quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

"E antes da Lua está a sua sede..."


Este ano estou mesmo determinada a visitar, pelo menos, doze museus diferentes aproveitando as entradas gratuitas dos primeiros domingos de cada mês. A malta é pelintras... Entretanto, vou tendo a sorte de poder fazer umas visitas com alguns amigos e colegas que andam nesta vida dos museus e a que de outra forma não teria acesso (há quem crave aos amigos entradas para o Lisbon Moda Fashions Coises eu cravo para ver exposições... já disse que sou pelintra?!). Este intróito todo para o seguinte: o segundo primeiro domingo do mês está à porta e se não têm planos eu dou a dica: Museu Nacional de Arqueologia, Exposição "Lusitânia Romana. Origem de Dois Povos". Para começar vai estar bom tempo, para dar sequência à coisa, o museu fica nos Jerónimos em Belém. Acho que há poucas combinações tão boas! Espera... afinal há! A exposição é única! E quando digo única é em todas as dimensões da palavra: resultou de um consórcio de 14 museus portugueses e 5 museus espanhóis, ou seja, há peças que de outra forma dificilmente veríamos... a menos que façamos um périplo por 19 museus e consigamos ir a reservas e coisas do género. São 120 peças fantásticas, todas acompanhadas pela informação dos audioguias e ainda dos QR codes que nos permitem reviver a experiência em casa.
Vá, agora é explorar o site para depois aproveitar a exposição de borla (mas só no próximo domingo).

Nota: para quem tenha crianças no sexto ano, naquela fase que nem amarrados ficam em casa sem destruírem alguma coisa, é levá-los porque ainda aproveitam para rever matéria de História.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

My kind of joke...


Nada como umas piadolas para mudar o mood aqui do estaminé! O problema é que acho que ao todo sei duas piadas que me fazem sempre rir: a das dúvidas (que já contei aqui), a do Donald e Mikey* e agora esta. Sei que sou uma pessoa doente, mas só este género de piadas é que me faz rir!
Cromos para a troca, há?

* Diz o Mikey para o Donald: "Donald, I have something to tell you..."
Donald - What is it?
Mikey - I've been cheating on Minnie...
Donald - ARE YOU FUCKING CRAZY?!?!?!
Mikey - No... I'm fucking Daisy...
(é tão boa, não é?)

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Como dizia o Pessoa "dói-me a cabeça e o universo"


Ou, nas palavras não menos eloquentes de um das minhas terras "Dói-me o cérebro da cabeça, tenho andade apequentada...*"... pode ser TPM, mas acho que não... seja como for, há-de passar.


*Letra de uma marcha de Carnaval

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

As minhas costas agradecem!



Às vezes o truque é não complicar. Ando há anos à procura de um programa ou aplicação que sirva para tirar notas mais ou menos sérias das várias coisas em que me meto. Como sou um bocadinho cócózinha com a organização andava, até há pouco tempo, com três moleskines A5 atrás, cada um para sua coisa. Satisfazia a minha necessidade de ter cada coisa no seu cantinho mas dava-me cabo das costas. Um destes dias, não sei como, fui parar à aplicação da OneNote da microsoft, de que já sou "cliente" porque uso o Office. Dei o benefício da dúvida à coisa e fiz um teste drive. E não é que estou encantada!! É possível ter os três (ou mais) caderninhos em formato virtual mas com tudo separadinho! Mais, dá para começar novos assuntos em novas páginas!! Diz-me uma amiga que esta minha tendência para ter tudo certinho direitinho é culpa do ascendente em Virgem. Pois bem, a Virgem que há em mim, há muito desaparecida por sinal, está aos saltos com a excitação e desconfio que mais um bocadinho e o ascendente muda para Balança. Caso sejam como eu e precisem de uma aplicação, que por sinal funciona em iPad, iPhone e no Mac, give it a go!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Quem não tem cão...


