quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Farda prisional

Mãe e filha na versão irmãos  metralha!


Descobri a roupa com que vou andar nos (menos de) quatro meses que faltam para pôr a nossa criança cá fora! Eu sei: as riscas horizontais fazem engordar (como se fosse preciso ajuda para isso!), pareço um irmão metralha, um tenda de circo ou qualquer outra coisas igualmente sexy... mas quer'cá'saber! A verdade é que, sem dar por ela, as calças já me começavam a apertar e só dei conta quanto comprei umas fantásticas leggings (as primeiras de sempre... e palpita-me, as únicas) que vão muito bem com camisolões largos que adoro. Assim, se virem pela rua uma rapariga gigante às ricas, muito provavelmente sou eu!

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

domingo, 27 de janeiro de 2013

5 meses por pontos


- Às dezassete semanas senti a cachopa pela primeira vez! Ainda achei durante algum tempo que estava a alucinar, que ainda era muito cedo, mas tirei as dúvidas quando o Pai pôs a mão na minha barriga e pouco tempo depois estava a receber um valente high five;

- A barriga deu um salto! Pouco depois do fim de ano e quase de um dia para o outro, passei a ter um verdadeiro baby bump que em peso, às 19 semanas, se traduzia num aumento de 2kg desde o início da gravidez;

- Os meus alunos arranjaram coragem para me perguntarem se estava grávida... ainda lhes disse, muito séria, que tinha abusado durante as férias de Natal, mas depois vi-os a ficarem brancos e a verem a aprovação à cadeira por um canudo e lá lhes disse que estavam certos;

- Soubemos que íamos ter uma menina... está provado, não tenho feeling para a coisa porque achava que vinha lá um rapaz! Acertou a Mana/Tia que sempre disse que devia ser uma princesa;

- Já não consigo dormir de barriga para baixo e é raro dormir uma noite inteira... deve ser o corpo a preparar-se para o que aí vem;

- A azia ainda por cá anda... e nada mansa;

- Ainda não comprei roupa de grávida mas já tenho um extensor para os botões das calças (just in case) e uma cinta para "aconchegar" a barriga;

- O quarto da cachopa já está a ser preparado e já temos um plano para nos orientarmos com o mundo de tralha que envolve a peuricultura! Para isto foi importante a ajuda preciosa de uma leitora deste blogue, a Alexandra (Muito obrigada Alexandra! Mais uma vez!);

- Fora as ofertas do Natal e umas comprinhas (muito poucas) feitas nessa altura, ainda não caí na tentação de comprar toda a roupinha de boneca que me aparece à frente! Para isso em muito contribui o fraco aspecto dos restos de colecção de inverno;

- Já temos centro para fazer a preparação para o parto e parentalidade... vamos lá ver como é que nos portamos... nem eu nem o Pai somos conhecidos por levar coisas sérias a sério... Se não formos expulsos já é um bom começo e um bom exemplo para a nossa peixinha;

- Está a ser muito fixe!

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

In my dreams!




Como as calças que tenho desta cor ainda me servem, quero acreditar que consigo preparar um modelito com este bom aspecto!... minus a carinha laroca, o metro e setenta de altura, o sapatinho catita e o cabelo louro impecável...detalhes, portanto! Todo o resto vai estar lá... kind of...!

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Era mesmo isto!!

Ginástica de inverno


O tempo não está para brincadeiras e a crise não "está" para ginásios (nem eu gosto) por isso o exercício físico tem ficado para segundo plano... à excepção dos 10 minutos diários de "Strip camuflado". Desconfio que o conceito não é desconhecido para algumas mulheres. Consiste em tirar o soutien sem tirar as camisolas o que implica complicados esforços de braços e contorcionismo abdominal. O principal objectivo do exercício passa por poder andar por casa confortavelmente e evitar o frio. O exercício é tão, mas tão eficaz, que ao fim de 10 minutos já nos estamos a despir... com uma daquelas sensações de frustração de quem tem de apanhar frio e ver as camisolas alargadas. Se houver por aí quem tenha técnicas milagrosas, por favor partilhe!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Giro, giro era...


