quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

E (pelo menos até Junho) não falo mais deste assunto

Ora então a sessão de ontem foi muito engraçada, depois de passar por um mar de jovens com menos 10 anos e mais 20 cm [senti-me meia anã... o que é que andam a pôr na comida desta gente?!], lá comecei a ver o filminho! Às tantas, já a meio da sessão, dei por mim a pensar, que havia alguém - ainda que no mundo da ficção - com mais tendência para asneira do que eu, no que diz respeito à escolha das companhias românticas!!!

Ora então a miúda primeiro fica completa e totalmente apaixonada por um vampiro que resolve que pode tomar decisões por ela e põe-se na alheta para não a magoar e deixa a miúda a bater mal! Mas mal mesmo!



Depois, começa num fogacho com um jeitoso de um lobisomem, que num dia promete-lhe que nunca a vai fazer sofrer e no dia a seguir não lhe atende o telefone nem responde às mensagens* e mais uma vez deixa a miúda na merda!



Muito bonito! Na escolinha a que dos rapazes vão, no capítulo onde aprendem como se relacionar amorosamente com uma mulher, devem, a determinada altura do programa, dizer-lhes:
"- ... e se vocês gostarem mesmo muito da rapariga, então sintam-se à vontade de decidir por ela, evitando que ela sofra"!

Wrong! Se somos todos crescidinhos, temos todos a capacidade de escolher se queremos ou não arriscar sofrer, e além do mais, esse tipo de decisões machistas e ditatoriais só serve para magoar, porque caem do céu aos trambolhões e não fazem sentido! (...mas também é verdade que há miúdas que gostam que se escolha por elas e assim sendo, go ahead!)



Veja-se o caso do vampiro e da miúda. Tanto estrilho, tanto estrilho, para depois se agarrar à piquena a dizer que afinal gostava era dela! E quê? É suposto a miúda ter um interruptor no coração e ir alternando a posição do "he loves me" com a do "he loves me not"?!?! Então e o lobisomem, "ah e tal, que eu posso magoar-te e tralará" e vai na volta atraca-se à garota e força a barra para além do necessário, mesmo a saber que ela gosta é do vampiro?!?! Moço, mesmo que ela corresponda, isso nunca vai a lado nenhum! Atina!

Vampiros deste mundo, vamos lá ver se nos orientamos: ou bem que sabem o que querem, agarram na miúda pela mão e vão os dois à luta, ou bem que bazam** do cenário e não andam praí a brincar com a cabeça e com o coraçãozinho das jovens! Combinado? Lobisomens: até podem ser os tipos mais lindos, maravilhosos e queridos deste mundo, mas se a miúda está numa de vampiro, por muito sem sal, inconstante e perigoso que seja, não há nada a fazer, por isso, não façam nada! Andar a rondar, pedir e dar bola demais só vai fazer com que a miúda calce as sapatilhas de jogging e se ponha a milhas! Boa?

* mas aqui ela foi estúpida!! toda as raparigas sabem que no máximo, manda uma mensagenzita, do género "'tou nem aí", em alguns casos pode-se até tentar ligar, mas mais que isso cheira a desespero e não há monstro nenhum, mesmo jeitoso como o rapazito que vira lobo, que mereça!
** mas talvez se possa abrir uma excepção para os monstrinhos do gabarito dos do filme... só para lavar a vista de vez em quando... Não, não, sem excepções!!!!

3 comentários:

  1. Nada mais triste que o "porque o problema não és tu, sou eu... que não te mereço... que não dá, porque és tão (adjectivo variável)".
    Primeiro, o melhor é dar início ao discurso com a breve perguntinha "E inteligente? Achas que também sou?" Invariavelmente, a resposta que se segue é um "Ohhh... siiimmm (só lá falta o carino)". E aí, vai de atacar sem dó nem piedade com "Então importas-te de me conceder a graça de me deixar decidir a minha vidinha?" ¨
    Segundo, dá-me um nó no cérebro o "ora agora falamos todos os dias", "ora agora falamos quando o Rei faz anos". Se o objectivo é ver se a tipa está a gostar, não vale a pena fazê-la penar: se ela responde e ainda por cima é simpática, gosta, ora bolas! Se ela também se cala quando ele entra em fase de autismo, o mais certo é estar a tentar perceber "o que é que se está aqui a passar", seguindo todas as mezinhas caseiras que a impedem de dar a mãozinha delicada à palmatória porque uma menina fica sossegadinha (às vezes não aguentamos, mas o silêncio não significa que não estejamos em pulgas e com vontade de explodir num "Fala um bocadinho comigo").
    Terceiro, quando a miúda está numa de Vampiro, normalmente só se o Lobisomem for muito duhhh é que não percebe. Portanto... se se consideram inteligentes e não perceberam nada, se calhar ela não está noutra!!!
    E pronto... mais que isto só mesmo com um manual de instruções ilustrado com esqueminhas manhosos!

    Beijinhos e saudadinhas.
    P.S. Escusado será dizer que AMEI o post.

    ResponderEliminar
  2. A realidade quase sempre ultrapassa a ficção,infelizmente :(

    ResponderEliminar
  3. R: nem preciso dizer mais nada! Ainda bem que gostaste do post!

    Ana: eu conheço algumas histórias que arrumavam com as novelas mais mexicanas a um canto!!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!