E sim... o argumento, "não fazem mais nada" só é válido desde há pouco tempo, porque esta malta além de ter filhos em quantidades invejáveis, fazia outras coisas na vida (ou pelo menos é essa a ideia que eu tenho)... Bem, por aqui vou continuando a babar para cima destas páginas...