quinta-feira, 3 de setembro de 2015

R'ais partam as hormonas


Juro que não sou uma mãe lamechas... aliás, acho que sou pragmática e quase fria no que toca a tomar decisões sobre a cachopa. Sempre soube que a Sardanisca ia para o infantário cedo por vários motivos: 
- porque temos os dois de trabalhar para termos dinheiro suficiente; 
- porque não temos família por perto que possa estar com a miúda sem ser em emergências; 
- porque não acho que os avós devam ser sobrecarregados diariamente e o dia inteiro com as crianças (de vez em quando, durante as férias ainda vá... mais que isso parece-me que se perde um bocadinho da magia da relação avós e netos... os meus avós sempre foram uma espécie de parque de diversões porque não tinham de me aturar todos os dias e por isso tinham muito mais paciência e acho que isso é muito preciso);
- porque acho muito importante as crianças darem-se com outras crianças;
- porque começam logo cedo a aprender as regras da vida em sociedade;
- porque a estimulação que é feita é a adequada;
- porque adorei o meu infantário;
Podia continuar por aqui fora com mais motivos (que são os que são válidos para mim e acredito que não façam ponta de sentido para outras pessoas) e por isso, os primeiros dias de creche sempre foram mais ou menos pacíficos... Mais ou menos é capaz de ser um bocado de exagero... O primeiro dia de creche dela, tinha quase cinco meses, foi o que me fez fazer começar a correr... a verdade é que não saberia o que fazer durante aquelas duas horas de creche e precisava de alguma coisa que me ocupasse em todos os sentidos. Enquanto eu corria o meu homem ficou sentado a olhar para as fotografias do telemóvel e a desenvolver, mentalmente, todo um sistema de videovigilância que ele acha que os berçários tinham de ter e não fazia sentido não terem... O ano passado lembro-me de a ter deixado e ter corrido tudo bem... menos o ter ficado os dias seguintes com a certeza de que me tinha esquecido de alguma coisa importante e de ficar à porta da creche à espera que o portão abrisse e procurar o ar mais cool e descontraído do mundo quando a ia buscar... Hoje estou p'ráqui feita parva à beira das lágrimas... e não fui eu a levá-la!! Só me lembro de uma das minhas melhores amigas que teve uma bebé muito prematura e passou uns primeiros seis meses de inferno com a pequenita na incubadora. Não sei quem foi maior guerreira se a bebé (que lutou contra todas as probabilidades) se a mãe que durante todo esse tempo não disse um "ai" e aguentou-se à bronca sem se queixar, sem se ir abaixo. Quando aos dois anos da pequena a deixou no infantário, ligou-me em lágrimas... Posto isto... tenho que me fazer uma mulherzinha e pensar que daqui a nada já a tenho aqui a chamar "mãe" 5262346 vezes por minuto e a dar comigo em doida!!

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Fiz feng shui ao frigorífico... ou qualquer coisa do género







Aqui há tempos li este post do casal mistério e nesse mesmo instante decidi que quando chegasse a casa ia tratar de re-organizar o frigorífico. Aproveitei que ontem chegaram as verduras e as frutas da Quinta do Arneiro (que saudades!!) e meti mãos à obra! Confesso que foge um bocadinho à organização que tinha e que herdei da casa dos meus pais. Cumpri a maior parte das orientações menos as dos tomates (isto escrito assim é esquisito). De acordo com o artigo do Greatist os tomates não devem estar no frigorífico... pois... mas eu ainda não estou pronta para testar a teoria com os meus deliciosos tomates cherry. A porta do armário está desfalcada porque cá por casa não se compram sumos e molhos, só temos os básicos (nem sei se se pode chamar molho à mostarda e maionese...). Só muito de vez em quando é que compramos alguma coisa do género... Quando nos apetece beber alguma coisa diferente da água, temos sempre a cerveja ou uma limonada. Não é uma questão de fundamentalismo, mas a determinado momento dei conta que o meu homem não bebia água... bebia sumo, ponto final. Com a chegada da Sardanisca achámos que não fazia sentido por vários motivos: porque não é bom para a saúde, para a carteira mas, sobretudo, não tinha lata de dizer à miúda "não podes beber sumo a todas as refeições" quando quem dá o exemplo o faz. Agora é habituar-me ao lugar das coisas.

