segunda-feira, 20 de junho de 2016

Sou uma mulher mudada... aliás, se mudo mais viro homem!


Nada como estar com o rabinho apertado para começar a considerar mudanças mais drásticas na procura da normalidade. (Parece um contra-senso: mudar para voltar a sentir-me normal.) Nos primeiros tempos, depois de ter recebido os resultados das primeiras análises e de ter percebido que havia um problema autoimune associado a processos inflamatórios, comecei a ler tudo o que me aparecia pela frente. Logo nas primeiras leituras percebi que havia alguma consistência de opiniões no que respeita ao pontencial inflamatório de alguns alimentos. Avançando na pesquisa dei conta de que os lacticínios eram os grandes vilões desta história. A minha irmã, que adora um bom desafio e por isso assumiu esta empreitada como dela, disse-me o mesmo. Mais, que tinha uma amiga com AR que tinha banido os derivados do leite da dieta e que se sentia melhor assim. Eu torci o nariz. Relembro que era à minha conta que a indústria do leite sobrevivia em Portugal. Eu sou/era a gaja que vivia feliz e contente se no mundo só existisse leite, queijo, manteiga, iogurtes e tudo do que daí pudesse ser feito. Confesso que demorei até ter coragem para fazer a experiência de cortar com o que era mais querido... é que não era só o queijo e os iogurtes... os gelados, o chocolate... O CHOCOLATE!!! eu, que era menina para comer uma tablete de 200g como quem bebe um copo de água... Foi só quando o meu corpo deu o tilt (lá para Abril) que no desespero cortei com tudo que não fosse comida a sério. Acho que houve dias que rosnei e outros em que mordi. Enquanto eu ressacava pelas minhas tostas de queijo e pelas minhas torradas a pingar de manteiga, o meu homem ferrava o dente em tudo que era coisa boa. Mas resisti e as dores e as inflamações das mãos e dos pés foram desaparecendo. Não foi de um momento para o outro mas, na última consulta de reumatologia, nas vésperas do meu 35º aniversário, o médico achou que podíamos aliviar a medicação e, os comprimidos mais hard-core, ficaram só para SOS. Apesar do reumatologista ter dito que podia fazer alterações na dieta mas que isso podia não fazer grande diferença, o gastrenterologista disse que era capaz de ser boa ideia e que podia ajudar a resolver um outro problema que entretanto tinha surgido (não há forma bonita de dizer isto: diarreia aguda que durou mês e meio. Não é simpático) Tenho-me aguentado. Tenho umas dorezitas mas nada de outro mundo e tenho aproveitado para fazer experiências com a comida. Até ver os resultados não têm sido brilhantes. Se meto a pata na poça já sei que as vou pagar. Já entrei no mundo dos iogurtes e queijo sem lactose mas não resulta. Tenho andado a matar o bicho que coisinhas boas com fruta, mel, sementinhas, aveia, tef, quinoa, tapioca e tudo que possa absorver ou ter algum docinho. Não é a mesma coisa. Um bocadinho de mim morre quando passo por um frasco de Hagen Daz ou Ben 'n' Jerry's ou vejo aquela cor roxa e a vaquinha dos Milka mas é a vida. Há coisas piores... não mexer as mãozinhas é pior. Ter o estômago feito um passador à conta dos anti-inflamatórios é pior. Haja comida a sério, mel e manteiga de amendoim e a coisa resolve-se!

10 comentários:

  1. coragem miuda....been there done that!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É pá, se tu fizeste/passaste por algo semelhante e andas aí a dar "porrada" a tudo quanto é tri-atleta que se mete no teu caminho, então vou na fé!!

      Agora fiquei animada! Logo à tarde já treino com mais vontade!

      Beijinhos (é um orgulho e um exemplo miúda!)

      Eliminar
  2. tenho uma palavra para ti: curcuma (o mais poderoso anti-inflamatório do universo!)
    metes nos batidos, sopas e smoothies e nem que seja pelo efeito plecebo vais sentir-te melhor.
    beijos e coragem nesta demanda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que sejas muito bem-vinda Cláudia! Acho que ainda não te tinha visto por aqui! E vens logo com fantásticas novidades!
      Curcuma it is! Mais logo vou comprar e estudar para perceber como se usa. (Não queres deixar dicas? Fresco? Em pó? Rala-se? Corta-se às fatias? Usa-se como o gengibre?)

