terça-feira, 25 de novembro de 2014

Das coisas que não nos dizem...


Quando as pessoas se casam diz-se que casam também com as famílias dos respectivos... Isto a meu ver, que por sinal nem sou casada, é peanurs (grande JJ)! Tramado, tramado, e que ninguém nos diz, é que também casamos com o trabalho da nossa melhor metade... E aí é que a porca torce o rabo! Para quem tem empregos certinhos das nove às cinco e que ficam durante a noite longe da vista e do coração, imagino que o stress não seja assim tão grande. Basta controlar se a lambisgóia dos recursos humanos não se quer afiambrar ao nosso homem e pronto. Agora, para quem tem horários malucos é do caraças! Cá em casa a coisa é mais ou menos caótica... Ele vira e mexe tem que passar as noites a trabalhar e não pode dizer que aos patrões "é pá... hoje a miúda está doente por isso vou meter aqueles dias a que tenho direito para tomar conta dela. Muito agradecido e adeus e até ao meu regresso." porque se for dia de reunião com o cliente, de gravação ou de qualquer outra coisa esquisita o barco pára! Se ele não pode, então há que desmarcar as outras trinta pessoas que já estavam comprometidas para esse dia e para os seguintes... Escolher hora para marcar reuniões está fora de questão porque quem tem o carcanhol é que manda! No meu caso a coisa não é muito diferente... as aulas estão marcadas e a minha falha afecta muitos alunos... dependendo dos dias, perto de 100 (isto para não falar das reuniões (esse flagelo silencioso que aos poucos nos vai matando... de tédio), tutorias, estágios, teses...). Para a maior parte das pessoas esta noção de que falharmos no trabalho é coisa para ser grave não é entendida... Não me esqueço da cara de asco que, há coisa de um ano, a senhora da secretaria do centro de saúde fez quando lhe disse que não queria o papel para a justificação de faltas queria era que a miúda fosse vista e que tivesse luz verde para ir para a creche a tempo de eu chegar ao trabalho sem faltar. Ainda me disse que eu tinha direito a faltar... Eu desisti de a fazer entender que faltar dá mais trabalho do que ir trabalhar! Felizmente temos conseguido desencontrar os picos de trabalho: quando está ele aflito eu seguro as pontas e quando estou eu vice-versa... até ontem! Ele com reunião e eu com aulas e entre o fim do compromisso dele e o começo do meu muito pouco tempo de intervalo e um trânsito de cortar os pulsos a ajudar à festa. Não podia esperar por ele em casa com a pequena porque depois não chegava a horas e os avós estão a várias centenas de quilómetros e não nos podiam valer... Pouco faltou para atirar a miúda pela janela do carro, quando nos cruzámos na A5, para ver se ele a apanhava... E depois a angústia de quando as coisas correm menos bem ao outro e não há nada que possamos fazer a não ser muita força e tentar que a vida não o atrapalhe... Isto um dia acalma, certo?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!