Next step: armário!

terça-feira, 1 de setembro de 2015

1


Começos, sejam lá eles do que forem, são sempre especiais para mim. Este dia 1 funciona para mim como uma espécie de fim de ano. Pena não haver uva-passa e espumante baratinho disponível que eu aproveitava os foguetes das festas de Paço de Arcos para comemorar os "fins" e "inícios". O tramado é que os sacanas parecem os namoros de uma gaja adolescente. Os "fins" não percebem que já passaram à vida, aproveitam aquele vacilo do "ai o que é que eu estou a fazer" e andam sempre a rondar... O "inícios" fazem-se difíceis... passam por nós, olham como quem quer tudo e não quer nada e a parva ali com os joelhinhos a tremer à espera que o gajo decida! O que interessa é saber que no final bate tudo certo! 'Bora lá a isto!

sábado, 29 de agosto de 2015

Diz que foram uma espécie de férias...


Acabam ontem os meus dias de férias e foram as férias mais estranhas que tive até hoje porque não foram nem deixaram de ser... Entre os dias que trabalhei, as noites que não dormi e o tempo que andei atrás do prejuízo da falta de descanso, pouco sobrou... É aquela pescadinha de rabo na boca: tenho coisas importantes que fazer; chego à noite e estou em stress porque tenho coisas importantes para fazer; não durmo; no dia a seguir trabalho a 30%; chego à noite e estou ainda em maior stress; durmo ainda menos... Estou em ponto de rebuçado e ao mesmo tempo ansiosa para voltar a casa e organizar os meus dias. Entretanto vou ver se arranjo o contacto de alguém que me dê a garantia de conseguir dar-me uma marretada na cabeça que me obrigue a dormir umas 12h mas sem me matar ou deixar danos neurológicos... tenho uma filha para criar. O cafuné costuma resultar... mas o meu homem já tem uma artrite na mão de tanto me mexer no cabelo e além do mais diz que prefere o divórcio a ser acordado às três da manhã tttttooooodddddaaaasssss as noites para me ajudar a adormecer... Vá se lá perceber os homens...

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

O impensável aconteceu...


Eu fazer um tutorial de algo relacionado com beleza é quase tão absurdo quando acreditar que o Benfica perdeu ontem a oportunidade de ficar à frente dos outros dois (e vai-se a ver até está atrás de quase todos...) mas aqui está a minha sugestão para quem pintou as unhas com verniz de brilhantes e não quer virar árvore de Natal durante os próximos 15 dias.




Nota 1: Há mil tutoriais destes por essa internet fora... não foi descoberta minha, mas queria testar se de facto resultava.

Nota 2: Peço desculpa pelas mãos serem extremamente feias.

sábado, 22 de agosto de 2015

Just do it!


