quarta-feira, 14 de junho de 2017

Das analogias improváveis e daqueles posts longos com'ó catano


O meu primeiro carro foi um Fiat Cinquecento branco de 1994 (acho eu). Não tinha auto-rádio (o carro tinha sido da minha mãe e ela tinha medo que lho roubassem se tivesse auto-rádio... era capaz de ter alguma razão) mas tinha um discman a pilhas com colunas em vez de headphones. Acompanhou-me em horas incontáveis de casa para a faculdade, da faculdade para o trabalho, idas a casa da minha mãe, treinos de pólo-aquático tardios, latadas e queimas das fitas, viagens de férias, inícios de namoricos, meios de namoricos e fins de namoricos, fez mudanças de quarto de vários colegas e fez de autocarro todos os dias. Podia dizer que nunca me deixou mal mas estaria a ser mentirosa. Na verdade era preciso conhecer bem a peça para lhe pôr as mãozinhas: não aguentava o pára-arranca de um dia de trânsito e ficava logo com o termóestato no vermelho e não andava para mais lado nenhum; tinha de ter sempre um saquinho de fusíveis no porta-luvas para os dias de chuva em que os desgraçados se fundiam à velocidade da luz; os garrafões de óleo e água ficavam na mala para quando a temperatura subisse sem avisar. Apesar do tanto que ajudou a minha vida, não lhe consigo perdoar aquele verão em que fui, com mais duas babes, fazer uma viagem pela costa de prata, que, no meu caso, se chamava "viagem de dor de corno" (tinha acabado de ficar sem o meu primeiro namorado a sério e queria esfregar na cara dele e da nova namorada que estava super feliz e independente) quando fiquei com o carro a deitar fumo em plena A1 a 30 km de casa e as férias foram substituídas por uma cabeça de motor (e não pude esfregar nada na cara de ninguém...).


Nesta analogia, que tarda em chegar, eu sou o Cinquecento e o blog sou eu durante os tempos de faculdade. Este espacinho faz hoje 9 anos (9 anos caramba!!) e como é lógico já passou por muito: um doutoramento, quatro ou cinco mudanças de casa, enganos amorosos que terminaram com um tiro certeiro num tipo às direitas, mudanças de cidades, mudanças de trabalho, desemprego, filha n.º1 e filha n.º2. Mudanças de personalidades que foram desde a tipa que fazia bugigangas (ver, com um compensan ao lado, os primeiros posts), à que achava que um dia ia ser fashionista, à que tinha tantas opiniões que achava que podia dispensar algumas ao mundo, à cinéfila intelectual, à melómana vintage, passando pela "Martha Stwart" (versão pobrezinha que não desvia fundos), e pela guia de viagens daqueles destinos que já todos conhecem, já para não falar da fit-momma-runners-wh-cenas entre outras mil coisas que prefiro não elencar (para evitar vergonhas alheias). O blog manteve-se aqui, firme e hirto, disponível para as necessidades, e eu fui o carro em sobreaquecimento que volta-e-meia ficava parado; fui o veículo que deixou o blog na mão quando ele mais precisava para crescer; fui o discman que ficou sem pilhas quando o que era mesmo preciso era um sonzinho ambiente (não sei bem o que é que isto quer dizer mas saiu e vai ficar).

Ao longo destes 9 anos, já houve promessas de que isto ia crescer, já houve contactos para parcerias (a mais memorável de todas que, tal como as outras, nunca viu a luz do sol, foi a de um aspirador que vinha mesmo a calhar mas por inépcia minha ficou pelo caminho), já houve pedidos de divulgação de coisas e todo um conjunto de cenas com as quais não soube lidar porque, afinal, quem anda de Cinquecento quer é estar na descontra porque já chega o stress associado a todos os imprevistos que podem acontecer...