Por aqui chove como se o Noé estivesse na esquina à espera de pôr a Arca em andamento, por isso, ir correr não é alternativa (para além do mais, o homem não pôs o saco com as sapatilhas, que estava ao lado da mala, na mala e pode dar-se o caso de estar um bocado danada com esse assunto e o facto de estar a chover até ajuda à causa dele... assim chova até ao final da semana...). Ainda assim, tenho muita ruindade para libertar deste corpinho sob a forma de suor e muita carne por enrijecer. Procurei, procurei e encontrei uma senhora que dá umas aulas de yoga que dá para encaixar em meia-horinha (não tenho paciência para mais) e ainda ficar com aquele andar de quem quer ter o rabiosque da Beyonce num dia e dá o tudo por tudo durante meia hora (e depois se vai pôr a enfardar pão com manteiga). Se estão com um humor de perú na véspera de Natal e precisar de fazer coisas, experimentem! Namaste!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

The revenant: ou a vingança do chinês


Ontem foi um dia histórico, fomos ao cinema, algo que não acontecia desde 1942 quando o Manoel de Oliveira estreou o Aniki-Bóbó mas, apesar de ser um dia de semana, a proposta era irrecusável essencialmente porque os bilhetes foram de borla, era noite de ante-estreia, a sala era imax e tínhamos alguma curiosidade sobre o filme. Consegui a proeza de não adormecer (sim, é uma proeza... não me lembro de um filme que não tenha adormecido um bocadinho a determinada altura) e, apesar de ter passado uns 33% do filme de olhos fechados (aquilo é muito sangue, muita porrada e a muita desgraça) até gostei da obra. O que eu não sabia é que o filme - que muito resumidamente é um remake da vingança do chinês - continuaria em casa. Eu, que tenho caído desmaiada na cama por volta das dez e meia da noite, estava a chegar a casa à meia noite e meia, e a entregar-me ao vale dos lençóis à 1h... acordei de hora a hora, porque a miúda resolveu que, já que a tínhamos abandonado aos cuidados da avó, íamos pagar caro pela desfeita. Ele foi xixi, água, cocó, chucha, ó-ó... não faltou nada! Agora sou eu que estou a precisar de ir ali renascer porque o soninho é mais que muito!

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Sou tipo os shampoos dos anos 90: dois (ou mais) em um


Gaja que é gaja está sempre em multi-tasking (ou sou só eu!?). Enquanto o lombo está no forno estende-se a roupa, enquanto a máquina lava faz-se a sopa, ensina-se a criança a brincar enquanto arruma os brinquedos, lava-se os dentes enquanto se toma duche e por aí fora. Ora, como o dia não estica e eu não nasci rica, estou sempre a arranjar maneira de conseguir fazer tudo encaixar ao mesmo tempo e se quero correr tem que ser em sobreposição de actividades! A verdade é que calçar as sapatilhas de madrugada já me dá gozo mas é uma hora ou hora e meia que faz falta para outras coisas, por isso, há que arranjar estratégias para que dê para tudo. No final do ano pensei (é uma coisa que procuro fazer pelo menos uma vez por ano para ver se não lhe perco o jeito) na melhor maneira de desfrutar de tudo:

- Escapelas a dois:
Por aqui as intenções são sempre as melhores mas depois, na hora do vamos a ver não passamos disso. Vai daí, nada como encontrar corridinhas em lugares porreiros, fazer logo a inscrição já com a data guardada não dá para voltar atrás e arranjar outras coisas. Assim, vamos os dois "participar na corrida". Eventualmente corremos, mas entre uma coisa e outra, sempre dá para namorar.

- Family building:
As medalhas que recebemos na Running Wonders EDP Distribuição Meia Maratona de Évora
Corrida Monumental - senhores da organização, que tal encurtar o nome da coisa - estão na parede das recordações, que é mesmo perto da porta de casa, e sempre que lá paramos mais um bocadinho a garota lembra-se da prova. É sinal que deu conta que alguma coisa diferente aconteceu naquele fim-de-semana. De facto, é uma das corridas que melhores memórias me traz porque foi feita a três, comigo e com o homem a dar um litro e a puxar um pelo outro e a superar um objectivo que a três segundos de cruzar a meta achávamos impossível. Parecendo que não, são estas coisas que dão cola à família. A ambição para este ano é incluir os avós nas provas.