Há quem corra para arrumar a cabeça... eu descobri que não consigo correr se a cabeça não estiver arrumada. Quer dizer, conseguir consigo, conseguimos sempre tudo... pode dar mais ou menos trabalho, pode ser mais ou menos desconfortável, pode custar mais ou custar menos, mas conseguimos. Comigo o que acontece, é que como não gosto de correr, porque não gosto de me cansar e de ter dores nas pernas, como muito provavelmente devo ter a técnica de corrida de uma ameba, se não estiver apenas concentrada em respirar e em pôr um pé à frente do outro, ao fim de dois quilómetros, estou no chão, de quatro e a arfar como se tivesse feito três maratonas seguidas. Normalmente quando vejo que a cabeça começa a querer fugir porque há coisas que não ficaram arrumadas antes de calçar as sapatilhas, aumento o volume da música e dá para seguir, mas às vezes isso não chega e começa o processo de negociação entre o anjinho - "vai, tu consegues, estás quase lá, só mais um esforço" - e o diabinho "não consegues nada... desiste e daqui a nada estás de banho tomado e a respirar normalmente". Não sei que tom usa o diabinho mas convence-me muitas vezes... Queria ter o a determinação e o poder de persuasão do diabinho mas não tenho (o que é estranho uma vez que ele vive na minha cabeça... este post está muito estranho...)... A estratégia passa por tentar vencê-lo por exaustão... vou tentando até que um dia ele se farte de me dizer que não consigo. Isto tudo para dizer que estou a adiar a corrida de ontem desde quinta-feira e ainda estou a dever 7k à casa... vamos lá ver se hoje o milagre se dá!

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Mais um problema da humanidade resolvido!




Sou capaz de ter resolvido um dos maiores problemas da humanidade: manutenção das unhas pintadas em tempo de praia! Não sei se é só comigo que acontece mas basta uma tarde de praia para chegar a casa com o verniz das mãos e dos pés todo lascado. A solução óbvia seria não usar verniz de todo... mas caramba, tenho 34 anos, aparelho nos dentes, barriga flácida, no boobs e os cabelos brancos iniciaram a guerra em força e eu não os consigo arrancar à velocidade a que eles crescem... Pelos menos que se safem as unhas pintadas disfarçar os dedos atarracados. Ora, estava eu a olhar para mim e para os vernizes transparentes que tenho e que me pareciam a única solução quando, de repente, surgiu a solução: verniz transparente com brilhantes! Mesmo que lasque não se nota e para todos os efeitos as unhas continuam pintadas! Só depois de posto é que me lembrei que fica muito engraçado mas que é um pincel para tirar e que ficam os brilhantes espalhados por ttttooooddddoooo lado... mas com isso preocupo-me daqui a uns dias!

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

5 coisas que dão direito a esgotamento durante as férias


Tenho para mim que 75% da população portuguesa sofre de SPFV (stress pós férias de Verão). Sendo este o meu 34º Verão creio já ter argumentos suficientes para diagnosticar esta condição e até avançar com algumas soluções. É verdade que ninguém gosta de não estar de férias mas também é verdade que, para os tais 75%, há ali um momento em que muito facilmente se desatava ou estalo ao parceiro da mesa ao lado que já contou a mesma piada trinta vezes. Ora, o grande impulsionador do SPFV é a falta de dinheiro que nos leva tirarmos férias nos mesmos lugares porque são baratinhos e de não fazermos verdadeiras férias porque temos na mesma que cozinhar, limpar e fazer as outras merdas que fazemos quando não estamos de férias... Os 25% que não sofrem deste mal podem ir para um hotel. O SPFV é agravado pelos seguintes comportamentos para os quais também proponho soluções fáceis:

1. Andar em bloco:
Bem sei que as férias grandes é o tempo da família e da união... mas a será que isso tem que acontecer em tttooooddddoooossss os momentos? Será que pai, mãe, filho, filha, avó, tia, gato e piriquito têm de andar lado a lado no passeio? É que o pessoal que vem atrás até gostava de andar mais depressa mas ou leva com um carro pelas trombas ou se senta e espera que chegue Setembro. 
Solução: porque não andar dois-a-dois? Ou, se o andar em bloco de facto for importante porque aquece a alma para o resto do ano, olhar por cima do ombro e ver se há fila e, eventualmente, deixar passar as pessoas?