...dormir depois das 4 horas da madrugada! Valha-nos o trabalhinho que nunca acaba (e que está sempre à nossa espera) e a chuva que sempre dá uma banda sonora mais interessante a estas horas impróprias!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

sábado, 19 de janeiro de 2013

Fruta da época


Este ano estreei-me na toma da vacina da gripe. Diz que faço parte, ainda que momentaneamente, de dois grupos que devem estar especialmente protegidos: o das grávidas e o das pessoas-que-trabalham-com-muitas-pessoas-com-as-quais-estão-fechadas-em-salas-pouco-ventiladas-onde-todos-tossem-e-espirram (professores, portanto). Apesar de não gostar de tomar nem um comprimido para a dor de cabeça e de não o fazer há vários anos, lá me sujeitei a levar uma pica a pensar no bem maior (que ainda é pequeno o suficiente para me fazer cócegas na barriga). Resultado: estou aqui ranhosa, a respirar pela boca, com olheiras até aos calcanhares e um rolo de papel higiénico atrás. Mais um dia e a coisa passa... mas que não tinha saudades disto, não tinha!

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Há esperança!


Hoje o dia esteve feio, frio e chuvoso. Além do mais é sexta feira. O mais provável seria encontrar pessoas mal dispostas com vontade de estar em todo o lado menos a atender outras pessoas, também elas, potencialmente mal dispostas. Mas não! Num centro comercial há hora de almoço fui atendida pela menina da Body Shop como se fosse a única cliente da loja (e não o era), com direito a "boa tarde", "posso ajudá-la", "acho que tenho o que precisa", "precisa de mais alguma informação" e um muito simpático "vou deixá-la à vontade para decidir". Saí de lá com mais um produto do que estava à espera e feliz da vida. Numa estação de serviço, também em hora de movimento, resolvi correr o risco de pedir direcções para um determinado lugar à espera de um vago "é sempre em frente" ou qualquer coisa do género. Pois o senhor que estava na caixa tomou todo o tempo que precisou para me explicar o que precisava saber. À conta da boa disposição com que me deixou, além da gasolina levei um twix (não era para mim... era para a pequena que está na barriga). À chegada à portagem digo boa tarde, entrego o ticket e o cartão e sou acolhida com um "boa tarde", "muito obrigada", "faça uma boa viagem" e ainda "tenha um bom fim de semana!". Fiz o trabalho que tinha a fazer e voltei a casa alegremente surpreendida por encontrar pessoas assim! Mas vendo as coisas por outro lado... é bom que vá encontrando antipáticos para não ir à falência.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

It´s a...

18w2d

E às 19 semaninhas descobrimos que vem lá... uma menina!! 

Quer dizer... provavelmente, porque a cachopa esteve grande parte do tempo de costas e só se virou para fazer uma careta à médica - que bem merecia porque era uma grande snob e antipática - e por isso ficou uma sombrinha de dúvida!!

Agora é descançar dos 400 km de viagem e das 1000h de espera!

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

sábado, 12 de janeiro de 2013

Qual ressaca qual quê!


Pois que a sede que vai neste corpinho é tanta e dura há tanto tempo, que sinto que já bebi água suficiente para o girino começar a treinar numa piscina de 50m para os próximos Jogos Olímpicos!

Sabes que a semana deu cabo de ti quando...


...na sexta-feira, pões os tradicionais pontinhos de creme na cara mas só te lembras de os espalhar quando já estás com meio corpo fora de casa!

