quinta-feira, 19 de novembro de 2009

You have 3 lives left*

Mais uma do cão da minha mãe!

Costumo dizer e de forma cada vez mais convicta, que a minha mãe não podia ter encontrado melhor cão que o Mix e que o Mix não podia ter encontrado melhor dona que a minha mãe, isto porque o bicho é louco e tem sangue cigano: prendê-lo ao que quer que seja é só um desafio para se tentar libertar. E a minha mãe é tão despistada que se tivesse um cão normal já ia no quinto! Vejamos, em oito anos o Mica conseguiu:
- ser atropelado sem gravidade algumas vezes;
- perder-se dias a fio nas visitas às cadelas;
- atirar-se do segundo andar para ir à rua**;
- ser atropelado com muita gravidade*** uma vez;
- ser envenenado (veneno de ratos que estava no pinhal);
- ser enforcado...

Ora é sobre este último episódio que vou passar a discorrer.

A casa da Nazaré tem elevador. Quando entramos no prédio, normalmente soltamos a trela e ele vai direito ao elevador. Tudo normal e sem problema... não fosse o desgraçado do cão ter saído do elevador no momento que a porta fechava tendo a trela ficado do lado de dentro e o Mix do lado de fora. O elevador subiu e a trela que tinha 3m foi esticando e sabemos agora que tem a medida exacta (menos um bocadinho vá), que os dois andares que temos de subir. Lá saiu a mãe Fatinha a correr escada a baixo, para dar com um Mix pendurado pelo pescoço no topo da porta do elevador. Como nestas coisas não há nada como lata de descaramento, agarrou no homem do talho que estava a passar com uma faca na mão, levou-o para ao pé do bicho e mandou-lhe cortar a trela, tudo em menos de 1 minuto.

O Mix sacudiu-se, tossiu e foi para a mantinha dele dormir! Acordou três horas mais tarde como se nada tivesse acontecido!



A vida deste cão já dava um filme!

* se somarmos os pequenos acidentes para estes valerem só uma vida
** um dia escrevo sobre a conversa surreal que tive com a vizinha russa do andar de baixo (na casa antiga da Praia) que insistia que tinha visto o Mix pendurado nas cordas da roupa dela... e eu a pensar o tempo todo que era um problema de idiomas, mas não... era mesmo o cão que se atirava para ir passear!
*** digamos que o veterinário não acreditava que o bicho se safasse


3 comentários:

  1. A vida desse cão dava três filmes: duas comédias e um drama!

    ResponderEliminar
  2. Ui, nem tu imaginas!! Mas isto é só uma amostra! Há mais histórias bem mais surreais!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Amiga já há muito que sou fã do mix mas agora ... UI UI ele tem mas é de nos contar qual é o segredo da sua destreza fisica, psicológica, emocional e sei lá!!!

    Bjs gds

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!