segunda-feira, 5 de outubro de 2015

"A ver a luz..." ou "este post é cheio de reflexões e cenas mais ou menos profundas "a la" Karaté Kid"



Esta história das corridas tem-me feito pensar muito. Aliás... acho que só agora é que comecei realmente a pensar em coisas importantes. Vou tendo a sensação que até que até deixei-me ir e que só agora é que estou a tentar perceber para onde... A boa notícia é que acabo por ter um cérebro particularmente bem conservado para alguém com 34 anos... a má... não quero pensar nisso... um passo de cada vez porque ainda me estou a habituar a esta coisa de procurar respostas para o que não faz sentido.
Andava-me a chatear o não evoluir... há mais de dois anos que ando a correr de forma regular e, cíclica e sistematicamente, acabo por desistir ou acontecer alguma coisa (coincidência das coincidências) que me faz voltar à estaca zero. E aquilo andava-me a chatear... Sabia à partida que eram tretas da minha cabeça e do meu feitio (acho sempre que serei a pior em tudo mas vou a jogo quanto mais não seja para confirmar e me rir um bocado disso... uhmm... alguém tem o contacto de um psi?) mas queria ver se arranjava maneira de sair da cepa torta. Vai daí, depois da minha parceira de corrida me dizer que havia um livro muito interessante que eu devia ler mas do qual ela não se lembrava o título, fui-me pôr a fazer pesquisas na net... Inicialmente a ideia era pesquisar técnicas para melhorar na corrida mas muito rapidamente percebi que afinal as estratégias mentais que os bons atletas desenvolvem se aplicam muito facilmente ao resto da vida porque, convenhamos, em tendo duas pernas e dois braços (ou até menos) minimamente saudáveis o resto está na cabeça... Neste momento estou a acabar de ler o The champion's mind: how great athletes think, train, and thrive e o pobre do livro está sublinhado de uma ponta à outra. É capaz de não ser o melhor livro, é provável que haja outros muito melhores, mas para já está a ser um abre olhos importante para mim. Faço desporto desde os 6 anos (12 de ballet, 10 de natação, 6 de pólo aquático) e nunca fui boa em nada... mas como também, sem fazer grande esforço não era a pior, acabava por me deixar estar e encarava os treinos como momento de convívio... assim como que vai para o café. Só agora percebo o quão longe estava de perceber o tanto que implica ser bem sucedido em alguma coisa... Apesar de achar que estava (estou?) a anos-luz de me tornar uma daquelas pessoas que dá o litro até ser bem sucedido e que não desiste até ter conseguido o que queria, houve uma passagem que me deixou a pensar e um bocadinho mais esperançada "If you can spot greatness in someone else, then you already have some greatness within you, because only a person with similar traits can recognize those traits in others. Think, 'If I can spot it, I've got it'".

Quem diria que pôr um pé à frente do outro, mais ou menos rápido, tinha tanto que se lhe dissesse!!

(nota mental: o próximo post tem que ser bem levezinho para o pessoal se esquecer desta charopada...)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!