quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Mundo ao contrário



Tenho vindo a descobrir, que ao contrário do que pensava, à medida que o tempo vai passando, não me torno uma pessoa com mais jogo de cintura ou com abertura suficiente para lidar com situações estranhas! E nem sequer o relativismo cultural que tenho entrenhado, me safa dessa condição de incapaz. Por isso tenho optado por deixar o Ver(de)água, num Ver(de)esperança, tipo bola de sabão que não rebenta! Por isso, e porque não sei o que dizer em relação aquelas notícias em que ficamos a saber que há um homem que acha que pode enfiar 50 agulhas no corpo de uma criança de 2 anos, ou em relação à posição de camarote em que todos assistimos à morte lenta de uma mulher!

1 comentário:

  1. Quanto à incrível notícia das agulhas, não entendo a frase em que se diz: ainda não se conhecem as causas do crime. Não se conhecem? E se se conhecerem? Atenua alguma coisa?

    O caso do Sara Ocidental, junto com o caso do Curdistão são os melhores exemplos do esquecimento de 2 povos pela imprensa e opinião pública (seja lá o que isto seja) internacional. Ainda hoje, as guerras continuam a ser por terra, por um pedaço ou pedacinho de terra...

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!