quarta-feira, 25 de junho de 2014

Cá estaremos para quando (se) ela mudar de ideias


A minha filha dá beijinhos a pedido: ao bebé do livro, ao urso de peluche, à bola de basebol que tio trouxe dos states (e que ela adora), ao Walter White da t-shirt do Pai. Quando nesta sequência pedimos um beijinho ao Pai/Mãe só muito raramente não levamos com um virar de cara acompanhado de um "nnnããããhhh". Por momentos tivemos esperança que esta nova fase, a dos abracinhos, fosse diferente. Dá abracinho ao xilofone, ao livro "1333 perguntas para fazer ao seu pediatra", à maçã que está a comer e à chucha. Dizemos "dá um abracinho ao Pai/Mãe" somos brindados com um chega para lá... Mas pronto, está registado que houve um beijinho voluntário!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!