quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Dos pecados que fazem doer!






Começo a perceber as novas reacções do meu corpo o que, confesso, me dá alguma pica! Parece que estou a jogar a um jogo a questão é que quando perco a consequência é ficar a parecer um trombolho! Mas do início: desde Maio que cortei os lacticínios, reduzi drasticamente o glúten (o meu pecado maior era o pão, mas sobrando pouco para lhe pôr dentro deixa de fazer grande sentido incluir nas doses gigantescas em que o comia...) e o açúcar (especialmente o refinado), evito ao máximo comprar alimentos processados (que é como quem diz, alimentos empacotados) e aumentei consideravelmente o consumo de frutas e vegetais. Ou dito de outra maneira: a minha alimentação virou uma espécie de virgem ofendida (mas de vez em quando lá lhe dá para a malandrice porque ninguém é de ferro). Tudo corria bem até que, este domingo, o meu Pai veio almoçar cá a casa acompanhado pela sua Cara Metade, por uma mousse e um bolo. Ora, dizem as regras que não se deve fazer a desfeita às visitas e, por isso, lá comi as sobremesas que estavam de fazer chorar de tão boas! O problema foi o dia seguinte. Não era só o peso na consciência, a celulite nas ancas, o pneu na barriga! Como se uma gaja já não tivesse o suficiente com que se preocupar, agora, graças à AR, os meus pecados vêm acompanhados de inchaço e dor (o que, diga-se de passagem, é um óptimo incentivo a não mijar fora do penico)! Segunda-feira, quando acordei, tinha em vez de pés duas batatas e as minhas mãos pareciam um molho de brócolos. De cada vez que punha uma patinha no chão desejava um daqueles carrinhos eléctricos que os velhotes usam nos supermercados. Ontem a coisa já estava bem mais tranquila.
Parece-me claro que as alterações que fiz na alimentação estão a resultar e me ajudam a minimizar os sintomas mas também é claro que dificulta um bocadinho as escolhas alimentares, principalmente fora de casa. Para contornar e controlar o que como tenho optado por fazer o que posso, consigo e sei. Vai daí, já tenho a minha versão de "iogurte"*, de bolachas que matam o bichinho que dá vontade de roer**, e a granola***. Portanto, pelo menos ao pequeno almoço, tudo o que como é feito pela natureza e por mim. Dentro de dias irei converter a banheira em canteiro e na varanda vou começar a criar animais. Estou a brincar! Mas a verdade é que me sinto-me um bocadinho Amish no que toca ao que vou fazendo na cozinha e há coisas que já não imagino que vá mudar.
Desse lado, quem é que já se rendeu ao DIY alimentar?

* basicamente fruta, "leite" de aveia, sementes de chia e aveia moída;
** uma adaptação desta receita;
*** inventada por mim mas que me sai muitíssimo bem! fica mesmo mesmo boa!;

2 comentários:

  1. ai e eu ando a portar-me tão mal... nas férias descambou tudo... Venha Setembro com as suas rotinas (e força de vontade, espero!) para equilibrar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Descambar faz parte... depois entra tudo na ordem! Força!
      ;)

      Eliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!