terça-feira, 15 de setembro de 2015

Fiz uma espécie de feng shui ou armário... ou qualquer coisa do género - o resultado

Ontem foi dia de luta! Eu contra o meu armário e a minha vontade de guardar toda a roupa de que gosto apesar mesmo que esteja cheia de borboto, coçada e seja apropriada a uma criança de 12 anos. Há, por essa internet fora, mil dicas de como organizar o armário mas, se como eu, tiverem só metade de um armário, não se esqueçam de incluir na pesquisa "small spaces" caso contrário vão ver coisas giríssimas mas que ocupariam toda uma casa. Como de costume fiz a minha adaptação do que fui lendo mas as dicas que mais gostei foram esta e esta.
Peço desde já desculpa pela péssima qualidade das fotos e pela incapacidade de fazer um enquadramento mais bonitinho... O fotografo que normalmente me acompanha hoje estava de folga. Caso não tenham pachorra para ler tudo, dêem um saltinho ao último parágrafo e contribuam para a minha causa: explicar ao meu homem que sou uma gaja normal.

O meu método foi simples: tudo o que não servia, ficasse mal, não usasse ou estivesse estragado e sem remendo possível não entrava no armário. Uma vez seleccionadas as roupas tratei de lhes dar alguma dignidade... confesso que muitas vezes as t-shirts iam parar à gaveta sem estarem dobradas, as calças eram penduradas como calhava... Com esta reforma arranjei cruzeta e espaço para que cada peça possa aparecer e eu conseguir ver tudo o que tenho. Acho que agora o armário respira melhor e, de certa forma, a ideia de que tudo o que lá está é bom, torna a tarefa de saber o que vestir mais fácil. À medida que ia fazendo a selecção ia registando as peças básicas que não tinha mas fazem falta. Tenho uma lista toda catita para atacar os saldos com foco e propósito. Depois disso, fui escolher a roupa que já não iria vestir e escolhi o que podia dar e o que podia descansar em paz. E foi assim!


Ora... esta é toda a roupa que tenho... Verão, inverno, pijamas, desporto... está tudo aqui (menos o que está na casa da Nazaré que são só algumas mudas para não andar sempre com as malas atrás). Confesso que depois de pôr tudo em cima da cama congelei sem saber por onde começar... e cheguei a pensar se não devia ter avançado por secções... Agora que a tarefa está concluída até acho que não foi má opção.


Resolvi começar pelos sapatos. Alinhei-os e comecei a escolher. 4 pares foram à vida, uns botins pretos da Fly que já contavam com uns 6 anos de muito uso, uns botins castanho da Camper que eu adoro, que calcei umas 12 vezes e com que me espalhei umas 13 porque me apertam tanto os pés que deixava de os sentir, umas botas e um loafers da Zara que cumpriram com honra o seu tempo na Terra mas que já mereciam descanso. Entretanto dei conta que "tenho" de comprar alguns sapos específicos para estar preparada para todas as ocasiões. Depois da selecção, os 4 pares foram para um saquinho para doar e os restantes para as caixinhas dos sapatos guardadas no armário da entrada. (Note to self: lavar as sandálias antes de fotografar para não se verem as marcas dos pés).

Na realidade faltam aqui duas carteiras castanhas: uma que estou a usar agora (mais de Verão) e outra que vou começar a usar entretanto (mais de inverno). Deste monte duas foram procurar melhor dona. A carteira amarela por falta de uso e a preta da frente por excesso já não moram comigo. Cheguei à conclusão que, também neste caso, preciso de investir em duas carteiras pequenas uma preta e outra castanha (a da imagem é de plástico... serve mas é um bocadito chunga). Ficou registado para a eventualidade de na sexta ganhar o euromilhões. 

Aqui temos já a selecção feita: casacos (só um trench coat é que não passou no teste); vestidos (não preciso de mais!! e houve uns desgraçados que finalmente encontraram a paz eterna depois de terem sido explorados até ao tutano) e ainda descobri que estou safa para os próximos casamentos, baptizados e afins; t-shirts (estou satisfeita, não preciso de nada e o que estava nas últimas seguiu viagem).