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

"Roupa de maternidade" ou "Mãe, a tua vida como mulher acabou"


Quase que entrei em depressão quando resolvi entrar numa daquelas lojas especializadas em bébés* onde há de tudo: de chupetas a carrinhos, passando pelos brinquedos aos sutiãs de amamentação. Foi precisamente na secção de "lingerie" (não sei se lhe posso chamar isso) que os meus níveis de endorfinas baixaram para mínimos históricos. Cuecas de gravidez que rivalizam em estilo e sensualidade com as congéneres de papel/plástico que estão disponíveis nos spas, mas com espaço para o rabo de um homem com 120kg. Os sutians... coisas brancas, com rendas, copas pontiagudas, elásticos de 20 cm e tamanhos inverosímeis! Por muito trágica que a realidade possa ser (e sim, tenho noção que as mamas crescem para lá do imaginável e que o rabiosque não sai ileso desta viagem), ninguém merece um banho de realidade com estes contornos! As grávidas são pessoas sensíveis, que precisam de carinho, de quem lhes diga que não estão gigantescas (regra que se deve aplicar noutros momentos, tipo... todo o tempo anterior à gravidez e todo o tempo pós-parto), e não de lençóis disfarçados de roupa íntima!
Ah! E deixem-me falar dos trapinhos estilosos! A designer destas lojas há-de ser Amish! Comprimentos por meio da canela, as roupas folgadinhas, fitinhas e folhos compõem o melhor dos modelitos! E quer dizer... não há necessidade! Qualquer Zara consegue transformar-se numa pré-Natal com um bocadito de olho e paciência... pelo menos nos primeiros tempos! Verdade seja dita que ainda não comprei roupa. Eu cá quero manter a pouca pinta com que nasci, apesar do perímetro abdominal! Não me vêem em sacos de batata em tons pastel, nem que a vaca tussa!

* Não são todas bem sei, mas há umas quantas que vai lá vai!

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

A maternidade e os super-poderes!



Nunca fui moça de ter os sentidos muito apurados. Não distingo bem os sabores, cores é tudo mais ou menos a mesma coisa (será por isso que gosto de cores forte e bem definidas) e não digo que seja anósmica, mas não ando lá muito longe. Pois que a chegada do pequeno ser deu-me aquilo que foi um castigo mascarado de poder! Hoje em dia sou pior que um Bloodhound! Sinto os cheiros todos que Deus nosso Senhor pôs no mundo a invadir a minha cabeça, o que não é necessariamente bom! Cozinhar acaba por ser um desafio intenso. Por outro lado, sei sempre onde estão as padarias mais próximas e quando sai o pão acabado de cozer! Não podia ser tudo mau!

(Em compensação fiquei mais pitosga... mas diz que passa.)

Segunda feira #168

domingo, 6 de janeiro de 2013

Chegada aos 4 meses: por pontos



- Nesta fase já não dá para esconder com grande eficácia o altinho que aterra ali na zona do umbigo... Ainda assim, as pessoas não se atrevem a dizer o que acham: estás mais gordinha... vá, mal-feita! A verdade é que até aos 4 meses a balança "só" acusou 1,7kg a mais! Pelo volume até parece que a carrasca com números estava a ser simpática, mas pelos vistos é normal que durante estes primeiros meses o aumento de peso não seja grande (ou será que isto já é um grande aumento?...).

- Talvez esta evidência da barriguinha e o espírito consumista Natalício nos tenham empurrado para as lojas de bébés... Graças a isso, lá começamos a comprar os bodies, os pijaminhas e outras coisas deliciosamente pequenas e imensamente queridas!

- O melhor de tudo foi sem dúvida o poder partilhar com os amigos mais próximos (ex aequo com o fim dos mini-enjoos)!

- O estômago continua preguiçoso e a alimentação tem que ser asneira-free para não passar os dias arrependida por ter abusado, mas fora isso, tudo como se nada fosse! Vamos lá ver como vai ser o próximo mês, já com a promessa de saber se vem lá uma cachopa ou um moço!

- Vivem-se momentos de esquizofrenia (hormonal... digo eu): a barriga está grande demais... não! A barriga está pequena demais!

- Tenho energia para dar e vender (até às 22h00, depois dá-se um kaput violento)! Tanto, que durante as caminhadas tenho de me controlar para não me pôr a correr!

- Tenho mamas (coisa que o karma me impediu de ter durante 31 anos) e provas disso para a posteridade!

Resumo: isto é porreiro e está a correr bem!

sábado, 5 de janeiro de 2013

Lord have mercy...