Confesso que sinto muito a falta de vir aqui com mais tempo, escrever o que me apetece, ser a tipa que se arranjava para ficar bonitinha, a que ia ao cinema, a que ouvia música nova, a que tinha muitas opiniões... mas depois a vida mete-se no caminho e acho que ninguém precisa de saber que há uns dias saí de casa com dois ganchos da Minnie espetados no meio da testa porque estive a brincar aos penteados com a Sardanisca e depois esqueci-me de os tirar. Que tudo quanto é comida e pasta de dentes aterra na barriga onde está a mais nova e sempre que olho para baixo tenho uma nódoa daquelas à la "trailler park". Ou que, estive dois meses sem arranjar as unhas porque com as mudanças e as limpezas associadas às mudanças não há verniz que aguente dois minutos. Que tenho os calcanhares a fazer inveja às lixas das rebarbadoras. Que divido o meu tempo entre o trabalho (que é muito) e a manutenção da casa e das nossas vidas enquanto tenho de me deslocar com uma bola de basquete de alguns cinco quilos, com dores nas articulações e tomar ferro, iodo e magnésio para ver se o corpo não entra em decomposição. O mais estranho disto tudo é que não me estou a queixar, apesar poder parecer que sim, e até estou feliz com a situação! Acho que tenho tudo e quilos de sorte por conseguir ter tudo (quer dizer, mulher-a-dias uma vez por semana era uma coisa que me podia deixar ainda mais feliz), mas acho que para o resto do mundo esta é uma realidade um bocadinho deprimente e sempre muito do mesmo... Ainda assim, não desisto de manter este cantinho aqui para o que der e vier. Gostava muito de lhe fazer um "pimp my ride" e pô-lo a parecer como uma coisa a sério e cheia de glamour mas sei que isso não vai acontecer num futuro próximo. Seja como for, vamos continuar a fazer um esforço para nos mantermos por aqui, apesar dos momentos em que o termóestato entra no vermelho e a viatura tem mesmo que parar.

Sei que há por aí umas quantas almas que vão mantendo um olho por aqui para tentar perceber se o carro está em cima de cepos ou se ainda dá umas voltinhas ao bairro, a elas digo: obrigada e mantenham-se por aí, não vá ser preciso chamar o reboque!

11 comentários:

  1. podíamos organizar um virtual crowfounding para um pimp my blog!!!

    tb devia fazer o mesmo (siggghhhhh)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que me parece uma óptima ideia!!

      BTW, adorei o post!! <3

      Eliminar
  2. Tão bom! Numa blogosfera descaracterizada e comercial, és uma lufada de ar fresco! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nem mais! não diria melhor ;)

      cris, inspiraste-me para um post

      Eliminar
    2. Ar fresco não diria, qu'isto há dias que me sinto uma velha carcaça! Mas obrigada!

      Macaca: já vi o post e adorei!

      Eliminar
  3. Opá, continuas a ter um dos meus spots preferidos da blogo tuga. Dou por mim a pensar que tb já embarquei muito nessa onda da pseudo Martha Stewart entre outras (ainda gosto de me achar pseudo artista - a ver vamos quanto tempo vai durar mais), e gosto deste crescimento e evolução, simples, humano, com dúvidas e crises de identidade. Estamos cá sempre! Parabéns (:

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. yey!! Assim vale a pena! uma pessoa fica com o humor lá em cima!! Obrigada Analog! Nós por aqui também gostamos muito do teu cantinho (e se tivesse 1/345345 do teu talento anda a escarrapachá-lo em tudo quanto fosse canto!)

      Eliminar
  4. Eu estou por aqui, venho sempre espreitar :) gosto do teu blog e não importa quanto tempo passas sem publicar, porque o blog não deve ter hora, nem obrigações. Quem gosta, fica na mesma :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada!! Sobretudo pela paciência e persistência!

      Eliminar
  5. Parabéns! Calada, mas por aqui, sempre. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. I know!! Também vou estando sempre à espreita do teu aquário! ;)

      Eliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!