      Beijinhos e muito obrigada!

      Eliminar
  3. E de soja? Não sei é se o paladar é grande coisa!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isa, é só dos que como desde Março-Abril. Já encontrei a marca que mais gosto e, apesar de não ser a mesma coisa, até nem são maus de todo. Agora, docinhos daqueles de são bons... isso já são outros quinhentos... O creme de côcô até vai fazendo bem as vezes das natas mas ainda tenho muito que experimentar até conseguir matar o meu ratito... Que é do tamanho de um cão!

      Eliminar
  4. Força aí rapariga. Não é fácil, mas quando tem que ser... tem que ser. Esta porcaria de ir ficando mais "gasto" com o tempo e daí começarem a aparecer maleitas... não está com nada.

    Aconteceu-me, quando me apareceram os primeiros problemas no aparelho digestivo... endoscopias, análises e afins... diagnósticos feitos, tá de tomar medicação para o resto da vida e mudar radicalmente a alimentação e hábitos. Ai o meu rico leite com café e as torradas banhadas em manteiga... e isto era só para começar o dia, nem vamos entrar na secção da comida da mãe e sogra...

    É difícil(então para quem gosta de comer bem e de tudo), é! Leva o seu tempo a habituar, sem dúvida! Então aos novos sabores(ou falta deles)... pfff... Ter que reaprender a comer, é uma bodega, então quando és só tu que o tens que fazer e todos os outros à tua volta, continuam em modo alarve. Que nervos... e fome.

    O que é certo, é que hoje, como coisinhas saudáveis e amigas do aparelho digestivo(entre outros), na grande maioria da minhas refeições. Com os novos hábitos, pude reduzir a medicação e mesmo não a tomar em certos dias, voltei à natação e à corrida com muita frequência e principalmente, sinto-me bem e a "máquina" anda a funcionar bem.

    Vais ver que com o tempo, te habituas às novas dietas e aos benefícios que elas trazem.

    As melhoras e coragem.

    Beijinhos ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos de fazer uma almoçarada de cenas saudáveis e não deixamos o pessoal que ainda não tem uma treta com que se preocupar comer!! Para ver se eles gostam...

      O que vale é que a colheita de 81 é rija e aproveita tudo para ter um bom desafio! Vamos dar cabo disto tudo!

      Beijinhos também para ti André e que controles a tua "amiga" rapidamente!

      Eliminar
  5. Ah pois é... depois dos 35 em janeiro, também comecei com as maleitas... tu queres ver que foi do maravilhoso ano em que nascemos?!
    bem, uma das coisas que reduzi foi também o leite...oh e como me custa! eu que adoro uns bons cereais com leite até me dói... mas estou a sentir algumas diferencas! reduzi o leite (ainda não o aniquilei de vez!) e aposto nos meus iogurtes em vez dos de compra (mas ainda preciso de um litro de leite para os fazer...). o resto da alimentação desde a gravidez que passei a ter mais cuidados e a variar cereais, fontes de fibra e reduzir ainda mais a carne...
    boa demanda e aproveita para partilhares mais umas receitas, que tal?!
    beijinhos da costa alentejana, Xana

    ResponderEliminar
  6. Ora que venho aqui reclamar o meu lugar de leitora nº 7 que sim, tem estado um bocadinho ausente mas, nem por isso menos actualizada do que se passa pelo estaminé.

    Acho que desde que começaste a tua saga contra a AR que fiquei sem saber bem o que dizer. O primeiro impulso foi comentar como Fisioterapeuta que sou mas, logo me apercebi que tinha pouco a contribuir para aliviar os obstáculos que estavam a surgir. Assim fui ficando em silêncio mas acompanhando os progressos =)

    Fico muito contente que estejas a conseguir encontrar estratégias para ir dando uns "chega pra lá" nessa chata dessa doença.

    Abdicar do chocolate acho que me ia custar horrores mas já aprendi que o Homem é um ser de hábitos e bem...o que tem que ser tem muita força. Há 4/5 anos também andei bastante atrapalhada com um suposto Síndrome de Colon Irritável (sensívelzinha é o que é!) e desde então na pas de lait (e olha que era acérrima consumidora de leite). Tenho a grande convicção que os alimentos têm uma influência brutal em muitos problemas e que são frequentemente desvalorizados.

    Enfim...keep on with the good (and hard) work!
    Beijinhos*
    Sofia

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!