2. Achar que toda a gente está de férias:
Parece impossível, há até quem ache que é mito... mas não! É mesmo verdade!! Há gente que trabalha enquanto outras pessoas gozam as férias de Verão! Depois de ultrapassado o choque aposto que há coisas que começam agora a fazer sentido: "ah! então se calhar aquele senhor que se fartou de buzinar porque não conseguia passar com a carrinha cheia de hortaliças porque nós íamos a andar no meio da rua ao som da "única mulher", estava a trabalhar!"; "vais ver era por isso que aquela senhora se irritou quando eu estava a pôr a conversa em dia com a prima do Luxemburgo enquanto ocupava a única caixa multibanco da aldeia"...
Solução: aqui a coisa é tão simples quanto complicada: bom-senso e compreensão! 

3. Parar em tudo quanto é atracção:
O homem estátua faz as suas "performances" naquela rua, com aquela fatiota e aqueles gestos lentos desde 1985; os peruanos que chegaram com as suas pan-pipes quando vieram animar o pavilhão do Perú na Expo voltam todos os verões; desde há cinco anos que se vendem aquele pirilampos que atiram muito alto enquanto emitem umas luzes... não interessa! Chegamos ao Verão e ficamos com a memória de um peixinho de aquário: "olha tão giro... não se mexe... vais ver está a dormir e não sabe"; "esta é aquela da Celine Dion... eles não estão a cantar mas eu sei que é essa..."; "vês tão giro... isto sobe depois desce e tem luz...". Nos entretantos incorremos numa variante do ponto 1.
Solução: se há dez anos que vemos as mesmas coisas quando fazemos o passeio higiénico da noite é de acreditar que daqui a 10 anos elas por aí continuarão (infelizmente). Se calhar não é preciso parar todos os dias no mesmo lugar para ver o que se viu na noite anterior!... Uma vez por semana só para checar que continua tudo como antes deve ser o suficiente.

4. Achar que as as regras sociais e legais se deixam de aplicar quando chega a Agosto:
Era bom mas não é verdade. Bem sei que durante o Verão é difícil de estacionar nas praias mas isso não quer dizer que durante esses 15 dias, como que por milagre, passe a poder-se estacionar em frente da garagem do vizinho. Não pode... a malta pode ter que sair por exemplo para trabalhar (ver ponto 2). Há fila na padaria... mas isso é para os outros não é para mim que estou de férias e não estou para me chatear. Também não é verdade... as filas são chatas independentemente de se estar ou não de férias. O tipo que não parou na passadeira vai levar com o chinelo no retrovisor só por causa das tosses!! Então um gajo está de férias e tem que se pôr a olhar para ver se há carros? No café com os amigos, minuins e mines... o que é se faz?! Dizem-se car@&#$das alto e bom som! No café lá do bairro não... eh pá, mas a malta está de férias e aqui ninguém nos conhece... 
Solução: dizer o mantra "eu sou igual aos outros, os outros não têm que levar com as minhas merdas". Esta é aliás uma sugestão que serve para muitos campos da vida!

5. Achar que não há gente a viver nas terras que são invadidas por turistas no resto do ano:
Outra coisa que parece um mito urbano mas não é... Há mesmo gente a viver onde outros vão só passar o Agosto, durante o resto do ano! Mais... é pessoal que até gosta de ver a terra limpa e calma... Mais... não têm que aturar merdas só porque dependem do turismo! Ui tanta coisa que parece mentira mas é verdade! Para quem só está interessado no bronze e em micar os rabos das miúdas e os peitorais dos miúdos (e vice-versa) deixar a areia cheia de beatas e guardanapos, o passeio cheio de copos, urina e vomitado pode parecer inofensivo... para quem vive nesses lugares é chato.
Solução: a mesma do ponto 2.

É isto... vamos combater esse flagelo que é o SPFV?! Vamos!

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Há quem jogue ao peixinho na praia... eu é mais por casa...