Dias a começar às 8h30 e a acabar às 23h30... Vai ser bonito vai!

Estive a organizar a minha semana: os dias ali à direita com um aspecto branco que destoa dos anteriores cinco, irão ser dedicados à ressurreição.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

1/3


O primeiro trimestre parece-me ser o mais chatinho. Ainda assim, as dúvidas, a incerteza, os (mini)enjoos, a falta de energia (mais do trabalho do que da criatura), não foram suficientes para fazer esmorecer a alegria! Mas também, tive a sorte de encontrar uma obstetra fantástica na maternidade onde nasci (e onde o rebento irá nascer) que esclareceu todas as dúvidas, mesmo as mais absurdas! Isso, e amigas/mães, com quem pude falar sem medo de parecer ridícula ou de outro planeta (e umas palavrinhas trocadas com a Débora)! A verdade é que a minha experiência não foi como uma cena de comédia romântica à la Hollywood, em que automaticamente a mulher fica extasiada de alegria e amor a verter por todos os poros ao saber da novidade! Nada disso. Depois de ver no pauzinho "Grávida +3 semanas", não me senti "grávida"! Demorou tempo. Estava feliz, claro mas parecia que não era nada comigo. O não sentir o cachopo/cachopa ajuda para que tudo pareça muito distante e fictício. Não sei explicar melhor. Um pouco por isso, e muito por querer que um dia todas as dúvidas da criança possam ser esclarecidas, comecei um diário para ser lido por ele/ela quando for tempo disso.
Chegar às 12 semanas sabe a alívio. Pelo menos durante um bocadinho... isto porque a maternidade/paternidade não se compadece com a necessidade de controlar tudo (e eu não fazia ideia do quão controladora era)... principalmente aquilo que não está ao nosso alcance!
Agora é aproveitar a segunda parte da viagem... que já leva um mesito de caminho!

Já diziam os saudosos (?) Soul II Soul...


"Back to life, back to reality"... e este back to reality dói-me quase tanto quanto ver o vídeo clip da música!

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Para quem adivinhou:



Pois que por este ver(de)água mora um novo inquilino/a. Com 17 semaninhas (ou em "tempo civil", 4 meses e 1 semana) já tem direito a ser um projecto de gente. Nesta altura, a pequena semente dá-me um ar de quem anda a comer demais. É a fase deselegante, segundo dizem. Eu não podia estar a sentir-me melhor! Os mini-enjoos, as quebras de tensão (muito raras) e a taralhoquice (diagnosticada medicamente), parecem-me insignificantes quando comparados com a sorte, a alegria e a vontade imensa que a feijoca esteja no nosso colo! É fácil perceber que o centro da nossa realidade mudou. Que os dias são passados a fazer planos e a imaginar o futuro enquanto se esfrega a barriguinha no presente para acalmar os medos. Por isso, para quem já está a dizer para os seus botões, "Oh caramba, mais uma tipa que só vai falar de bébés e derivados", devo dizer que não sendo uma previsão 100% correcta, andará muito perto da verdade! É a vidinha! E não estou a ver que coisa melhore depois de parir... Por isso, caso tenham alergia a baby blogs sugiro que regressem lá para 2035... Se por outro lado, a ideia de acompanharem uma mãe (que confusão pensar-me como mãe) de primeira viagem, a milhas de saber o que está a fazer e o que vai fazer vos agrada, então são sádicos mas estão no lugar certo!

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Clean slate


Da mesma forma que gosto de uma cama acabada de fazer, de uma casa acabada de limpar, de um caderno em branco por estrear, gosto de inícios de ano. A ideia de começar do zero, sem imperfeições, com a possibilidade de fazer tudo certo (como se isso fosse possível) motiva-me! Hoje começámos, aquele que será um dos anos mais importantes das nossas vidas, com uma caminhada (para já não há espaço para corridas) para desentorpecer os músculos e a alma. E soube bem! E quero repetir. Muitas vezes durante os próximos 364 dias!

Bem-vindo 2013!