- Passear com a Sardanisca:
Há aqueles dias em que quero mesmo correr e quero e tenho mesmo que passar tempo com a cachopa e, aparentemente, ou se consegue uma coisa ou outra... ou então, equipa-se a garota a rigor, protege-se a herdeira do frio e da chuva e fazemo-nos à corrida com a miúda. Na preparação para a meia maratona que fiz este ano fiz vários treinos com a Sardanisca no carrinho e parece-me que ela gostou e não foi pouco! É claro que não é a mesma coisa mas como não sou atleta, nem ganho a vida a correr, se os resultados não forem grande coisa (que não são!) não me chateio!

- Passear com a Manga:
Como a vida já era uma coisa simples, resolvemos juntar à mistura uma cadela que estamos a tentar ligar à corrente para iluminarmos o prédio de borla... é que a tipa tem energia que não acaba. Cá por casa tiramos-lhe logo a pinta: assim que estejas boa da operação vens correr connosco. Já fiz duas corridinhas de 5k com ela e, apesar de não ser a coisa mais espetacular do mundo porque a pobre ainda está a descobrir o mundo e não acha piada a carros e comboios em movimento, faz-se e bem! Em compensação consego deixá-la tão cansadinha que só volta a levantar a cabeça para ir fazer xixi a meio da tarde!

Há por aí quem junte à corrida outras coisas?! Sei que a revista Runner's World vem a caminho (YYYUUUPPPIII... já fazia falta e sei que ainda vou falar muito dela por aqui) e já estou na filinha e com o caderno de apontamentos pronto para acrescentar pontos a esta lista!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Eu sei que o Natal já passou... mas



Homens que por aqui passam (sim, tu!) tenho "a" dica de supresa ideal para oferecerem à vossa melhor metade, ou para usarem como presente do que quer que seja (dia dos namorados, aniversário de primeiro beijo ou o que for) mais espetacular de todo o sempre e garanto que com este a probabilidade de "terem sorte" é bem maior do que se lhe oferecerem um anel de que ela não gosta ou uma lingerie em que a copa do soutien é dois tamanhos acima... Façam atenção: 

Entre o Natal e o fim do ano a nossa máquina de lavar roupa da Nazaré avariou. Foi "só" naquela semana em que se acumula a roupa normal, com toalhas de mesa, panos de cozinha, aventais enfarinhados e o raio que o parta. Fiquei pior que estragada porque já me estava a ver, como no primeiro ano de Lisboa, a lavar a roupa à mão na banheira... Mas lembrei-me que tinha aberto uma lavandaria self-service com máquina de secar e tudo ali perto. Não estive de modas: peguei em mim, no homem e nos sacos de roupa que separei e fiz-me ao caminho. A funcionária de loja mais querida que algum dia existiu (mesmo!), explicou-nos como é que tudo funcionava: abrir a máquina, pôr a roupa dentro da máquina, fechar a máquina, escolher a temperatura, carregar no start. Isto! Sem tirar nem pôr. A máquina de secar era ainda mais fácil porque se resumia a pôr a roupa dentro da máquina e carregar no botão. Para além do mais, a menina disponibilizou-se a acompanhar o processo e dispensou-nos da tarefa. Olhei para o meu "esponjo" e vi uma lágrima solitária a escorrer pela face... Seguiu-se a pergunta: "porque é que a nossa máquina não é assim? Porque é que tem tantos botões, tantas gavetinhas, tanto líquidos...afinal posso deixar de ter terrores nocturnos com o lavar de roupa quando tu não estás!". Foi aí que me ocorreu: ora aí está! ele até era gajo para participar na tarefa da roupa se não houvesse uma máquina men-friendly... E aqui está ela! Por isso meus senhores que ainda não dominam o mundo das máquinas da roupa e/ou não colaboram na tarefa, se querem ganhar pontos, peguem em vocês e naquela montanha de roupa para lavar, que deixa quem tem que lhe dar sumiço à beira de matar alguém, e levem-na (a roupa, não a mulher... é muito importante que este ponto esteja claro) a uma dessas lavandarias (são mais económicas que as outras). Além do mais, se depois de tirarem a roupa da máquina de secar e antes de a porem no saco, dobram bem dobradinha e ainda poupam o tempo de passar a ferro que, digo eu, pode ser passado a fazer outras coisas mais divertidas!

