quinta-feira, 24 de maio de 2012

Post dedicado ao senhor que hoje de manhã me chamou um nome feio...


...e a todos a quem a carapuça possa servir. 

Tenha calma! Sim estava distraída a roer a minha maçã e embalada pelo ritmo do para-arranca e não me apercebi que estava à espera para entrar na fila há... 3 segundos. Fez muito bem em buzinar, só falhou na quantidade de vezes que o fez, no tempo que deixou a sua mão a repousar no círculo fofinho no meio do volante com o sinal de uma corneta, na quantidade de gestos pouco simpáticos que fez e nas coisas pouco bonitas que disse. É que a resposta da minha parte seria exactamente a mesma que recebeu – um sorriso, a mãozinha que não estava a segurar a maçã a indicar o caminho e os votos sinceros de um bom dia – a diferença é que se que chateava menos. Tanta irritação logo pela manhã é coisa para lhe fazer mal. Havia de ver isso... Porque mesmo que seja um qualquer síndrome de “polegar pequeno” não é nada que com algum acompanhamento especializado não se corrija. É que para além do mais, nunca se sabe se está a insultar a mulher da sua vida (neste caso não corria esse risco) que irá encontrar numa qualquer situação em que esteja apeado e como é sabido, as mulheres não esquecem! 

Repare que se o caso fosse de uma valente abobrada – uma situação de contra-mão, excesso de velocidade, falta de piscas... – sentava-me ao seu lado com o dicionário de vernáculo e ia dando sugestões intercaladas com copos de água para não secar a garganta. Mas se é só uma questão de egos e teimosia, quer-me parecer que é tempo perdido. E isto faz-me lembrar aquele senhor que na rotunda também me buzinou como se não houvesse amanhã. Nesse caso o meu pisca estava feito e não havia dedo do meio que me pudesse mostrar que fizesse alterar esse facto ou a minha rota (uma vez que isso seria mais perigoso que magoar os sentimentos de macho latino ao volante do seu bólide). 

Em resumo, há poucas coisas mais tristes que um homem sem educação, chá, classe maneiras, o que quiserem chamar! Daquelas coisas que ou se não ou não se tem e não há Mercedes ou BMW que possam dar.

2 comentários:

  1. Clap, clap. Palminhas de pé para ti!!!

    ResponderEliminar
  2. também aplaudo!... nas aulas de código, deveriam ensinar algumas pessoas a serem civilizadas e gentis quando conduzem...!
    beijinhos da costa alentejana, Xana

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!