sexta-feira, 12 de junho de 2009

Viver sozinha não é fácil

O outro dia, estava eu a preparar-me para secar a louça que tinha lavado, quando o drama aconteceu!
Ao tirar o pano reparei que logo atrás, pousada numa pega, estava uma mega traça*, daquelas castanhas, com pelinhos nas patas, três olhos e tenho cá para mim que falava e tudo!

Sou uma miúda valente, sem grandes medos (tirando a piquena do exorcista) e que até tem uma certa afeição por tudo quanto é bicho. Mas deus-nosso-senhor quando criou os insectos, com certeza estava chateado com a humanidade!!! Insecto, segundo a minha taxonomia, não é criatura que deva ser estimada! Fazem muito bem e tudo e tudo, mas longe de mim!

Perante tão horrível visão, arrepiei-me dos pés à cabeça e saíu um gritinho daqueles histéricos horríveis!!! Tão mau, que a desgraçada da borboleta (nojenta) desatou a voar no modo aleatório, a provocar-me calafrios de horror cada vez que desajeitadamente se aproximava de mim. Por fim lá entrou no quarto. Eu institivamente fechei a porta já que não podia fechar o problema!

Dois minutos depois ainda estava a pensar o que fazer. Pensei ligar ao meu pai, a pessoa mais corajosa a seguir a mim em situações do género. Mas depois tinha que o ouvir a gozar comigo anos a fio, porque lhe tinha pedido para ir tirar uma traça de minha casa. Sabia que tanto a minha mãe quanto a minha irmã, apesar da boa vontade, têm uma repulsa igualmente grande por estas criaturas do dêmo. Por isso informei o C, que estando longe não me podia ajudar, que provavelmente aquela noite ia ser passada no sofá! Ele com toda a sua paciência e empenho fez-me ver que tinha de enfrentar o problema, quase que como metáfora para outros que pudessem surgir. Respirei fundo, fui buscar uma toalha e a vassoura. Abri a porta do quarto o suficiente para o meu braço passar e acender a luz. Rezei alto com toda a minha alma para que a desgraçada da traça não estivesse pousada no interruptor. Aos poucos fui entrando com o pano numa mão e a vassoura noutra que chegava antes de mim aos objectivos traçados. Depois de tudo minuciosamente passado a pente fino, tive de chegar à conclusão que a bicha teve mais medo de mim do que eu dela e fugiu pela janela aberta! Deitei-me vitoriosa, ainda que a noite tenha sido passada tipo múmia (toda tapada) não fosse a desgraçada ter-se escondido e estar só à espera que eu adormecesse para sugar todo o meu sangue!

não tenho fotos com traças nem borboletas... isto foi o mais próximo que consegui arranjar

* a culpa não é minha! sou uma pessoa até bastante asseada!

5 comentários:

  1. Chamavas os bombeiros! Eles já conhecem os cantos à casa!! :)

    ResponderEliminar
  2. Nem custou muito encontrar uma borboleta semelhante à que deve ter andado pelo teu apartamento! ;)

    http://www.lusoborboletas.org/Nocturnas/pantheidae/colocasia_colyli.htm

    Olha que é espécie única em Portugal... E a melhor maneira de as tirar de casa sem as matar é mesmo abrir a janela e fechar a luz da divisão onde ela se encontrar. :)

    ResponderEliminar
  3. Brinquem brinquem... a coisa este complicada!!!

    ResponderEliminar
  4. Subscrevo na integra as tuas palavaras. Pior que os pontas brancas, barracudas, moreias-tipo-as-que-perseguem-o-Alex,raias irritadas, só mesmo os insectos.Medo.

    ResponderEliminar
  5. tubas pontas brancas, barracudas e raias raivosas, são bichinhos adoráveis ao pé destes monstros!

    ResponderEliminar

Aviso à navegação: como sou eu que mando neste estaminé, quando não gostar dos comentários não os vou publicar. Temos pena mas é a vidinha. Todos os outros comentários são bem-vindos!