Quem é amiga? Depois digam como correu!

(Depois de lido noto que este post é algo sexista... para todos os homens que não têm medo de roupa suja - ou que faltaram à escolha "naquele" dia - deixo as minhas desculpas... para todas as mulheres que não se revêm neste quadro e que dispensavam este presente, também!)

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Et voilà!



Sobre a receita, que aliás é essencialmente a que a minha irmã faz, há só algumas coisinhas a dizer:

1. Eu tirei a casca ao grão porque no final a pasta fica muito mais aveludada mas não muda em nada o sabor, por isso, tirem ou não tirem consoante a vossa paciência.

2. Aquele ingrediente com um aspecto um bocado duvidoso, que me vêm a tirar do frasco com uma colher, é tahini. Tahini é pasta de sementes de sésamo que se consegue processando as sementes depois de torradas. Eu comprei no Celeiro porque no supermercado onde vou não havia (Continente de Oeiras), mas imagino que num maiorzito consigam encontrar. Também se faz bem em casa.

3. As receitas mais convencionais não levam a malagueta que me vêem a pôr mas, como eu gosto do sabor, resolvi arriscar e não me pareceu mal.

4. A maioria das receitas diz para se juntar a água que vem na lata... eu cá, não tenho nada contra mas prefiro juntar água "normal".

5. O melhor é corrigir o tempero no final da pasta estar feita, principalmente no que toca ao sal, eu sugiro que se coloque só no fim.

6. Eu não tenho um processador/robot de cozinha e por isso usei a "1, 2, 3" mas se tiverem usem porque sempre têm mais espaço.

Acho que é só isto que tenho a dizer. Agora as quantidades que eu usei (aproximadas... isto não é nariz de santo, vão pela vossa intuição):

- 1 lata de grão de bico 400g
- uma colher de sopa de tahini (no final podem juntar um bocadinho mais para ficar mais aveludado ou para ter um bocadinho mais de sabor)
- 1 dente de alho
- 3 colheres de sopa de azeite
- 3 colheres de sopa de água (mais uma vez podem corrigir no final de virem que a pasta está muito densa)
- sumo de 1 limão pequeno
- uma pitada de pimenta
- 1/2 malagueta (eu tirei as sementes da que usei para não ficar a arder)
- uma pitada pequenina de sal
- paprika (só para decorar e dar um saborzinho)
- coentros (para decorar e dar uma frescura)

Confecção:
Pôr tudo, menos o pimentão doce e os coentros, na máquina e processar até ficar em pasta. No final decorar com um fio de azeite, paprika e coentros.

Dá para comer como aperitivo (com umas tostas, pão ázimo ou qualquer outra coisa) ou como acompanhamento numa refeição normal.

Enjoy... ah, e se gostaram, partilhem! ;)

Nota final 1: para a realização deste filme não foram mal-tratados animais nem crianças e o director/realizador/editor/sonoplasta/grafista foi pago em géneros... com o próprio do húmmus.

Nota final 2: Sara (não anónima)... Pedigree...

Nota final 3: Muitos parabéns Xana da Costa Alentejana!

Ouvi dizer que é hoje...





