quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

La mala educación


A má educação é uma coisa que aborrece e quando combinada com a arrogância, mesquinhez e ignorância, torna as pessoas patéticas e insuportáveis. Dada a impossibilidade de correr à bofetada estas alminhas mal formadas e respectivos progenitores, só me resta implorar a todos os professores (classe que me merece o maior respeito e admiração) que as vão apanhando ao longo do percurso académico, o favor de não lhes alimentarem o ego e a mediocridade... é que depois chegam ao ensino superior e para além de não perceberem a necessária assimetria na relação professor-aluno, de acharem que devem ser recompensados por irem às aulas, de considerarem que a um nível de aprendizagem complementar, devem ser valorizados pelo bom comportamento (?!?), ainda se dão ao luxo de verbalizar pérolas do género: "esta nota é injusta, porque no liceu os professores até achavam que eu era muito boa aluna". Bem sei que a arte humana, mesmo dos melhores dos preceptores, só vai até onde a matéria prima permite, mas ainda assim...

5 comentários:

  1. Tal como aqui. A educação é de tamanha importância e sofre tamanho descaso. Por parte dos professores, dos alunos, dos pais dos alunos e principalmente dos governantes. Eduação é a base de tudo, é a solução para tudo. E merece mais empenho.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  2. Bom saber que não sou a única a ter esta convicção!!

    ResponderEliminar
  3. Sabes, agora o comportamento de certos alunos é de tal modo aberrante e os castigos de tal forma difíceis de implementar que o bom comportamento dentro de uma sala de aula não é uma obrigação: é algo digno de ser elogiado e recompensado. E o "opinionês" é a nova linguagem das crianças, sendo que elas, do alto da sua importância, têm opiniões (não só válidas mas correctas) sobre a generalidade das coisas e, como um nosso conhecido governante, "nunca se enganam e raramente têm dúvidas".

    ResponderEliminar
  4. Goldfish: eu acho fantástico que se alimente a auto-estima das "crianças" e que elas tenham a capacidade para se fazerem ouvir (acho que nesse aspecto a nossa geração era mais acanhada... mesmo quando tinha razão), mas prevejo maus resultados para quando entrarem no mercado do trabalho. Como é que vão perceber que há uma hierarquia e que há pessoas que mandam e que é preciso saber distinguir teimosia de razão e razão de arrogância... A minha mãe diz e só há relativamente pouco tempo é que percebi: "mais vale "apanhar" em casa do que na rua", isto é, mas vale ouvirmos raspanetes, sermos repreendidos, irmos de castigo, em casa, imposto por quem nos quer bem, do que ouvir na "rua" que somos mal educados...

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!