quarta-feira, 13 de abril de 2016

Oslo em três dias





Diz que fui a Oslo há umas semanas, mas provas disso, nada! Mas fui e tirei apontamentos para partilhar com vocês os três que ainda não desistiram de mim apesar dos sumiços (que têm razão de ser, a já conhecida AR e uma outra que verá a luz do dia, não tarda!).

Antes de mais o lema que norteia as nossas viagens: no-time & no-money para não me dizerem que vieram ao engano. Outra coisa importante: aparentemente nem em Lisboa nem na Noruega existem guias da American Express de Oslo, por isso a melhor alternativa é irem ao site Visit Oslo porque está lá a informação toda que é preciso.

Imaginemos então que temos três dias para passear por Oslo, um budget limitado e não temos medo de andar a pé nem de transportes públicos e vamos a isto:

Onde ficar
Karl Johans Gate. É talvez a rua mais central que permite chegar a todo o lado muito facilmente porque está a 10 minutos a pé da estação central (de comboios e autocarros), a outros tantos do palácio, a menos ainda de um passeio porreiro junto à água, tem um parque/jardim mesmo ao meio, ao longo dos dois quilómetros por onde se estende estão alguns dos monumentos mais interessantes da cidade e ainda, está a cinco minutos dos 3453 museus dos 908903845938 museus que a cidade tem. Para além do mais, há hotéis para todos os gostos e feitios (entenda-se preços) nessa rua ou nas adjacentes. Encontram-se também muitos restaurantes daqueles que há em todas as terras deste nosso mundo globalizado e provavelmente também dos outros, mas eu para esses não olhei. Como já é tradição para nós, comemos essencialmente do supermercado.



Mas vamos lá à ramboia!

Dia 1
No primeiro dia acho que o mais interessante é andar a pé. E a partir da Karl Johans o trajecto mais engraçado passa por subir ao palácio (que só dá para visitar no Verão porque no resto do ano está lá a viver a família real) e passear no parque (Slottsparken). Depois dessa voltinha dá para descer para junto da linha de água e aí, em chegando à praça central (Sentrum), estão já junto ao porto e há várias opções: o Nobel Peace Center e o edifício da Câmara Municipal (Radhuset). Se entretanto já viram tudo podem escolher ir para Este ou Oeste com garantia de entretenimento. A Oeste a paisagem vale por si mas há outras atracções: jardinzinhos, o museu de arte moderna (Astrup Fearnley Museet), bancas de comida e praias. Uma espécie de Parque das Nações! Eu fiz este percurso a correr e até me esqueci que estava meio congelada. Dando meia volta, e voltando a passar pelo Sentrum a coisa muda um bocadinho de figura. Mesmo juntinho à água está a fortaleza e o castelo (Akershus). É entrar à confiança porque não se paga e as vistas são boas. Dá para ver a cidade para norte (até ao Holmenkollen) e as ilhas que ficam mesmo junto à cidade. Continuem a andar por aí fora até passarem pelo o museu militar e é continuar até chegar ao edifício da Ópera e Ballet. Chegando lá vale a pena entrar, descansar, aquecer e desfrutar da arquitectura. Saindo do edifício e indo em direcção ao Hotel há ainda muitos pontos de interesse: a Catedral de Oslo e o Edifício do Parlamento. Em chegando ao hotel encham a banheira e deixem-se ficar de molho durante duas horas porque nesta altura do campeonato já têm mais de uma dúzia de quilómetros nas pernas.








Dia 2
Como o dia anterior foi dureza este é de descanso. Antes de mais, comprem o passe de um dia que, por menos de €10, vos permite andar em todos os transportes públicos (ferries, autocarros e metro). Depois voltem ao porto e escolham um Ferry e podem dar uma voltinha de uma hora pelas quatro ilhas que estão junto da cidade. Convém esclarecer que estes ferries servem para transportar pessoas e não para passeios turísticos. Há desses, mas como são três vezes mais caros, esta opção pareceu-nos a ideal. As ilhas não são muito diferentes entre si e vale a pena sair para visitar se estiverem numa de passear pelo campo e cheirar as flores. No dia em que fomos estavam zero graus e chovia. Optámos por ficar no quentinho.
Próxima corrida, próxima viagem de transportes públicos: ida de autocarro até ao Norwegian Folk Museum (€12). Basicamente, este espaço consiste num parque ao ar livre onde se pode ver a evolução das casas típicas da Noruega, desde a Idade Média até à actualidade. É engraçado se levarem os miúdos caso contrário é só uma espécie de Portugal dos Pequenitos para gente grande. Mesmo ao ladinho está o Museu Viking onde se podem ver três barcos vikings que são realmente impressionantes! Depois de tudo visto, ainda deve dar tempo para ir de metro/comboio até ao Holmenkollen Ski Museum & Tower. O passeio de comboio é giro porque dá para ter uma ideia da zona mais interior de Oslo que é bem gira e a chegada à torre e à pista de saltos também vale muito a pena por vários motivos: a vista sobre a cidade é incrível, o espaço do parque é supertranquilo e a zona da pista é majestosa! Nunca tinha estado perto de nada semelhante e o pessoal dos saltos de ski ganhou uma nova admiradora. Haja tim-tins para enfrentar aquele monstro. Já chega de passeio e é hora para um banho quente!










Dia 3
Voltamos a pôr os sapatos de caminhada e a encher o peito de ar. Não sei se o engano foi nosso, mas no caminho para o Jardim Botânico passámos por uma zona hardcore (a única?) e achei mesmo que ia ver os meus rins de perto. A coisa passou e chegámos inteiros. Uma vez lá, é aproveitar para ver o Museu de História Natural. Se gostam de viver perigosamente é uma opção. Depois subimos, passando pela Igreja de S. Edmundo, pela zona medieval e pelos cemitérios que são lindíssimos (Æreslunden), até chegarmos à Gamle Aker kirke. Chegando à Igreja é tudo muito tranquilo e vale a pena descansar um bocadinho. Se ainda têm coragem, é avançar até à Vigeland Sculpture Park e ver algumas das milhares de estátuas que há pela cidade, mas desta vez concentradas num único espaço. Voltando à zona central podem ainda ver o Museu de História fazer uma voltinha de reconhecimento pela Universidade (que tem os seus recantos e, incluindo a sala onde se fez a entrega dos prémios Nobel até à década de 60). Ficou pouco por ver, por isso aproveitem e vão até um cafézinho (há uma pastelaria mesmo a meio da Karl Johanson que dá para um centro comercial que vale a pena) e revejam as fotografias!



E assim está feita mais uma visita relâmpago. Agora é esperar pelo filminho.

4 comentários:

  1. Pois pois... Oslo é um dos destinos q temos marcados para ir!! Já agora... Foram só os dois ou levaram a sardanisca?! É que nós estamos a pensar ir os três! Já fomos com o rapazola até Barcelona e correu muito bem... Mas tinha acabado de fazer 2anos e andou muito de carrinho... Agora já tem três e a coisa é muito diferente!!!! Beijos e bem-vinda!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fui primeiro, a trabalho e depois o homem foi lá ter e daí os três dias (quando na realidade estive lá mais tempo). A piquena ficou. Vamos agora no início de Maio à Holanda os três e aí é que vamos ver. Vai ser a primeira viagem dela. Depois conto como foi!

      Eliminar
  2. Adoro estes posts de viagens relâmpago...e dias cinzentos de países e sítios que nunca visitei :)

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!