Parece que é hoje - "mai logo" - que sai a famigerada receita de húmmus! Mas antes é preciso um conjunto de pontos prévios:

1. ainda arrumei a cozinha e o resto da casa mas uma criança de 2 anos e meio e uma cadela de 9 meses conseguem pôr tudo em pantanas em 1,5 segundos;

2. procurei umas meias grossas de lã para dar um ar mais rústico e hipster à coisa, mas o melhor que encontrei foram as pantufas da Serra da Estrela. Estou com fé que vire "the next it thing" dos posts caseiros;

3. o facto dos dois "adultos" residentes nesta casa estarem a fazer uma coisa em conjunto levou a um constante pára-arranca para garantir que a cadela não mordia na miúda e vice-versa;

4. a Manga está com uma ligadura porque foi esterilizada mas está fina;

5. a montanha pariu um rato... a receita não tem nada que se lhe diga;

6. o meu talento para o empratamento é próximo de zero e entra nas escalas negativas quando estamos a saltar entre uma sala e outra para acudir às crises dos restantes seres vivos. Tenho a certeza que farão muito melhor!

(Sara anónima... está quase!)

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Dane-se! Não consigo arranjar título para isto!



Ainda estou a desfrutar do Natal: tanto dos quilos a mais quanto dos presentes! Ofereceram-nos o último livro do Jamie Oliver e tenho aproveitado para o explorar. Apesar de haver receitas que implicam ingredientes que só existem numa aldeia remota de uma pequena ilha do Pacífico Ocidental, há outras que até são razoáveis e que sempre ajudam a renovar o menu cá de casa (chego a um ponto em que sinto que estou sempre a fazer a mesma coisa, por isso, inspiração é sempre bem-vinda), além do mais, o JO virou "healthy" e diz que, não só as receitas não fazem engordar, como até garante que, se as fizermos e comermos (é um detalhe importante), vivemos até aos 103 anos... vá, até aos 96! O livro está muito bonito mas parece-me um bocado carote (olhei para ele muitas vezes mas nunca o comprei) por isso, se eu vir que consigo fazer algumas receitas resultar vou dizendo! (Sorry Jamie). A primeira tentativa vai ser a dos queques de batata doce (tenho um love afair com a batata doce... por mim vestia-me de cascas de batata doce de tanto que gosto da "bicha"!).

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Farewell my good friends!





Quando saí da maternidade, com as hormonas e o raio, bati um bocado mal com a gelly belly com que fiquei. Tinham-me dito que depois de se dar à luz se ficava com uma barriga de 6 meses, ora, eu aos 6 meses ainda não tinha barriga que se visse fiquei em choque com o panção que me calhou na rifa. Como ao sexto dia a coisa ainda não tinha diminuído (ddduuuhhh), peguei em mim, na criança e no homem e fui comprar umas sapatilhas para começar a mexer o traseiro com medo de já não voltar ao lugar. Desde esse momento essas sapatilhas fizeram comigo as caminhadas, ainda na recuperação do pós-parto, os primeiros dois quilómetros que corri quando deixei a Sardanisca na creche e achei que ia morrer agarrada a um caixote do lixo no passeio marítimo de Paço de Arcos, a primeira prova de 7k (numa hora e um quarto) cinco meses depois da miúda nascer, um mês depois os primeiros 10k (S. Silvestre) sem parar, a primeira, a segunda e terceira meias-maratonas, para não falar das mais de 20 provas e 200 treinos. Ouviram-me a chamar nomes a pessoas, a chorar, a rir, a cantar... fizeram-me bolhas, um calo e meio e fizeram-me perder 4 unhas. Eram 2 números abaixo do que deviam ser e duras que nem cornos... ainda assim, durante mais de 1000 quilómetros foram as minhas companheiras fiéis. Hoje reformei-as. Arranjei umas que parecem umas pantufas e quase chorei quando as calcei na loja. Vou guardar as velhinhas... não sei bem para quê, mas não me conseguia desfazer delas. O aviso que deixo: podem deixar de se inscrever em provas porque daqui para a frente vou ganhar tudo.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Cesar Millan, onde estás tu?!





