quarta-feira, 16 de março de 2011

Quem canta espanta os males e não só

Na minha cabeça, canto que nem um rouxinol! Mas canto mesmo! Não há nota que me escape e o timbre está ali entre uma Nina Simone e talvez uma Lisa Hannigan (sim... que eu não faço a coisa por menos). Ora, isto é tanto mais verdade, quanto mais alto for o volume da música. Só para confirmar este meu talento, resolvi fazer um teste: vai de colocar os heaphones na cabeça, escolher uma musiquinha "fácil", volume bem alto, ligar a câmara do Mac e vai de gravar em filme o grandioso momento... o detalhe, é que a imagem da câmara estava minimizada, para eu estar mais descontraída.


Depois de revista a performance, fiquei em êxtase... sem reacção... quase que chocada... então não é, que se tiver de me desenrascar a cantar, até sou capaz de fazer uns trocos!! É que não tenho a mínima dúvida, que qualquer pessoa pagaria e bem, para eu estar caladinha e me limitar ao discurso simples... assim... sem tentativas de entoações melódicas...

Se precisarem de fazer mal alguém, os meus dotes vocais são uma arma poderosa!

(Até deixava aqui o filminho, comigo a cantar, de pijama, remela no olho e olheiras até ao queixo... mas acho que a humanidade já teve desastres que cheguem para as próximas décadas)

2 comentários:

  1. Acredita que não estou a ser garganeira quanto te digo isto: virava o vídeo mais visto da internet num piscar de olhos... mas pelos piores motivos! É melhor não!

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!