quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Ver-de-raiva

É raro entrar em confronto com quem quer que seja, principalmente com quem não conheço. Não sei reagir e "no depois" fico sempre a roer-me a pensar no que devia ter dito e ter feito e que não me saiu na altura. 

 Photo @ Flickr by waihey

Ontem, tive de levar a carrinha das mudanças (bicho nada pequeno e como tal pouco manobrável) para perto da casa da minha mãe, que fica numa ladeira bastante íngreme e não muito larga. Passam dois carros, mas se estiver um estacionado, só se sobe ou se desce. Como é normal aquela hora, estavam vários carros estacionados quando comecei a subida. Estava talvez a 50m do meu ponto de paragem, quando começa um carro a descer. Uma vez que eu tinha começado a subir e que a ele bastava esperar 10 segundos para que eu passasse, continuei a subir. Mas a besta-quadrada - um homem aparentemente bem posto - começou a descer para parar logo a seguir porque não passavamos os dois e já estavamos nariz com nariz. Ele teria de fazer marcha atrás 50m eu teria que estacionar a carrinha num espaço mínimo ou fazer 200m de marcha atrás numa ladeira com uma inclinação de 9%... Parei e olhei para o filho-de-uma-pêga-incompetente que não reagiu. Alguns segundos depois, travei com o travão de mão e apoiei a cabeça no queixo, como quem diz: 
- "eu daqui não me mexo, por isso faz lá o jeitinho". 
Começou a gritar comigo. Saí da carrinha e ía perguntar-lhe se não podia fazer marcha atrás, quando me diz aos berros e cuspir perdigotos, a bonita - e nada ouvida pérola:
- "Tirou a carta na farinha amparo? Se tem um obstáculo não pode avançar!". 
Expliquei-lhe que quando comecei a subir, ele ainda nem sequer tinha saído de casa e que não havia nenhuma placa a condicionar o trânsito da rua e que dado o tamanho dos carros e o facto de estarmos numa via de inclinação bastante acentuada, era mais fácil para ele subir! A resposta que oiço... um bonito "desemerde-se". Vindo de um homem com mais de 50 anos com aparente polimento, deixou-me sem reacção. Valeu-me a mãe Fatinha que vinha no carro de trás e que veio em meu socorro. Com toda a condescendência do mundo, disse a olhar para o cabrão-automobilizado:
- "Deixa lá filha, o "cavalheiro" com certeza não sabe fazer marcha atrás... não o envergonhes e arruma lá a carrinha que não te custa nada." 
Foi a tremer que nem varas verdes que lá enfiei a carrinha no tal buraquito e dois segundos depois desatei a chorar porque não soube reagir!! 

 Photo @ Flickr by callofQT

Há algum curso que possa fazer para se aprender a responder em situações de stress... é que nesse capítulo sou uma completa ignorante!!

3 comentários:

  1. É fácil! Aprende com a tua mãe. Ela respondeu à letra!

    ResponderEliminar
  2. Se encontrares o curso inscreve-me. Eu passo-me totalmente, fico fora de mim, deixo de ouvir e digo o que quero e não quero. Depois fico na m***! :(

    ResponderEliminar
  3. É uma questão de treino. Tens é que dizer alguma coisa. Das primeiras vezes pode sair uma coisa absolutamente ridícula, tipo só gritos ou asneiras, mas com o tempo vais aprimorando. Funciona!

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!