Estamos a meio de Agosto e em teoria estou de férias. Mas é só em teoria porque tenho mesmo de trabalhar. Não me importava nada de atravessar a estrada e dar um mergulho, brincar com a miúda a fazer piscinas na areia e continuar nesta rotina durante toda a manhã e toda a tarde... mas não dá. Para não entrar em depressão enquanto estou em casa tenho tido a televisão ligada para ver dois maravilhosos programas: a pesca do atum rabadilho e a pesca do caranguejo no mar de Bering (I Kid you not). Não sei porquê mas adoro!! Dá-me o equilíbrio perfeito entre emoção e tédio... Sou uma pessoa doente.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Ora porra para isto tudo!

O meu Jeremias (1998 - 2007)

O meu Bogas (2007 - 2012) 

Mix (2001 - 2014)

Nos últimos dias o Norte do país ficou reduzido a cinzas. Nestas alturas nascem mil teorias sobre o que fazer com os incendiários - "era amarrá-los às árvores e pô-los arder"; "era obrigá-los a ir apagar os fogos"; "era prendê-los para a vida toda" - e para prevenir os incêndios - "era pôr os presos a cuidar do mato"; "era pôr os tropas a cuidar do mato"; "era pôr os proprietários a cuidar do mato"; "era ter multas mesmo pesadas para quem não cuida dos terrenos". É sabido que temos vocação para treinadores de bancada principalmente depois do jogo acabar e de não haver forma dos nossos bitaites darem a volta ao resultado. Parece que enquanto estamos a vomitar estas ideias estamos realmente a fazer alguma coisa... mas não estamos! Todas estas parvoíces ditas em voz alta e em tom indignado na mesa do café não evitam que se percam noites e dias numa angústia que não se descreve (só passando por ela), que se perca o que se construíu, que animais e plantações não sobrevivam e que se percam vidas de quem procura apagar a estupidez humana. Este ano não toca aos meus passar por tudo isto (talvez porque há dois anos ardeu tudo o que havia para arder no Caramulo e durante esses dias tenha estado em sobressalto pelos meus tios e primos) e por isso estou mais tranquila... mas não estou a dormir. Ontem, em Loures, uma associação de animais perdeu tudo e acima de tudo muitos dos animais que cuidava, substituindo-se aqueles que tiveram a responsabilidade de os trazer para o mundo. Entre ir para o café dar murros na mesa, que não servem para nada a não para me magoar ou partir algum copo, optei por ajudar como posso que é, diga-se de passagem, uma forma um bocado cobarde... já que não tenho coragem nem vontade de ir procurar os bichos para o meio da desolação, nem disponibilidade para acolher os cães que sobreviveram ao inferno do dia de ontem...

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

10 coisas que fazem um blog saltar do meu feed



Sim... em breve vou deixar de ter blogs para ler... mas este tipo de coisas deixa-me mesmo com raivinhas nos dentes...

1. escrever um monte de palavras aleatórias seguidas de um ponto final e dar uma aura espiritual à coisa... do género: "praia. mar. amigos. sal na pele. luz. areia. Quiaios. alegria. paz...";

2. um post por página para "obrigar" a malta a carregar a página para aumentar o número de visualizações.

3. uma adaptação do ponto 2: deixar só um parágrafo para leitura e o link do "ler mais" para mais uma vez se ter de carregar a página e aumentar as contagens;

4. fotografias sem fim de editoriais de moda... se quisesse ver fotografias de modelos com roupas que nunca poderei vestir, comprava a Elle ou a Vogue;

5. fazer posts sobre o óbvio. os miúdos andam à estalada na escola e a coisa vai parar às redes sociais; o António Costa espalha cartazes infelizes pelo país; morre o Eusébio... tudo quanto é alma tem alguma coisa a dizer a respeito! É pá não... a maior parte de nós não é brilhante o suficiente para acrescentar alguma coisa ao assunto;