Neste momento a Manga dorme debaixo da minha mesa de trabalho. Olhando para ela ninguém desconfia na esquizofrenia que 10 quilos de cão pode ter! A verdade é que não saber do passado de um cão, ou melhor, saber que um cão teve um passado complicado, é uma experiência muito diferente das que tenho tido até aqui. E de facto a Manga mostra, em vários momentos, que não deve ter tido uma vida fácil! É o primeiro cão que tenho que tem que ser subornado para ir à rua! Não quer ir!! E quando finalmente conseguimos fazer com que passe a ombreira da porta é o caos! Tem medo do vento, de pessoas, pessoas com chapéus de chuva fazem-na entrar em pânico, foge de crianças (o que tendo uma em casa se torna complicado) e quando o medo é muito reage com umas trincas. Em casa com os adultos é um doce! Derrete-se por um miminho, brinca com tudo o que apanha mas tem alguma dificuldade em perceber que tem de haver limites! A parte boa da dinâmica é que tanto a Manga quanto a Sardanisca estão na mesma fase de aprendizagem de comportamentos: perceber quais são os limites e saber que estão seguras e que têm mimo perto de nós, por isso não tenho que mudar o meu chip mental muitas (à conta disso já mandei a minha filha sentar e já chamei filha à Manga mais vezes do que as que gostaria...). Temos trabalho pela frente... muito! A primeira tarefa é dominar o passeio à trela. Acho que já sei como a controlar sem tensão nem stress... assim que confirme que a técnica de facto resulta partilho. Entretanto, digam-me tudo: têm ou tiveram cães com as mesmas questões? Deve levar tempo e paciência a torná-los sociáveis, mas alguém tem alguma dica milagrosa?

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Crónica de uma manhã bem passada... not


A família, recentemente aumentada, decide aproveitar até à última e sai de casa na primeira madrugada de segunda-feira deste ano, rumo à capital, confiante que chegaria a tempo e horas do trabalho. Toma o pequeno almoço reforçado, ainda noite escura, mete-se dentro do carro a rebentar pelas costuras de tão carregado, e faz-se ao caminho. Lá fora, o vento e a chuva funcionam como uma espécie de carrossel para os passageiros. Nisto, a pequena Sardanisca passa-me a chucha para a mão para, segundos depois, projectar o vómito até ao banco da frente sujando tudo pelo caminho (cerca de 983759827 malas, casacos e presentes). Estamos a 60 quilómetros de Lisboa e a última estação de serviço acabou de passar por nós. Ao bom estilo MãeGyver, tudo se resolve com Dodots e, sacos do cocó de cão (ainda bem que a Manga vai aqui ao meu lado)... ou terei falado cedo de mais... Como responderia a herdeira, "terei"! Minutos depois é a Manga que começa com aquelas contrações de estômago a que se segue a expulsão de uma papa mastigada e semi-digerida de Pedigree. Já só faltam 30 quilómetros para chegarmos a casa e não há um milímetro de viatura que não esteja coberto por vómito humano ou canídeo. As primeiras horas de chegada a casa são passadas nas limpezas possíveis. Agora, fermenta no meu carro todo um mundo de fluídos que terei de limpar mais logo. 

Esta é a primeira segunda-feira do ano da graça de 2016... Estou ansiosa para ver o que me espera.

Achei que devia partilhar!

domingo, 3 de janeiro de 2016

Programinha mensal a custo zero... vá, a custo simpático!


O ano passado por esta altura propus-me a visitar doze museus ao longo do ano. Acho que fui a uns 8. Como se dizia nos anos 90: prueba non superada... Mantenho o objectivo para este ano mas alterei ligeiramente o plano para evitar as desculpas mais clássicas: não tenho tempo e é caro. Como já sei que que só cumpro o que tem data e hora marcada, optei por já agendar as doze datas, com um detalhe, guardei o primeiro domingo do mês, quando é grátis. A verdade é que quando a família aumenta e se tem que fazer contas à vida, há coisas que caem porque são gastos superfúlos, por exemplo, as idas aos museus, mas se os visitarmos nessas datas não temos que pagar um tusto! Vamos estrear-nos nestas andanças hoje, vou dizendo como foi, entretanto, e caso se queiram organizar os primeiros domingo dos meses são (mas há outras datas, Dia internacional dos museus que costuma ser em Maio, por exemplo, em que as visitas são gratuitas):
3 Janeiro
7 Fevereiro
6 Março
3 Abril
1 Maio
5 Junho
3 Julho
7 Agosto
4 Setembro
2 Outubro
6 Novembro
4 Dezembro

Alguém alinha?

sábado, 2 de janeiro de 2016

Home spa... pelo menos em sonhos!