Lãs e casacos de malha... Pois... aqui é que a coisa é complicada... Ando sempre com um casaco de malha, normalmente básico, mas os meus para além de estarem muito surrados são básicos de mais. Enchi-me de coragem e expulsei-os da minha vida... Mas a verdade é que não sei como comprar casacos que sejam versáteis o suficiente para poder usar com as minhas t-shirts e que não sejam tão enfadonhos que me deixem em coma profundo... Se alguém tiver alguma dica a malta agradece. Sobreviveram os da imagem e dois deles, ao contrário do que ditam as regras da destralização e arrumação de armários, são para usar em casa.
Comprei o sistema de arrumação do Ikea para pôr as calças (diz que se devem dobrar e não pendurar, o que para mim foi uma novidade... e dos pares que tinha tirei dois), as malhas (duas camisolas não se safaram), os pijamas (estive a fazer conjuntos aceitáveis para não parecer uma sem-abrigo quando estou em casa), a roupa de desporto (ui... falta tanta coisa) e as carteiras.


No armário ficou só o que está a uso até que venha o tempo mais frio. Tudo o resto foi arrumado para não me confundir. E o resultado final foi este!
Depois desta empreitada ainda fui contar o número de peças que tinha no armário para perceber se ainda tinha coragem para estruturar o meu armário cápsula e cheguei ao fantástico número de 42 peças (sem contar com a roupa de dormir e de correr)... Para as 37 ainda teria que editar mais qualquer coisa e não tinha coragem. Fica para a próxima.

As peças que ainda estavam boas (algumas delas foram vestidas 3 vezes) foram empacotadas e vão ser doadas.

Posto isto, o que é que é realmente importante: que expliquem ao meu homem que não tenho assim ttttaaaannnnntttttaaaa roupa nem ttttaaaaannnnntttttooooosssss sapatos... Temos que ser umas para as outras, não é verdade!

9 comentários:

  1. De vez em quando também faço essas revoluções.
    E se o teu homem ler isto: acredita que tens muita sorte, a tua mulher é mesmo minimalista comparada com o resto do mulherio. Safava-se bem com pouco e se fores contar se calhar até tens tanta roupa como ela.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está a solidariedade feminina em acção!!... para ser muito sincera... não me importava de safar com mais!! mas infelizmente não tenho dinheiro e felizmente não tenho espaço!

      Eliminar
  2. Estou desarmada pela tua capacidade de edição. Diz ao teu homem a sorte que tem!

    Eu nunca fui capaz (até hoje) de uma empreitada destas. O que me vale é que temos vários roupeiros em casa... e tenho um homem que é bem capaz de ter mais roupa que eu - sapatos tem de certeza! :)

    Parabéns, foi obra!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas sabes que a falta de espaço é um óptimo impulsionador do minimalismo... Se tivesse mais espaço não sei não...

      Eliminar
  3. Que coragem!!!

    ADOREI as tuas dicas e a forma como te organizaste. Acho que vou fazer o mesmo quando mudar as roupas de estação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que as dicas foram úteis! E a mudança de estação parece-me ser mesmo a altura ideal porque não há como fugir!
      beijinho

      Eliminar
  4. Depois da canseira em que fiquei com a tua loucura...só me lembro de dizer...valha-me deus que a mulher ficou louca :D :D
    É que é preciso ter coragem para uma empreitada dessas...
    Muito bom o resultado final!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É preciso uma dose de loucura, de coragem... mas no final sabe muito bem!

      Eliminar
  5. Ora bem! Loucura e coragem andam de mãos dadas, vai daí só te posso dar os parabéns! Aqui por casa tenho feito por secções e a coisa resultou! Tinha coisas desde os 16 anos (!!!! Uau!!!) q estão óptimas e uso e outras q não sei onde tinha a cabeça quando as comprei... Seleção feita e o meu homem cá de casa reparou logo na mudança.... Mais leve foi como me senti!
    Beijos e força nesse destralhar!!!

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!