6. apregoar aos sete ventos os falsos defeitos: "sou demasiado teimosa"; "sou muito nerd/geek/sem jeito"; "sou muito prefeccionista"; "tenho muito mau-feitio"; "sou muito frontal"... metade disto serve para dizer que se tem uma personalidade muito vincada a outra metade para dizer que se é muito diferente e especial... não há pachorra... quem é verdadeiramente o que quer que seja não tem que o anunciar aos sete ventos... isto para não dizer que, a serem verdadeiros, metade destes pseudo-defeitos davam direito a guia de marcha para o Sobral Cid;

7. fazer do blog uma loja do chinês (sem ofensa para os chineses): ele é creme limpa-nódoas, galochas, desodorizantes, sacos do lixo, computadores, creme depilatório ou tinta para o cabelo... vale tudo desde que a marca pague ou dê uma amostra. Não interessa se não gosta (diz-se que sim porque pode ser que "chova" de outro lado) e que já não se escrevam três linhas por mote próprio há cinco meses, o que interessa é que há presentinhos;

8. ser-se mãe há três minutos e de repente a vida ter mudado e não haver amor mais profundo... pois... desconfio que para a maioria das mulheres (eu incluída), que tanto o amor mai-lindo desta vida quando a "vida mudada completamente" vá acontecendo ao longo do tempo e não assim que se expele a placenta... também percebo que dizer que leva tempo a criar uma ligação quando a criança está fora da barriga não seja tão bonito quanto dizer que se amou desde o minuto que se viu o bebé;

9. envagelizações da treta... aquele pessoal que se acha a sumidade de um determinado assunto... ou pior, os Nuno Rogeiro da vida em geral. Aquela malta que sabe tudo sobre alimentação e se sente na obrigação de ensinar o resto dos infiéis sedentos de sabedoria... ou que é o supra-sumo em exercício... ou na educação (não sei se é o mesmo que parentalidade mas também não estou interessada em perceber) das crianças, fazer malas...;

10. tratar os leitores abaixo de cão... normalmente são os blogs de rapariguinhas da moda que dizem coisas tão agradáveis como "então minhas pindéricas, tiveram saudades", ou "eu sei que vocês são umas cuscas" ou ainda "suas invejosas..." tratamentos muito agradáveis que me fazem sempre lembrar a Branca... uma miúda que andava na ginástica quando eu andava no ballet e que se divertia a tratar mal tudo quando fosse rapariga mais nova...

Será que conseguimos fazer esta lista chegar aos 20?...

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

"Há árvores que estão no pinhal por engano"



O fim-de-semana é já amanhã... ou hoje... ou quando um homem quiser. Ora, o Algarve ("diz que" porque é lugar onde vou uma vez por década) está à pinha e pela hora da morte. A norte faz vento e frio e em Lisboa só se pode andar se se falar estrangeiro. Vai daí onde está a solução? Onde está sempre: a Oeste! E o que se faz no Oeste? Fora da Nazaré não sei mas há muita coisa gira, agora, na "Naza" do meu corazón há todo um mundo de coisas giras para explorar e a mais gira de todas são os passeios de barco! As melhores vistas da costa, os golfinhos, as Berlengas, a Praia do Norte, as pescarias... É escolher... Ou então não e experimentam-se todas as opções. Enquanto não se decidem, vejam o vídeo (que é tão mais do que só um vídeo... é uma verdadeira obra de arte de ma'man), vão buscar um calendário, vão buscar uma caneta e marquem na agenda! Enjoy!

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

"Acenderam as luzes... cruzes!"

Holland Animation Film Festival 2013 Poster


Diz que hoje vamos ao cinema. O penúltimo filme que vi no cinema foi o "Inception" (2010). Adormeci. O último os "Croods" (2013) quando fomos à Holanda. Chorei e ri que nem uma esquizofrénica... mas estava grávida, tenho desculpa. Alguma coisa se terá passado entre a fase em que ia todas as semanas ao cinema (Avenida, Sala 2... normalmente) e hoje em que acho sempre que é preferível ficar em casa. Chego à conclusão que afinal a lista é longa:
- os 45 minutos de publicidade;
- o facto das pessoas acharem que estão em casa e atenderem os telefones, conversarem... o que é feito do tempo em que o cinema era o lugar ideal para ver um filme, arriscar um dar de mãos e dar os primeiros beijinhos (lutando para o braço da cadeira não atrapalhar muito)?!
- as pipocas;
- pior que as pipocas: os sumos, os chocolates, as gomas... o que é que falta?! um franguinho de churrasco?!;
- o preço exorbitante dos bilhetes;