Não me lembro de um Natal em que tenha prevaricado tanto quanto neste! Sinto-me o Shrek... verde e tudo! Mas a desentoxicação começa hoje! Daqui a nada faço a primeira corridinha do ano que já é um primeiro passo para começar a libertar-me dos pecados... mas o que eu queria mesmo era ter a casa por minha conta e*:

- tomar um banho com estas ervinhas todas para ver se fico mais esperta, mais leve, relaxada e calma... com a vantagem que já fico temperadinha para ir ao forno!
- fazer esta esfoliação para ficar cheirosinha e lisinha (na medida do possível);
- aplicar esta máscara... e aproveitar para jogar no euromilhões caso a coisa resulte!
- (bes)untar-me com este hidratante;
- escolher um batido daqui, esticar as perninhas para saborear enquanto vejo o resto das receitas;

Era isto e já estava pronta para enfrentar o ano!

(*estilo declaradamente roubado das leituras ao pequeno almoço de domingo do M.I.L.K)

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

2016 em andamento


Já escrevi este post umas trinta e cinco vezes... queria deixar aqui uma mensagem inspiradora e cheia de dicas maravilhosas para recuperar da ressaca e/ou entrar no novo ano de forma espetacular e eficaz... mas não dá! A verdade é que para mim o dia 1 é isto que estou a fazer: mantinha nas pernas, filminho na televisão, brincadeira com a miúda, muita águiínha, muita frutinha, muita sopinha e uma mente cheia de desculpas para não levantar o sim-senhor e ir desmoer o vinho tinto de ontem à noite (mas na verdade tanto o mau-tempo, quanto o facto de ter o equipamento encharcado são justificações mais do que aceitáveis para não ir correr)! Se alguém tiver dicas de como passar o dia 1 sem parecer que foi atropelado pela automotora da Lousã, por favor partilhe, era coisa para dar jeito... para o ano!

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Vai ser bom!



Ai 2015, 2015... só te quero dizer que se gostasse de montanhas russas ia à feira popular! Começas mal, dá-se a redenção ali para meio do ano e depois voltas a descer a alta velocidade... Quer dizer, estas queixinhas são de quem está de barriga cheia: continuamos cá todos, estamos todos de saúde e de coração quentinho mas isso não quer dizer que sejamos imunes a trombas, raivinhas, tristezas e outras maleitas do espírito.

2016, no pressure, até porque tens tudo para correr bem! Os teus manos mais velhos fizeram algum estrago, por isso, a margem para melhoria é mesmo muito grande! Conto contigo e já estou a trabalhar para não teres de ser tu a tratar sozinho do assunto! Counting on you!

Agora tenho meia dúzia de horas para me pôr com o humor certo para receber um novo ano!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Aumentámos a família...








... e desta vez não tive de esperar 40 semanas e, melhor ainda*, não tive de parir! Esta é a Manga. Deve ter perto de 8 ou 9 meses... ou um ano... ou uma idade. Ainda se está a habituar a nós e por enquanto anda um bocadote assustada mas já deu para perceber que é a menina mais doce de todos os tempos. Um ano depois de me ter abraçado ao Mix e de ter dado todos os beijinhos que consegui enquanto ele adormecia, aparece esta cachopa! Estamos todos apaixonados por ela... esperamos vir a ser correspondidos!

*eu sei que há muita mulher que gosta de dar à luz, que diz que é um momento muito agradável e mágico e unicórnios e arco-íris... bom para elas, a sério que é mesmo fixe, mas para mim não foi! não gostei e preferia que já se tivesse inventado outra maneira para tirar bebés cabeçudos de dentro da barriga.