terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Ecological baby steps III


A malta não é "ricas"... nada disso... longe disso! E além do mais tem o sonho de poder investir na formação da miúda e dar-lhe a oportunidade de ter experiências porreiras: pô-la a viajar, a aprender música, dança, a fazer desporto... E se é para investir nisso, não é para investir noutras coisas que podendo ser girinhas, têm pouca serventia para o crescimento. Por isso, a questão financeira também entrou em consideração na nossa escolha (e noutras que estamos a fazer). Vejamos:

Economia:
- As fraldas reutilizáveis custam os olhos da cara! Um pacote de seis fraldas custou-nos quase €80 e convenhamos que seis fraldas não são suficientes. Teríamos de comprar no mínimo outro pacote igual. Aqui tivemos alguma sorte. Na altura que comprámos as fraldas, estava a acontecer a feira do bebé do Continente. A promoção para estas fraldas implicava 50% do valor do produto em cartão. Ora, com o dinheiro que já tínhamos em cartão, mais aquele que ficou depois da compra, conseguimos trazer outra embalagem a custo zero.

- Vamos assumir, para facilitar, que cada fralda descartável custa €0,20 (fiz a média a partir de uma embalagem de uma marca barata de 108 unidade a €20). Ora se cada bebé precisa de uma média de 5 fraldas por dia (mais uma vez, números redondos e "por baixo") então ao fim de um mês teria gasto em fraldas descartáveis €30. Ora eu, em teoria gastei €160 (quer dizer... gastei €80, mas porque tive a sorte de aproveitar a promoção) em fraldas, daqui até que a miúda aprenda a ir à casa de banho. Isto quer dizer que ao fim de seis meses já recuperei o dinheiro que investi e não terei de gastar mais. 

- Sei que as contas não são assim tão lineares! Aliás, tenho um pacote de 100 fraldas descartáveis tamanho 2 e outro de tamanho 3 que conto usar em viagem, férias, emergências... E nada me garante que no infantário vão na conversa das fraldas reutilizáveis. Mas ainda assim, fico longe dos cerca de €400 (€360, vá...) que se gasta em fraldas por ano! Logo, a pequenita pode contar com um mealheiro mais gordinho!

- Quando/se vier outro rebento, este investimento está feito e não precisa ser repetido!

- No que respeita às toalhitas, devo dizer que também comprei um pacote gigante das ditas cujas que vai andar no saco das mudas, mas a ideia é em casa usar os panos turcos.

- Contas: com €3 compram-se metros suficientes de pano turco para se fazerem mais de 20 toalhitas. Ou seja, na loucura, com €20 temos toalhitas até à criança ir para a tropa. Com €3 compra-se um pacote de 50 - 70 unidades. É possível que este pacote dure meio mês. Com os €20 compramos 7 pacotes (estou a ser generosa) de toalhitas o que quer dizer que ao fim de três meses o investimento está pago.

14 comentários:

  1. Eu ponderei a questão das fraldas descartáveis, a história dos 500 anos até desaparecerem é coisa para me dar urticária só de olhar para os pacotes que já cá tenho em casa mas, com toda a franqueza, não consegui enfrentar o desafio de ainda ter para lavar milhentos panos absorventes que - carregadinhos de chichoca e, como diz a enfermeira do curso pré parto, caquinha líquida - não podem ir misturados com mais roupa nenhuma. Quanto às toalhitas turcas, já pensaste usar algodões desmaquilhantes de marca branca (há-os redondos e ovais, ligeiramente maiores), bem acessíveis no preço e de certeza com uma pegada reduzida? Ao menos não tens de os lavar e poupa-se água...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já não és a primeira a falar-me dos algodões desmaquilhantes... tenho que pesquisar o assunto, quanto mais não seja para os dias sem pachorra! Quanto ao resto... olha, logo se vê! Imagino que vão existir vários dias em que vá dar com a cabeça na parede até ganhar juízo, mas até a acontecer vamos ter esperança!

      Eliminar
    2. Acredito piamente que cada um tem paciência para o que quer, portanto, sendo uma decisão conscienciosa, força, vais ver que nem te custa assim tanto! Mas vê os algodões, ou até os toalhetes de que falam noutro comentário, acho que são uma aposta equilibrada.

      Eliminar
  2. Tenho este livro e recomendo. Estou muito fã do vosso entusiasmo e espero que se mantenha e cresça!
    http://www.civilizacao.pt/livro/livro.aspx?ean=9789895506972

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então Raquel, já que estás a partilhar do entusiasmo, tenho uma missão para ti: relembras-me dos aspectos positivos dessa nossa escolha quando eu começar a dizer mal da nossa vida por termos feito esta decisão? Conto contigo!

      Eliminar
  3. Vou fazer os possíveis.

    Quanto ao algodão desmaquilhante não sei mas lembrei-me de uns toalhetes biodegradáveis e biológicos que sei que se vendem no Jumbo e o preço não varia muito dos clássicos que toda a gente compra. Aliás, já comprei uma vez para os sobrinhos e gostei bastante, cheiram a chá verde!

    ResponderEliminar
  4. Palavra de honra que aprecio quem tem este posicionamento. Parabéns! E muitos parabéns pela menina! Que corra tudo bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos lá ver... A motivação está cá, assim a nossa cachopa colabore com os pais de primeira viagem que lhe saíram na rifa!

      Eliminar
  5. Antes de mais, parabéns pela pequenina e força nessa escolha ecológica (eu não sei se conseguiria ser assim tão ecológica, mea culpa). Decidi comentar este post especialmente porque falas da ida da bebé para a creche e é aqui que o meu interesse pessoal se foca, uma vez que sou Educadora. Hoje em dia já há muitos Pais a tomar a mesma decisão que tu e como tal as creches já estão (ou deviam estar) preparadas (mentalmente e fisicamente) para receber pais e crianças que não são tão mainstream nas escolhas. Se te disserem que não fazem isso, dá meia volta e sai (isto é só uma opinião, como é óbvio) porque hás-de encontrar quem aceite muito bem a ideia. Aliás, hoje em dia há imensas crianças com pela atópica e às quais o rabinho é lavado apenas e só com água morna corrente por causa dos quimicos das toalhitas. Em relação às fraldas o importante é explicar como funcionam porque as funcionárias e a educadora podem não conhecer o mecanismo. Na relação creche-casa o mais IMPORTANTE é sempre a comunicação.

    Enfim, desculpa o testamento e parabéns novamente.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onisa! Muito obrigada pelo teu post! Sabes que só agora é que começámos a pensar mais a sério na questão das creches e nesse capítulo (como na maioria dos restantes) estamos a zeros (é o primeiro/filho/neto/sobrinho/primo em mais de década e meia), por isso, todas as contribuições são muito bem-vindas! Eu, se não me tivesses alertado para isto achava que era normal não quererem fraldas diferentes, ou rituais de higiene diferentes, por isso a tua opinião abriu-me uma nova perspectiva! Por isso, deixa mais "testamentos" porque serão sempre muito bem-vindos!

      Beijo grande e mais uma vez muito obrigada!

      Eliminar
    2. Ainda bem que serviu para alguma coisa o testamento ;)

      Há creches que provavelmente não vão gostar muito da situação (dá mais trabalho e tal) mas não é nada de estraordinário porque já há muitos Pais que tomam a mesma decisão que vocês (especialmente na questão das toalhitas, porque aquilo realmente é agressivo para a pele, tem muita concentração de álcool). Mas desde que leves o algodão não deve haver problema.

      Se puder ajudar a tirar alguma dúvida sobre as creches é só dizer. Beijinhos

      Eliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!