Seja como for... hoje vou ao cinema. Espero que o filme seja bom (e que o braço da cadeira não atrapalhe)!

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Corre, corre bandida!



Quem vai seguindo o satélite desta chafarica no Instagram já se apercebeu que as corridas têm sido das poucas constantes ao longo destas últimas semanas. Estes são os bocadinhos, em que não dá para pensar em mais nada - (e se tenho em que pensar por estes dias...) a não ser que estou em muito má forma, que correr com alguém que puxa por nós é outra coisa, que a Meia da Nazaré vai correr ainda melhor - que me têm ajudado a passar estes dias de Verão! A partir de domingo a coisa piora...  can't wait for it!

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Quando há amigos à mistura a música não falha!


Este ano está cheio de surpresas... nem todas são boas mas as boas têm valido a pena. O santo do meu homem ofereceu-me dois bilhetes para ir ver o Caetano e o Gil juntos (depois do Sérgio Godinho e Jorge Palma só mesmo estes dois). Um e outro são os responsáveis pelos concertos que dou quase diariamente na A5. Alimentam-me a ilusão de que sei cantar, sambar e frequentemente fazer as duas coisas ao mesmo tempo!... mas é só mesmo a ilusão, porque nem que a minha vida dependesse disso eu me safava! Quis o destino que, por um alinhamento raro dos astros, estivesse também por cá uma das minhas (poucas) melhores amigas que já não via presencialmente desde que tinha tido o primeiro filho... entretanto já teve a terceira. Apesar disso, dá-se connosco um daqueles fenómenos em que o tempo passa, passa mas as coisas mantém-se iguais! Só faltou um par de horas para conseguir pôr a conversa toda em dia e carregar baterias para os anos e a distância que teimosamente se vão voltar a meter entre nós! E deu para nos encontrarmos com uma outra amiga que veio de propósito só para estarmos as três (na verdade, entre filhos, maridos e avós, éramos 15). Mas estava eu a dizer... vimos, como há mais de uns dez anos, juntas outros dois grandes amigos. Foi tão bom!! Tão "era mesmo isto que eu precisava!"... só não digo que foi excelente porque estava um gelo do caraças, porque um estádio não é o melhor local para assistir a um concerto só de voz e guitarra, porque o vento deixou o som todo marado, porque o público parecia estar a nadar em xanax, porque eles pouco puxaram por nós... Mas as músicas depois do encore foram fantásticas! Valeu porque deu para sair de casa, porque deu para matar as saudades, porque aqueles tipos fazem o que querem da voz e do violão!! Desejo concretizado!

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Eu, em versão cinema, nos últimos dias


(não dá para mais... e não fosse o Pinterest não dava para nada!)

quinta-feira, 30 de julho de 2015

terça-feira, 28 de julho de 2015

"O que é que andas e a fazer para o blog estar mais morto que os mosquitos no vidro do carro?"




O que não ando a fazer:
- férias
- depilação
- dormir mais de seis horas por noite
- passear
- ver filmes
- ver séries

O que ando a fazer:
- trabalhar
- tratar da casa
- tomar conta da garota (que já está de férias)
- correr
- comer como se o mundo fosse acabar

O que gostava de estar a fazer:
- praia duas vezes por dia
- passear pelo nosso 'Tugalito
- ir para um lugar em que a água do mar seja quente e alguém me prepare refeições e arrume o quarto
- dormir
- ver museus
- ir ao cinema